Facebook falha em proteger direitos civis de usuários, diz auditoria

Relatório da pesquisa, contratada pelo Facebook há dois anos, apontou uma série de decisões prejudiciais em conteúdos políticos

Imagem digital do logotipo do Facebook
Imagem digital do logotipo do Facebook Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Reuters

Ouvir notícia

O Facebook não fez o suficiente para proteger seus usuários contra discriminação, desinformação e incitação à violência, disse uma auditoria externa de direitos civis nesta quarta-feira, aumentando a pressão sobre a empresa em meio a um boicote de anunciantes.

O relatório da auditoria, contratada pelo Facebook há dois anos, apontou o que os autores descreveram como uma série de decisões prejudiciais, incluindo um “terrível precedente” para não intervir em publicações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nas últimas semanas, o que poderia permitir que a plataforma fosse “usada como arma para reprimir a votação”.

As descobertas ocorrem no momento em que cerca de 900 anunciantes, incluindo grandes marcas como a Coca-Cola, aderiram a um boicote promovido por grandes grupos de direitos civis dos EUA, incluindo a Liga Antidifamação.

“Muitos na comunidade de direitos civis ficaram desanimados, frustrados e irritados após anos de engajamento, nos quais imploraram à empresa que fizesse mais para promover a igualdade e combater a discriminação, além de proteger a liberdade de expressão”, escreveram os auditores.

Leia também:

Membros de boicote ao Facebook criticam falta de compromisso Zuckerberg

Anunciantes voltarão em breve, diz Zuckerberg sobre boicote ao Facebook

O Facebook encomendou a auditoria em 2018 como parte de sua resposta a uma série de críticas sobre questões como privacidade de dados, repressão de eleitores, incitação à violência e falta de transparência na publicidade política. A auditoria foi liderada por Laura Murphy, ex-diretora do escritório legislativo da American Civil Liberties Union.

A empresa não indicou imediatamente as etapas específicas a serem tomadas em resposta às conclusões, mas emitiu uma declaração atribuída à vice-presidente de operações, Sheryl Sandberg, descrevendo a auditoria como um “processo realmente importante para a nossa empresa”.

“O Facebook se posiciona firmemente contra o discurso de ódio”, disse Sandberg. “O que ficou cada vez mais claro é que temos um longo caminho a percorrer.”

Os auditores disseram que o Facebook estava muito disposto a isentar os políticos de suas regras, permitindo a disseminação de informações falsas, de retórica prejudicial e divisiva e até enaltecimento da violência.

Organizadores do boicote contra a empresa se reuniram via videoconferência com o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, na terça-feira. Após a reunião, os ativistas disseram que “não viram compromisso para ação” em direção a mudanças por parte da empresa.

Mais Recentes da CNN