Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Brasil está “bem estruturado” para impactos econômicos da guerra, diz Tesouro

    Para o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle, ainda é cedo para pensar em leilões extraordinários da dívida pública para segurar o mercado

    Notas de 100 dólares
    Notas de 100 dólares 03/11/2009REUTERS/Rick Wilking

    da Agência Brasil

    Ouvir notícia

    O alto volume de reservas internacionais e as poucas dívidas em dólar tornam o Brasil preparado para enfrentar a volatilidade dos mercados financeiros ao conflito entre Rússia e Ucrânia, disse nesta quinta-feira (24) o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle. Segundo ele, ainda é cedo para pensar em leilões extraordinários da dívida pública para segurar o mercado.

    “É importante lembrar a posição em que o Brasil se encontra. Em termos de dívida pública, estamos em situação muito confortável. A gente tem só 5% da dívida em dívida externa e a participação do estrangeiro [na dívida interna] no Brasil é de pouco mais de 10%. A gente tem 100% da necessidade de financiamento de 2022 em caixa. A gente tem mais de US$ 350 bilhões de reserva internacional. O Brasil está bem estruturado para alguma volatilidade internacional”, afirmou Valle.

    Quanto a eventuais leilões do colchão da dívida pública, tipo de medida tomada em momentos de turbulência extrema no mercado financeiro, o secretário comentou que o Tesouro só poderá tomar qualquer decisão depois de aguardar como o conflito vai se desenrolar e se haverá impactos em outros países.

    “O Tesouro está com o caixa confortável. A gente acompanha o mercado permanentemente. Estamos atentos e tomaremos as medidas que forem necessárias. Mas, neste momento, acho que está cedo e que estamos bem posicionados”, afirmou Valle.

    O secretário deu as explicações ao comentar o resultado primário de janeiro. No mês passado, as contas do governo central tiveram superavit primário recorde de R$ 76,5 bilhões.

    Mais Recentes da CNN