Correios irão leiloar 61 mil itens que não foram entregues aos destinatários

Entre os objetos estão roupas, livros, peças de microinformática, acessórios para veículos, bijuterias, equipamentos eletrônicos, entre outros

Agência dos Correios
Agência dos Correios Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (12.mar.2018)

Fernanda Colavittida CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Os Correios irão leiloar cerca de 61 mil itens no próximo dia 27 de setembro. Os valores iniciais dos lotes variam entre R$ 1.303 até R$ 85.050.

São objetos como roupas, livros, peças de microinformática, acessórios para veículos, bijuterias, equipamentos eletrônicos, entre outros. Esses itens são classificados como refugos, ou seja, aqueles que não foram entregues ao destinatário ou foram devolvidos ao remetente após esgotadas todas as possibilidades e prescrito o prazo de direito à reclamação, conforme prevê o Código de Defesa do Consumidor.

“Serão ofertados dez lotes que são indivisíveis. Então, a pessoa que der lance a um lote é o lote todo, não serão aceitos lances para itens específicos”, explicou o chefe do departamento de infraestrutura dos Correios, Thiago Meireles. Ele destaca os lotes de utensílios do lar, com itens relacionados a cama, mesa, banho e eletrodomésticos e os de vestuário, mas diz que o grande chamariz são os celulares.

Os recursos arrecadados contribuirão para que os Correios ampliem sua capacidade de investimentos, resultando em melhorias nos serviços e produtos prestados aos clientes.

Como participar

Os interessados devem se cadastrar na plataforma Licitações-e do Banco do Brasil. Ao concluir essa etapa, pessoas físicas e jurídicas conseguem enviar propostas de forma eletrônica para participar da disputa online.

O edital com as informações está disponível na plataforma Licitações-e, pelo nº 893602, e também na página de licitações dos Correios.

Os lotes estão armazenados em edifício dos Correios em São Paulo. Quem quiser fazer uma visita ao local para ver os bens deve agendar pelo telefone (11) 4313-8150.

 

Mais Recentes da CNN