EDP tem lucro líquido de R$ 809 milhões no 4º tri e anuncia dividendo recorde

Ebitda da empresa portuguesa somou R$ 1,36 bilhão, em alta de 66,3% na comparação com o ano anterior

Cabos de energia elétrica são vistos perto de uma usina Energias de Portugal (EDP) nos arredores do Carregado, Portugal.
Cabos de energia elétrica são vistos perto de uma usina Energias de Portugal (EDP) nos arredores do Carregado, Portugal. 16/05/2018REUTERS/Rafael Marchante/File Photo

Por Marta Nogueira, da Reuters

Ouvir notícia

A elétrica EDP Energias do Brasil, da portuguesa EDP, registrou lucro líquido de R$ 809 milhões no quarto trimestre, alta de 15,6% ante o mesmo intervalo em 2020, informou a companhia nesta quinta-feira (17) ao anunciar ainda o pagamento de dividendo recorde.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado entre outubro e dezembro somou R$ 1,36 bilhão, alta de 66,3% na comparação com um ano antes.

Em 2021, a EDP alcançou um resultado recorde, com lucro de R$ 2,2 bilhões, avanço de 43,2% ante 2020. Já o Ebitda ajustado somou R$ 3,5 bilhões, alta de 40,3%.

O resultado, disse a jornalistas o presidente da EDP no Brasil, João Marques da Cruz, reflete o êxito da estratégia da companhia, com foco nos segmentos de transmissão, energia solar e distribuição.

“O desempenho deste ano foi muito bom… É possível e nós vamos pagar um dividendo recorde”, frisou Cruz. “Será o maior dividendo da história da empresa.”

A empresa anunciou nesta quarta-feira que pagará dividendos e Juros sobre Capital Próprio (JCP) de R$ 1,2 bilhão, o que representa R$ 2,18 por ação.

Em comunicado, a elétrica apontou ainda que o volume de energia distribuída registrou crescimento de 5,5%, em função da recuperação da atividade econômica e da expansão no número de clientes.

Outro destaque foi o reajuste tarifário das distribuidoras, que resultou em aumentos de 46% e 33% da Parcela B, na EDP Espírito Santo e na EDP São Paulo, respectivamente.

Expansão solar

Cruz reiterou a jornalistas que a EDP tem como estratégia aumentar a sua exposição a ativos de geração solar, enquanto busca reduzir o número de hidrelétricas em seu portfólio. A expectativa é somar em 2022 uma capacidade de geração fotovoltaica de 650 MW a 700 MW.

Nesse contexto, a companhia anunciou sua primeira usina solar de larga escala, Monte Verde Solar, em parceria com a EDP Renováveis. O projeto tem capacidade instalada de 209 MW e contrato de compra e venda de energia de 15 anos já firmado.

A empresa está próxima também de anunciar um projeto solar em São Paulo, de 250 MW, e trabalha para concretizar um terceiro projeto em Minas Gerais, segundo o executivo, que evitou entrar em detalhes.

“Queremos rebalancear nosso portfólio com mais solar e menos hídrica… É uma opção estratégica”, ressaltou Cruz.

Nesse segmento, a EDP também efetivou ainda a aquisição da AES Inova, plataforma de investimento em geração distribuída da AES Brasil, e a compra de participação de 40% na Blue Sol, empresa de geração fotovoltaica voltada ao mercado B2C.

Do lado da venda de hidrelétricas, Cruz destacou que a EDP não “venderá as hídricas a qualquer preço ou condição”.

“Não temos nenhuma pressão para vender… Acabamos de anunciar dividendos recorde, o que mostra solidez da empresa”, ressaltou.

Segundo ele, as negociações exclusivas com uma entidade cujo nome não foi revelado para a venda das hidrelétricas Santo Antônio do Jari, Cachoeira Caldeirão e Mascarenhas não obtiveram sucesso, pois as condições do negócio não se mostraram atrativas.

Transmissão

Na frente de transmissão, Cruz disse que a empresa avaliará todos os lotes que serão ofertados em leilão previsto para 30 de junho e que deverá participar do certame, sem adiantar estratégias.

“Estamos a crescer na transmissão e temos todo interesse de estar presente no leilão”, afirmou o executivo, que afirmou ainda acreditar que será um leilão competitivo.

Em 2021, a EDP avançou no segmento de transmissão com uma estratégia de criação de valor por meio da rotação de ativos.

Nesse sentido, a empresa destacou duas transações: a compra da EDP Goiás (antiga Celg T) em leilão realizado em outubro do ano passado, e a venda, no mesmo mês, de três ativos de Transmissão – os lotes 24, no Espírito Santo, e 7 e 11, no Maranhão.

Nestas operações, a companhia reiterou ter alienado 439 quilômetros de linhas e três subestações e incorporado 756 quilômetros de linhas e 14 subestações.

No mesmo ano, a companhia realizou as aquisições do lote Mata Grande, no Maranhão, no mercado secundário, e do lote 1 do Leilão de Transmissão nº 1/2021, localizado entre os estados do Acre e Rondônia.

 

Mais Recentes da CNN