China bloqueia contas de rede social relacionadas a criptomoedas

A intensificação da repressão ocorre ao mesmo tempo em que o banco central chinês acelera os testes de sua própria moeda digital

Foto: Thought Catalog/Unsplash

Samuel Shen e Andrew Galbraith, da Reuters

Ouvir notícia

 

Uma série de contas relacionadas a criptomoedas na rede social chinesa Weibo, semelhante ao Twitter, foram bloqueadas no fim de semana, quando Pequim intensificou a repressão ao comércio e mineração de bitcoins.

Mais ações são esperadas, incluindo a vinculação de atividades criptográficas ilegais na China mais diretamente com a lei criminal do país, de acordo com analistas e um regulador financeiro.

No mês passado, o Conselho de Estado da China, ou gabinete, prometeu reprimir a mineração e o comércio de bitcoins, intensificando uma campanha contra criptomoedas dias depois que três órgãos da indústria baniram serviços financeiros e de pagamento relacionados à criptografia.

No fim de semana, o acesso a várias contas do Weibo relacionadas à criptografia amplamente seguidas foi negado, com uma mensagem dizendo que a conta “viola leis e regras”.

 

“É um Dia do Julgamento para a criptografia KOL”, escreveu um comentarista de bitcoin do Weibo, ou líder de opinião (KOL), que se autodenomina “Mulher Dra. Bitcoin mini”. Sua conta principal também foi bloqueada no sábado.

“O governo deixa claro que nenhuma versão chinesa de Elon Musk pode existir no mercado de criptografia chinês”, disse o professor adjunto da Escola de Direito da NYU Winston Ma, referindo-se ao fundador da Tesla e entusiasta da criptomoeda.

Ma, autor do livro “The Digital War”, também espera que a suprema corte da China publique uma interpretação judicial em breve, que pode vincular a mineração de criptografia e negócios comerciais com o corpo de direito penal da China.

A opinião foi compartilhada por um regulador financeiro, que disse que tal interpretação resolveria a ambiguidade legal que falhou em identificar claramente as empresas de comércio de bitcoin como “operações ilegais”. Todas as regras contra criptomoedas até agora na China foram publicadas por órgãos administrativos.

O congelamento do Weibo ocorre no momento em que a mídia chinesa intensifica as denúncias contra o comércio de criptografia e a intensificação da repressão também ocorre ao mesmo tempo em que o banco central da China está acelerando os testes de sua própria moeda digital.

A agência oficial de notícias Xinhua publicou artigos que expõem uma série de golpes relacionados à criptografia. A emissora estadual CCTV disse que a criptomoeda é um ativo pouco regulamentado, frequentemente usado no comércio no mercado negro, lavagem de dinheiro, contrabando de armas, jogos de azar e tráfico de drogas.

Mais Recentes da CNN