Entregas mais caras: alta do diesel faz preço do frete subir ao menos 8,75% no país

Com alta do diesel, setor repassa custos que devem ser sentidos na mesa do brasileiro, já que 60% do transporte de mercadorias é feito por rodovias, de acordo com entidade

Beatriz PuentePauline Almeidada CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O reajuste de 24,9% no diesel já está sendo incluído no custo dos fretes. A Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC & Logística) informou que a subida do combustível fez com que as empresas aumentassem, no mínimo, em 8,75% o preço do serviço.

Segundo a entidade, esse repasse deveria ser ainda maior, na casa dos 30%, de forma a recompor todas as altas registradas nos últimos meses.

Desde o dia 11 de março, o novo reajuste da Petrobras começou a ser aplicado para as distribuidoras. O preço médio do diesel foi de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro.

De acordo com dados da NTC & Logística, a malha rodoviária é responsável por cerca de 60% do transporte de produtos no Brasil. Por isso, uma alta nos combustíveis tem impacto direto nas mercadorias que chegam à casa dos consumidores.

O Conselho Nacional de Estudos em Transporte, Custo, Tarifas e Mercado (Conet) da NTC & Logística, calcula que, antes do reajuste anunciado pela Petrobras, a subida dos insumos já indicava a necessidade de uma alta de 18,58% nas cargas fracionadas (quando um veículo transporta mais de um produto) e 27,65% na carga lotação (carga única que preenche todo o veículo).

Com o aumento do diesel, os índices deveriam subir para 28,96% e 38,82%, respectivamente.

O vice-presidente da NTC & Logística e presidente da Federação do Transporte de Cargas do Estado do Rio de Janeiro (Fetranscarga-RJ), Eduardo Ferreira Rebuzzi, argumenta que o reajuste nos preços é inevitável.

“O repasse do diesel, de 24,9%, que corresponde a 8,75%, 10% dos custos, as empresas estão conseguindo repassar porque foi um aumento muito puxado, muito impactante. Se não repassar, vai parar de trabalhar. O restante, a gente pode ir negociando como já estava negociando, mas esse aumento do diesel tem que ser de uma vez só”, apontou.

Rebuzzi destaca que somente o combustível acumulou uma alta de aproximadamente 50% em 2021. Diante disso, as empresas ainda negociavam com os clientes as atualizações do ano passado quando veio o novo reajuste do diesel.

“O que muitas empresas estão conseguindo fazer é colocar um gatilho. Toda vez que o percentual chega a 10%, aumenta um pouquinho para não ficar uma coisa muito defasada. E essa alta de preços depende do mercado externo, já que o petróleo é uma commodity. Primeiro, veio a pandemia, agora a guerra”, disse.

“A expectativa é que continue variando. Uma coisa que vemos como positivo é reduzir a carga tributária em cima do diesel. Se você pensar que o diesel é o ‘motor’ de tudo, de levar o insumo a uma fábrica até um produto para casa do consumidor, tudo está baseado no diesel.”

Para o assessor técnico da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística, Lauro Valdivia, o impacto do reajuste é tão significativo que está fazendo com que empreendedores desistam do negócio.

Ele afirmou que a margem de lucro tem sido reduzida enquanto os custos sofrem sucessivos aumentos.

“Só nas últimas semanas, ouvi dois empresários que iam parar, iam vender os caminhões. Em 30 anos, nunca tinha visto isso. O combustível representa 1/3 do nosso custo, a mão de obra já vai ter reajuste em maio, cerca de 10%”, pontuou Valdivia.

“Nossa margem de lucro de 10% a 15%, na realidade, está sendo de 5%. Um caminhão que custava R$ 400 mil está R$ 700 mil. O conjunto todo está caro de se manter.”

O relatório logístico de março da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta que que as principais rotas do país, usadas para escoamento da produção, registram aumentos de até 66% neste ano.

Também alerta que a guerra na Ucrânia trará efeitos para frete marítimo.

“Além de provocar aumento no preço dos fertilizantes, esta conjuntura tem provocado incremento nas cotações do frete marítimo, encarecendo ainda mais o produto no mercado nacional. A exemplo: para um nutriente saindo da Europa para o Brasil já houve um aumento de US$ 4,00/tonelada de um frete marítimo, em um mês”, diz o documento.

“Países como Egito e Marrocos, que também são exportadores de fertilizantes para o Brasil chegaram a ter uma alta no frete marítimo de US$ 12,00/tonelada.”

Representante do setor de transporte marítimo, o diretor executivo da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem (Abac), Luís Fernando Resano, destacou que o combustível é um dos principais custos do serviço.

“Cada empresa repassa no momento que avaliar oportuno dentro dos contratos. Entendemos que o governo deveria ter uma política única de preço de combustíveis para o transporte nacional. Na cabotagem, já pagamos preços internacionais e dolarizados”, explicou o diretor executivo da Abac.

Para o economista e analista da corretora Warren, Fred Nobre, o aumento dos combustíveis, especialmente do diesel, produz um impacto de altas em cadeia em vários setores como turismo, indústria e, claro, o frete de produtos.

“O combustível não é apenas um item da cesta do IPCA, mas impacta também uma série de outros itens da cesta. No caso do frete, impacta diretamente, ainda mais porque a gente depende muito da malha rodoviária, as ferrovias não são bem desenvolvidas. Esse custo vai chegar em vários bens e serviços, mas principalmente nos alimentos”, ressaltou.

Mais Recentes da CNN