Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Copom eleva Selic em 0,5 ponto, a 13,75% ao ano, mesmo patamar de dezembro de 2016

    Atual ciclo de aperto monetário começou em março de 2021, quando a Selic saiu da mínima histórica de 2%

    Ligia Tuondo CNN Brasil Business

    São Paulo

    Ouvir notícia

    O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) anunciou nesta quarta-feira (3) uma alta de 0,5 ponto percentual na Selic. Com isso, a taxa básica de juros da economia foi de 13,25% para 13,75% ao ano, mesmo patamar de dezembro de 2016.

    A decisão foi unânime e veio em linha com a expectativa geral do mercado.

    Em comunicado, o comitê deixa a porta aberta para mais uma alta, de menor magnitude, em setembro.

    “O Comitê avaliará a necessidade de um ajuste residual, de menor magnitude, em sua próxima reunião. O Copom enfatiza que seguirá vigilante e que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas”, diz.

    O comunicado também indica que o BC começa a olhar para 2024 como parte do horizonte relevante.

    “Notou-se que as projeções de inflação para os anos de 2022 e 2023 estavam sujeitas a impactos elevados associados às alterações tributárias entre anos-calendário. Assim, o Comitê optou neste momento por dar ênfase à inflação acumulada em doze meses no primeiro trimestre de 2024, que reflete o horizonte relevante, suaviza os efeitos diretos decorrentes das mudanças tributárias, mas incorpora seus impactos secundários sobre as projeções de inflação relevantes para a decisão de política monetária”, diz.

    Doze altas seguidas

    O atual ciclo de aperto monetário começou em março de 2021, quando a Selic foi da mínima histórica de 2% para 2,75%. Desde então, a taxa sofreu 12 altas seguidas.

    Principal instrumento de política monetária do BC para controlar a inflação, a Selic influencia todas as taxas de juros do país, como as de empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras.

    A inflação oficial, medida pelo IPCA, ficou em 11,89% em 12 meses, segundo último dado disponível pelo IBGE, de junho. O valor ultrapassa com folga o teto da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para 2022, de 5%. O centro da meta está em 3,5%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

    A estimativa do mercado financeiro para o IPCA deste ano está em 7,15%, segundo o Boletim Focus.

    No comunicado divulgado em junho, o BC alertou que a inflação “seguiu surpreendendo negativamente”. Desta vez, porém, a expectativa geral no mercado é de trégua nos preços ao menos pelos próximos dois meses, em resposta, sobretudo, a um recente movimento de queda no valor dos combustíveis.

    Veja a íntegra do comunicado publicado pelo comitê:

    Em sua 248ª reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 13,75% a.a. A atualização do cenário do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

    O ambiente externo mantém-se adverso e volátil, com maiores revisões negativas para o crescimento global em um ambiente inflacionário ainda pressionado. O processo de normalização da política monetária nos países avançados tem se acelerado, impactando o cenário prospectivo e elevando a volatilidade dos ativos;

    Em relação à atividade econômica brasileira, o conjunto dos indicadores divulgado desde a última reunião do Copom seguiu indicando crescimento ao longo do segundo trimestre, com uma retomada no mercado de trabalho mais forte do que era esperada pelo Comitê;

    A inflação ao consumidor continua elevada, tanto em componentes mais voláteis como em itens associados à inflação subjacente;

    As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação;

    As expectativas de inflação para 2022, 2023 e 2024 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 7,2%, 5,3% e 3,3%, respectivamente; e

    No cenário de referência, a trajetória para a taxa de juros é extraída da pesquisa Focus e a taxa de câmbio parte de USD/BRL 5,30*, evoluindo segundo a paridade do poder de compra (PPC).

    Esse cenário supõe trajetória de juros que termina 2022 em 13,75% a.a., reduz-se para 11,00% em 2023 e 8,00% em 2024. Supõe-se que o preço do petróleo segue aproximadamente a curva futura pelos próximos seis meses e passa a aumentar 2% ao ano posteriormente. Além disso, adota-se a hipótese de bandeira tarifária “amarela” em dezembro de 2022, de 2023 e de 2024.

    Nesse cenário, as projeções de inflação do Copom situam-se em 6,8% para 2022, 4,6% para 2023 e 2,7% para 2024. As projeções para a inflação de preços administrados são de -1,3% para 2022, 8,4% para 2023 e 3,6% para 2024. As projeções do cenário de referência incorporam o impacto das medidas tributárias recentemente aprovadas.

    Para o horizonte de seis trimestres à frente, que suaviza o efeito ano-calendário, mas incorpora os impactos secundários das medidas tributárias que incidem entre 2022 e o primeiro trimestre de 2023, a projeção de inflação acumulada em doze meses situa-se em 3,5%.

    O Comitê julga que a incerteza em torno das suas premissas e projeções atualmente é maior do que o usual. O Comitê ressalta que, em seus cenários para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções.

    Entre os riscos de alta para o cenário inflacionário e as expectativas de inflação, destacam-se (i) uma maior persistência das pressões inflacionárias globais; e (ii) a incerteza sobre o futuro do arcabouço fiscal do país e estímulos fiscais adicionais que impliquem sustentação da demanda agregada, parcialmente incorporados nas expectativas de inflação e nos preços de ativos.

    Entre os riscos de baixa, ressaltam-se (i) uma possível reversão, ainda que parcial, do aumento nos preços das commodities internacionais em moeda local; e (ii) uma desaceleração da atividade econômica mais acentuada do que a projetada.

    O Comitê pondera que a possibilidade de que medidas fiscais de estímulo à demanda se tornem permanentes acentua os riscos de alta para o cenário inflacionário. Por outro lado, nota que o aumento do risco de desaceleração da economia global também acentua os riscos de baixa. O Comitê avalia que a conjuntura ainda particularmente incerta e volátil requer serenidade na avaliação dos riscos.

    Notou-se que as projeções de inflação para os anos de 2022 e 2023 estavam sujeitas a impactos elevados associados às alterações tributárias entre anos-calendário. Assim, o Comitê optou neste momento por dar ênfase à inflação acumulada em doze meses no primeiro trimestre de 2024, que reflete o horizonte relevante, suaviza os efeitos diretos decorrentes das mudanças tributárias, mas incorpora seus impactos secundários sobre as projeções de inflação relevantes para a decisão de política monetária.

    Considerando os cenários avaliados, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para 13,75% a.a.

    O Comitê entende que essa decisão reflete a incerteza ao redor de seus cenários e um balanço de riscos com variância ainda maior do que a usual para a inflação prospectiva, e é compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta ao longo do horizonte relevante, que inclui o ano de 2023 e, em grau menor, o de 2024.

    Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego.

    O Copom considera que, diante de suas projeções e do risco de desancoragem das expectativas para prazos mais longos, é apropriado que o ciclo de aperto monetário continue avançando significativamente em território ainda mais contracionista.

    O Comitê enfatiza que irá perseverar em sua estratégia até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas.

    O Comitê avaliará a necessidade de um ajuste residual, de menor magnitude, em sua próxima reunião. O Copom enfatiza que seguirá vigilante e que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados para assegurar a convergência da inflação para suas metas.

    Nota ainda que a incerteza da atual conjuntura, tanto doméstica quanto global, aliada ao estágio avançado do ciclo de ajuste e seus impactos acumulados ainda por serem observados, demanda cautela adicional em sua atuação.

    Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Roberto de Oliveira Campos Neto (presidente), Bruno Serra Fernandes, Carolina de Assis Barros, Diogo Abry Guillen, Fernanda Magalhães Rumenos Guardado, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso, Paulo Sérgio Neves de Souza e Renato Dias de Brito Gomes.

    *Em atualização

    Mais Recentes da CNN