Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    ANP anuncia acompanhamento diário de estoques de combustíveis no Brasil

    Agência declarou sobreaviso no abastecimento, citando cenário geopolítico atual

    ANP afirma que abastecimento de combustíveis ainda está regular em todo o país
    ANP afirma que abastecimento de combustíveis ainda está regular em todo o país Getty Images

    João Pedro Malardo CNN Brasil Business

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    A Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) anunciou na terça-feira (22) que passará a acompanhar diariamente os estoques de combustíveis no Brasil, medida que chamou de “sobreaviso no abastecimento”.

    Desta forma, os agentes econômicos em território nacional precisarão informar diariamente os estoques que possuem e as importações realizadas.

    Segundo a ANP, até o momento, o abastecimento está regular em todo o país, e o sobreaviso busca “somente permitir que esse acompanhamento dos estoques e das importações de produtores e distribuidores seja intensificado”.

    O comunicado com o anúncio de sobreaviso determina que as informações sobre estoques e importações sejam enviadas até às 12h de cada dia, e engloba gasolina A, óleo diesel A S 10, óleo diesel A S 500, querosene de aviação (QAV) e gás liquefeito de petróleo (GLP).

    A decisão foi tomada devido à “situação geopolítica mundial atual”, com a guerra entre Ucrânia e Rússia. Devido ao conflito, os preços do petróleo, já pressionados, dispararam e passaram os US$ 100, encarecendo os combustíveis.

    “O mecanismo do sobreaviso no abastecimento permite o monitoramento dinâmico do abastecimento, subsidiando possíveis ações preventivas”, afirma a ANP em nota.

    O anúncio foi feito após a publicação, no dia 10 de março, de uma portaria do Ministério de Minas e Energia que criou o Comitê Setorial de Monitoramento do Suprimento Nacional de Combustíveis e Biocombustíveis.

    O objetivo do órgão é “gerenciar as questões inerentes ao suprimento nacional de combustíveis e biocombustíveis” e “intensificar o monitoramento da conjuntura energética corrente, em face da situação geopolítica mundial, com impacto nos fluxos e nas cotações desses energéticos”.

    Desabastecimento

    Segundo professor Maurício Canêdo, da FGV, a medida é “só uma ferramenta para o órgão regulador acompanhar essa possibilidade [de desabastecimento] mais de perto”, mas não possui um efeito prático em relação aos preços dos combustíveis.

    Edmilson Moutinho, professor do IEE-USP, afirma que “do ponto de vista regulatório, é um procedimento padrão. Em tempos de emergência é bom que a agência tenha um acompanhamento mais próximo e possa identificar eventuais problemas de desabastecimento previamente”.

    O professor ressalta que a, segundo a ANP, a medida permitiria adotar medidas paliativas ou mitigatórias, mas sem esclarecer quais seriam. “Precisamos saber que medidas são essas. De quais instrumentos dispomos atualmente? Penso que estamos muito enfraquecidos”, diz, citando a falta de estabelecimento de estoques estratégicos pelo país.

    “Importadores estão com dificuldades para importar diesel. Também podemos ter problemas com importações de GNL para geração elétrica. A Europa vai consumir todos os excedentes do mercado global e pagará mais caro por eles. Surge então um risco de desabastecimento de diesel? Talvez. Há de se monitorar”, afirma.

    Para o Moutinho, a ausência de estoques disponíveis para a ANP gerenciar acaba fazendo com que a agência apenas avise “o governo do problema. Com sorte com boa antecipação”, mas que “caberá ao MME e ao CNPE processar e pensar em soluções”.

    Fontes do governo afirmaram à CNN em 10 de março que o reajuste mais recente nos combustíveis feito pela Petrobras, e o maior em mais de um ano, foi realizado para evitar um risco real de desabastecimento no país a partir de abril.

    O analista de política da CNN, Caio Junqueira, afirma que a Petrobras estava à época verificando os estoques de gasolina, diesel e GLP nas distribuidoras.

    O cenário apontado indicava que, se nada fosse feito, em pouco mais de 20 dias, o diesel seria o primeiro combustível a faltar, seguido de gasolina e do GLP.

    Cerca de 30% do petróleo brasileiro é importado, com a Petrobras seguindo a cotação internacional do tipo Brent.

    Antes do último reajuste, o preço internacional elevado não compensava a importação e venda no mercado interno por um preço bem menor, o que gerou o risco de desabastecimento. O reajuste não eliminou toda a defasagem, mas reduziu para níveis mais vantajosos às importadoras.

    Saiba mais sobre o petróleo e como funciona a sua cotação

    Mais Recentes da CNN