Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fed e mercado financeiro divergem sobre possível recessão nos EUA

    Investidores parecem mais pessimistas do que os formuladores de políticas econômicas

    Economia dos EUA pode crescer cerca de 1% a 1,5% por um ano, significativamente menor do que o crescimento de 5,7% registrado em 2021
    Economia dos EUA pode crescer cerca de 1% a 1,5% por um ano, significativamente menor do que o crescimento de 5,7% registrado em 2021 26/05/2017REUTERS/Kevin Lamarque

    Julia Horowitzdo CNN Business

    Ouvir notícia

    Um número crescente de investidores chegou à conclusão de que uma recessão nos Estados Unidos provavelmente está se aproximando, alimentando uma forte venda de ações e títulos enquanto Wall Street se prepara para o impacto.

    Uma recessão superficial no final deste ano ou no início do próximo está “se tornando a visão de consenso”, disse David Bianco, diretor de investimentos da DWS para as Américas, a repórteres nesta semana.

    Embora haja um consenso de que o Federal Reserve precisa continuar a retirar agressivamente o apoio à economia para conter a inflação de décadas, os operadores estão cada vez mais preocupados com o fato de o banco central poder acidentalmente ir longe demais, desencadeando uma nova onda de perdas de empregos e jogando crescimento em sentido inverso.

    Mas as próprias autoridades do Fed não veem esse resultado como inevitável. Mesmo com a agitação do mercado, eles sustentam que a chamada “aterrissagem suave” – onde o banco central consegue reduzir a inflação sem levar a economia à recessão – continua sendo possível.

    “Teremos um crescimento mais lento que pode ficar abaixo do que estamos acostumados”, disse a presidente do Fed de São Francisco, Mary Daly, na terça-feira (28), em um evento online organizado pelo LinkedIn.

    “Eu não ficaria surpreso, e na verdade está na minha previsão, que o crescimento caia abaixo de 2%. Mas na verdade não vai girar para baixo em território negativo.”

    Daly disse que o desemprego provavelmente aumentará, embora “nada nas proporções que vimos no que as pessoas pensariam em uma recessão”. Ela observou que a atual taxa de desemprego de 3,6% está próxima das mínimas históricas, portanto, um pequeno aumento não levaria a dificuldades generalizadas.

    Enquanto isso, o presidente do Fed de Nova York, John Williams, disse na terça-feira em entrevista à CNBC que uma recessão não é seu “caso base” no momento, observando que a economia está “forte”.

    Ele disse que a economia dos EUA pode crescer cerca de 1% a 1,5% por um ano, significativamente menor do que o crescimento de 5,7% registrado em 2021.

    “Mas isso não é uma recessão”, continuou Williams. “É uma desaceleração que precisamos ver na economia para realmente reduzir as pressões inflacionárias que temos e trazer a inflação para baixo.”

    Os próximos 12 meses produzirão muito debate sobre o que tecnicamente constitui uma recessão (a designação oficial viria do National Bureau of Economic Research). É um mandato carregado, especialmente antes das eleições em novembro.

    Mas o que mais importa agora é a magnitude de qualquer desaceleração. Sabemos que a economia deve desacelerar acentuadamente à medida que o Fed tenta conter os aumentos de preços.

    Mas será que realmente veremos a economia dos EUA encolher? E se sim, por quanto? O tamanho e a duração de qualquer contração – e se isso tem efeitos indiretos, como inadimplência – serão significativos.

    Por enquanto, os investidores parecem mais pessimistas do que os formuladores de políticas econômicas. O S&P 500 caiu na terça-feira, depois que novos dados mostraram que a confiança do consumidor dos EUA vacilou.

    As expectativas de curto prazo para as condições de renda, negócios e mercado de trabalho caíram para seu nível mais baixo desde março de 2013.

    Os nervos podem não ser uma coisa ruim, no entanto. Se uma recessão for principalmente precificada em ativos como ações, eles podem se estabilizar no segundo semestre do ano.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN