Economia dos EUA tem mais um alerta de que a recessão pode estar próxima

Achatamento da curva da taxa de juros, sinal potencial de recessão, preocupa investidores

Pessoas andam em frente à bandeira dos EUA
Pessoas andam em frente à bandeira dos EUA Leif Christoph Gottwald / Unsplash

Paul R. La Monicado CNN Business*

em Nova York

Ouvir notícia

O aumento dos preços do petróleo e do gás fez soar os alarmes de recessão em todo o mundo. Mas outro indicador econômico está começando a parecer ameaçador: a curva de juros está se achatando.

Wall Street observa de perto a diferença, ou “spread”, entre os rendimentos dos títulos do governo de curto prazo, principalmente o Tesouro de 2 anos, e as taxas de títulos de longo prazo, como o Tesouro de 10 anos.

À medida que esse spread diminui, os investidores temem que a curva de juros possa eventualmente se inverter, o que significa que as taxas de curto prazo seriam mais altas do que as de longo prazo.

Na última sexta-feira (11), a diferença era de apenas 0,25%, com o rendimento de 10 anos em torno de 2% e o de 2 anos rendendo 1,75%.

A diferença aumentou um pouco na última segunda-feira, quando o de 10 anos subiu para 2,1% e o rendimento de 2 anos foi de cerca de 1,82%, tornando o spread de 0,28%.

Curva de juros invertida geralmente ocorre antes de recessões

Uma curva de rendimento invertida tem sido frequentemente um sinal potencial de recessão. A curva de rendimentos inverteu-se em 2019 antes da recessão induzida pela Covid-19 em 2020. Também o fez em 2007, antes da Crise Financeira Global/Grande Recessão de 2008. E inverteu no início de 2000, pouco antes do colapso das ações pontocom/tech.

O secretário do Trabalho dos EUA, Marty Walsh, disse à CNN que uma recessão é “uma probabilidade real”, mas acrescentou que “temos uma economia muito forte” e observou que o mercado de trabalho, em particular, é saudável.

Quando os investidores querem taxas mais altas para títulos de curto prazo, é uma indicação de que os detentores de títulos estão nervosos. Normalmente, as taxas de títulos de longo prazo são mais altas porque você precisa esperar mais tempo para ser pago de volta.

Então, quão preocupados devem estar os investidores com a possibilidade da curva de juros se inverter?

Alguns argumentam que a única razão pela qual isso está acontecendo deriva da invasão da Ucrânia pela Rússia e do consequente aumento nos preços das commodities.

“Os riscos de uma recessão estão aumentando, mas não necessariamente imediatos, a menos que a geopolítica global se deteriore drasticamente a partir deste delicado ponto de partida”, disse Jim Reid, estrategista do Deutsche Bank, em um relatório.

O Federal Reserve, que deve aumentar as taxas de juros no final desta semana, pode tomar cuidado para não aumentar as taxas de forma tão agressiva que os rendimentos de curto prazo aumentem ainda mais e acabem invertendo a curva de juros.

Isso pode causar uma desaceleração no mercado de trabalho. E o Fed deve ficar de olho nas taxas de desemprego e na inflação.

“O presidente Jerome Powell deixará claro que o Fed está ciente de seu duplo mandato e não quer inverter a curva de rendimentos e produzir uma recessão”, disse Jay Hatfield, diretor de investimentos do ICAP, em um relatório.

Preocupações com a inflação existiam antes da guerra na Ucrânia

Embora a tensão geopolítica possa estar distorcendo os preços, as pressões inflacionárias já estavam aumentando antes do ataque russo à Ucrânia.

“Rússia/Ucrânia está apenas impulsionando a desaceleração natural da economia que teria ocorrido quando o Fed apertou a política”, disse Tom Essaye, fundador da Sevens Report Research, em nota na semana passada.

Essaye argumenta que os aumentos das taxas do Fed e uma economia em desaceleração provavelmente teriam levado a uma curva de rendimentos invertida em algum momento deste ano, mesmo que a Rússia e a Ucrânia não estivessem nas manchetes.

“Os aumentos de taxas iminentes se combinarão com o impulso de desaceleração do crescimento dos preços mais altos das commodities e inflação mais alta para trazer uma desaceleração do crescimento mais cedo do que o esperado anteriormente”, disse ele.

O aumento das taxas de curto prazo também pode criar problemas para as grandes empresas de Wall Street. Embora taxas mais altas tendam a aumentar os lucros dos empréstimos, elas também tornam a negociação, principalmente de títulos, mais uma aposta.

“O recente achatamento da curva de juros e a volatilidade nos mercados de capitais são riscos emergentes; portanto, estamos mais cautelosos com os maiores bancos”, disseram analistas da empresa de pesquisa KBW em um relatório recente.

O fato de os rendimentos dos títulos serem baixos não é necessariamente uma coisa ruim. As taxas caem quando os investidores estão comprando títulos. Portanto, os traders claramente ainda estão achando que a dívida do Tesouro dos EUA é estável o suficiente para continuar migrando para ela. Mas é incomum ver as taxas de curto prazo caírem tão acentuadamente.

Um estrategista observou que não importa se os investidores estão comprando títulos porque os consideram seguros. Ainda há muito com o que se preocupar.

“A batida da recessão está ganhando volume”, disse Nancy Tengler, CEO e CIO da Laffer Tengler Investments, em um relatório. “É claro que há muitas razões para se preocupar. Inflação em alta, custos de energia em alta, uma recessão quase certa na zona do euro e uma curva de juros perigosamente plana.”

“Não importa que a curva de juros esteja sendo distorcida por uma fuga massiva para a qualidade”, acrescentou Tengler. “Uma inversão é uma inversão.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN