China isola mais de 10 milhões contra Covid; entenda por que isso atinge mercado global

Bloqueio em Xangai é um grande problema não apenas por causa da escala da cidade, mas também por causa de seus profundos vínculos financeiros e econômicos

Rua bloqueada em Xangai, em 28 de março de 2022, dia em que começa nova fase de bloqueio contra Covid-19
Rua bloqueada em Xangai, em 28 de março de 2022, dia em que começa nova fase de bloqueio contra Covid-19 Kyodo News via Getty Images

Julia Horowitzdo CNN Business

Ouvir notícia

Muitos países ao redor do mundo decidiram viver com o coronavírus, mesmo quando uma nova subvariante alimenta outra onda de infecções. Mas a China é uma exceção extremamente importante.

A China continua a implantar bloqueios enquanto tenta eliminar a transmissão de Covid-19 dentro de suas fronteiras. A política está pairando sobre as perspectivas para a economia global e os mercados financeiros, apresentando mais incógnitas à medida que os investidores se esforçam para avaliar os impactos da guerra na Ucrânia e o aumento da inflação.

A partir de segunda-feira, cerca de 11 milhões de residentes na metade leste de Xangai serão proibidos de sair por quatro dias quando os testes em massa começarem. O bloqueio escalonado passará para a outra metade da cidade, que tem cerca de 14 milhões de habitantes, a partir de sexta-feira.

O anúncio fez com que os preços globais do petróleo caíssem drasticamente, já que os traders apostavam que as restrições reduziriam a demanda de um grande consumidor. A China importa cerca de 11 milhões de barris de petróleo por dia.

As ações estão se mantendo firmes, no entanto. O Shanghai Composite Index encerrou a segunda-feira quase 0,1% mais alto. A Bolsa de Valores de Xangai permaneceu aberta e disse que oferecerá serviços online para empresas que desejam passar pelo processo de listagem de ações.

Quão vital é Xangai?

O bloqueio em Xangai é um grande problema não apenas por causa da escala da cidade, mas também por causa de seus profundos vínculos financeiros e econômicos.

Xangai responde por cerca de 4% da produção econômica da China, de acordo com Larry Hu, da Macquarie Capital. Mas por ser um “principal centro da economia chinesa… o impacto indireto também pode ser substancial”, disse ele aos clientes.

O bloqueio e a incerteza sobre o que Pequim fará a seguir, enquanto mantém sua luta feroz contra o vírus, é uma ameaça à meta de crescimento econômico da China de cerca de 5,5%, já a menor em três décadas.

“A China deve ser capaz de conter o vírus nas próximas semanas, pois o bloqueio é efetivo”, disse Hu. “Mas a Covid representa um risco de crescimento substancial no resto deste ano, já que o bloqueio é muito caro”.

Os gastos do consumidor e o setor imobiliário da China, que já estava sob forte pressão, provavelmente sofrerão o impacto da dor.

Fora da China, a grande questão é se a fabricação e o transporte serão afetados, aumentando a pressão sobre as cadeias de suprimentos globais e aumentando ainda mais os preços.

Os principais portos de Xangai estão operando normalmente, de acordo com a mídia estatal. E durante um bloqueio na cidade de Shenzhen, no sul da China, no início deste mês, os fabricantes mudaram as operações para outras partes de sua rede para limitar o impacto das regras temporárias.

“O impacto nas atividades de manufatura provavelmente será gerenciável, especialmente se esses bloqueios forem curtos e esporádicos”, disseram economistas do Bank of America em uma nota de divulgação sobre pesquisa recente.

Mas provavelmente ainda haverá interrupções. Os meios de comunicação estão relatando que a Tesla suspenderá a produção em sua fábrica de Xangai por quatro dias.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN