Cantareira registra nível mais baixo para dezembro em 6 anos

Maior sistema da Região Metropolitana de São Paulo opera com 25,2% de sua capacidade; níveis abaixo de 30% são considerados como estado de restrição

Imagem aérea do Sistema Cantareira, em São Paulo.
Imagem aérea do Sistema Cantareira, em São Paulo. Luis Moura/WPP/Estadão Conteúdo

Léo LopesCarolina Figueiredoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O maior reservatório de água da Região Metropolitana de São Paulo, o Sistema Cantareira, está operando em seu nível mais baixo dos últimos seis anos para o mês de dezembro.

De acordo com o monitor da Sabesp para a situação dos mananciais, o Cantareira está, neste sábado (25), com 25,2% de seu volume operacional. Isso representa cerca de 247,8 bilhões de litros de água.

A Sabesp considera níveis entre 20% e 30% como estado de restrição.

Veja o histórico de volume operacional do Cantareira para dezembro:

  • 2015: -1,8%

  • 2016: 45,8%

  • 2017: 41,4%

  • 2018: 38,6%

  • 2019: 39,8%

  • 2020: 34,9%

  • 2021: 25,2%

Risco de desabastecimento

O professor do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da Universidade de São Paulo (USP), Pedro Cortês, afirmou à CNN que há grande risco de desabastecimento em abril de 2022.

A projeção é de que o nível possa chegar até a 20%, já que nos próximos meses, não há previsão de chuvas acima da média nos locais necessários para o abastecimento do sistema.

O Cantareira depende do mesmo regime de chuva que os da área central do Brasil, que vem da Amazônia. Segundo o especialista, o desmatamento da área contribui para a falta de precipitação.

Com exceção ao período de crise hídrica, o Cantareira não atingia níveis tão baixos desde março de 2016.

Histórico do nível de água no Cantareira no último ano

Detalhe histórico do nível de água no sistema Cantareira no último ano.
Índice de 25,2%, registrado neste sábado (25), é o mais baixo de 2021. / Sabesp / Reprodução

Maior produtor de água da Grande São Paulo

Formado por seis represas, o Sistema Cantareira é o maior produtor de água da Grande São Paulo. Os reservatórios de Águas Claras, Jaguari, Jacareí, Cachoeira, Atibainha e Paiva Castro estão conectados por 48 km de túneis subterrâneos e canais.

Há também uma estação de bombeamento no Sistema para ultrapassar a barreira física da Serra da Cantareira.

A capacidade da estação de tratamento é de 33 mil litros de água por segundo destinados a 6,5 milhões de pessoas das Zonas Norte, Central e partes das Zonas Leste e Oeste da capital, bem como os municípios de Franco da Rocha, Francisco Morato, Caieiras, Osasco, Carapicuíba e São Caetano do Sul, além de parte dos municípios de Guarulhos, Barueri, Taboão da Serra e Santo André.

Devido à possibilidade de falta de água, a capacidade do sistema Cantareira foi aumentada com o uso das reservas técnicas, também chamadas de volume morto.

Com informações de Victória Cócolo, da CNN.

Mais Recentes da CNN