Fim da bandeira vermelha explica desaceleração da prévia da inflação, diz economista

À CNN Rádio, Mauro Rochlin afirmou que houve “meia surpresa” com os números divulgados no IPCA-15

Rochlin acredita que “a gente pode, daqui para frente, assistir a uma queda dos números e fechar o ano com inflação de um dígito.”
Rochlin acredita que “a gente pode, daqui para frente, assistir a uma queda dos números e fechar o ano com inflação de um dígito.” Foto: Pexels

Amanda GarciaBel Camposda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

O economista e professor da FGV, Mauro Rochlin, avalia que houve “uma meia surpresa” com a desaceleração dos números da inflação de abril.

O IBGE liberou a “prévia inflação oficial”, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15). A taxa desacelerou para 0,58% em maio na comparação com o mês de abril.

“Alguns indicadores inflacionários, como o IGP-M, vieram com números muito mais baixos, o primeiro fator responsável por isso é o fim da bandeira vermelha na cobrança de luz. O impacto é grande”, explicou, em entrevista à CNN Rádio.

De acordo com ele, analistas devem apontar a queda como pontual, mas chamou a atenção para o fato de que alimentos também registraram números melhores.

“A expectativa é de melhora nos próximos três meses, por causa da safra que chegará ao mercado a partir de maio e junho. Se olharmos as séries históricas da inflação, junho e agosto são marcados por inflação de alimentos mais baixa”, afirmou.

Dessa forma, Rochlin acredita que “a gente pode, daqui para frente, assistir a uma queda dos números e fechar o ano com inflação de um dígito.”

Davos

Mauro Rochlin avaliou que o Fórum Econômico Mundial, que acontece em Davos, na Suíça, não deve trazer uma decisão conjunta das nações a respeito da alta inflação em todo o mundo.

“Não existem instrumentos para pensar numa ação coordenada dos principais líderes no que diz respeito a ações conjuntas, então países enfrentam processos inflacionários de modo independente uns dos outros, cada um tem a sua maneira de tratar o problema, conduz política monetária e de juros de forma específica”, completou.

Ele ponderou: “Não podemos dizer que Davos pode sair uma solução que implique uma coordenação internacional e ação conjunta, o que podemos ter são ideias que podem se tornar hegemônicas, são propostas que podem ganhar relevância, mas acho difícil sair uma decisão concreta por parte dos países”.

Mais Recentes da CNN