O que é o Pix? 8 respostas sobre o sistema de pagamento que entra em vigor na 2ª

Não há data limite para fazer o cadastro das chaves de acesso, como CPF ou CNPJ. Mesmo depois do início das operações, é possível cadastrar as chaves

Cliente realiza pagamento por QR code: Pix estreia no dia 17 de novembro
Cliente realiza pagamento por QR code: Pix estreia no dia 17 de novembro Foto: Unsplash

Ouvir notícia

A frase “me passa os seus dados?” está com os dias contados. Ao menos, quando a conversa envolver transferência de dinheiro. Isso porque o Pix vem aí e com ele a facilidade de fazer transações tendo apenas o e-mail ou o celular do interlocutor.

A entrada em vigor do sistema de pagamentos instantâneos criado pelo Banco Central (BC) está marcada para segunda-feira, dia 16 de novembro. Mas não há data limite para fazer o cadastro das chaves de acesso, como CPF ou CNPJ. Mesmo depois do início das operações, é possível cadastrar as chaves.

Leia também:

Saiba tudo sobre o PIX, sistema que vai acabar com TED e DOC
Pix: Por que os bancos e fintechs querem tanto as suas chaves?

Mas ainda restam dúvidas sobre o tema. Na internet, as perguntas mais frequentes são “O que é Pix?” e “Como funciona?”. Confira as respostas: 

Como funciona o Pix?

No Pix, os clientes colocam uma chave que identifica outra pessoa e o valor da transação. Depois, aparecem as etapas de autenticação e, assim que confirmadas, o dinheiro é transferido em até 10 segundos. 

As transferências instantâneas não são feitas apenas entre correntistas de um mesmo banco. Clientes do Santander, por exemplo, podem fazer transferências gratuitas para correntistas do Itaú em poucos segundos. 

Quanto vai custar? 

O Pix será gratuito para pessoas físicas e microempreendedores individuais (MEIs), mas com algumas exceções.

É possível que sejam cobrados quando usarem as maquininhas do estabelecimento comercial para pagar as compras. 

Os valores das tarifas podem ser definidos por cada instituição, mas o Banco Central obriga que as empresas informem os valores a seus clientes. 

Como usar?

Para ter acesso ao Pix basta ter uma conta em uma instituição cadastrada no programa.

O Pix tem quatro tipos de chaves:

Número de CPF ou CNPJ;

Número do celular;

Endereço de e-mail 

EVP, uma sequência com números e letras a partir da qual será gerado um QR Code.

Ouça e leia também:

Podcast Abertura de Mercado: Pix começa a funcionar e bancos dizem estar prontos
Pix: 30% dos brasileiros economicamente ativos já têm chaves (e isso é positivo)

Posso usar a mesma chave em bancos diferentes?

Não. Se você usar seu e-mail como chave do Pix no Nubank, por exemplo, precisará cadastrar outro endereço se quiser se cadastrar no sistema pelo Next. 

Tem limite?

O Pix será lançado com a possibilidade de limite para as transações. O Banco Central anunciou essa funcionalidade depois que os bancos demonstraram preocupações com possíveis fraudes. 

É seguro?

Transferir dinheiro via Pix será tão seguro quanto fazer transações de TED e DOC. Todas as operações precisam ser autenticadas antes de serem concluídas. 

O Pix usa blockchain?

Não. Enquanto o blockchain é uma tecnologia que descentraliza as operações e usa vários estações para fazer os registros, o Banco Central vai centralizar todas as operações no Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI). Ou seja, todas as transferências vão passar por esse sistema para chegar ao destinatário. 

Por que o nome Pix?

O nome escolhido pelo Banco Central não é uma sigla. A ideia da autarquia foi batizar o sistema com um termo que lembre tecnologia, transações e pixels. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN