Facebook anuncia investimento de US$ 50 milhões para construir metaverso

A rede social tem investido forte em realidade virtual e realidade aumentada, incluindo em headsets óculos e pulseiras tecnológicas

Os recursos serão usados ​​ao longo de dois anos para garantir que as tecnologias do metaverso sejam "construídas de uma forma inclusiva e empoderadora", disse o Facebook
Os recursos serão usados ​​ao longo de dois anos para garantir que as tecnologias do metaverso sejam "construídas de uma forma inclusiva e empoderadora", disse o Facebook Foto: Johanna Geron/Reuters

Sheila Dangda Reuters

Ouvir notícia

O Facebook anunciou nesta segunda-feira (27) que vai investir US$ 50 milhões numa parceria para construir o chamado metaverso, mundo digital em que as pessoas podem usar diferentes dispositivos para se mover e se comunicar num ambiente virtual.

A maior rede social do mundo tem investido forte em realidade virtual e realidade aumentada, incluindo em headsets óculos e pulseiras tecnológicas.

Os recursos serão usados ​​ao longo de dois anos para garantir que as tecnologias do metaverso sejam “construídas de uma forma inclusiva e empoderadora”, disse o Facebook.

A empresa disse que planeja trabalhar com pesquisadores em quatro áreas, incluindo privacidade e segurança de dados, para permitir que os usuários obtenham ajuda se algo virem no metaverso os deixar desconfortáveis.

Ela também pesquisará como criar tecnologias que sejam inclusivas e ganhe a todos os usuários, e também “incentivará a competição” na indústria.

O Facebook tem enfrentado uma série de problemas envolvendo a internet, como a disseminação da desinformação e o impacto negativo da rede social sobre os adolescentes.

Um executivo do Facebook testemunhará na quinta-feira em uma audiência do comitê do Senado dos Estados Unidos sobre o impacto de seu aplicativo Instagram na saúde mental de usuários jovens.

Os parceiros no novo fundo do metaverso do Facebook incluem a Howard University, de Washington DC, a Universidade Nacional de Seul e a Universidade de Hong Kong.

Mais Recentes da CNN