Demora em aprovar PEC impediu auxílio retroativo de novembro, diz João Roma à CNN

Ministro da Cidadania, João Roma, disse à CNN que o pagamento retroativo de novembro não será pago por “questão legal” que envolve a PEC dos Precatórios

Raphael Coraccinida CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

O ministro da Cidadania, João Roma, disse à CNN nesta quinta-feira (20) que o governo não pagará o retroativo de novembro do Auxílio Brasil porque a PEC dos Precatórios, que viabilizaria o pagamento, não foi aprovada a tempo.

Roma disse que o pagamento do mês de novembro que complementaria os R$ 400 prometido pelo governo não pode ser executado por exigência da PEC, que permitiu pagamentos somente a partir de dezembro.

“A questão é legal, porque a PEC só foi aprovada no (fim do) mês de novembro, e com muito esforço, só conseguimos pagar em dezembro”, disse o ministro.

A promulgação do texto pelo Congresso aconteceu no dia 16 de dezembro.

O primeiro pagamento do Auxílio Brasil foi feito na última terça-feira (18), aos brasileiros que têm número final 1 do NIS. Em novembro e dezembro, o governo pagou o Bolsa Família com o valor anterior do benefício, mesmo depois de assinada a extinção do programa.

João Roma disse que o Auxílio Brasil servirá também como programa estruturante para bancarização e liberação de microcrédito para beneficiários, mas não explicou em detalhes a proposta.

Candidato de Bolsonaro na Bahia

O ministro da Cidadania afirmou que será o candidato de Bolsonaro ao governo da Bahia, e que atua no estado para dar sustentação no estado à tentativa de reeleição do presidente.

“A Bahia precisa voltar a ser protagonista e resgatar a sua autoestima, e a tendência é que eu seja, sim, candidato a governador e ajudar a dar sustentação a candidatura do próprio presidente”, disse Roma.

O ministro diz que haverá uma redução da rejeição do presidente ao longo do ano, e que isso já pode ser notado com o início do pagamento do Auxílio Brasil.

“O povo brasileiro saberá, assim como o Nordeste saberá, ser grato a quem está fazendo pelo país”, disse Roma.

Mais Recentes da CNN