Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    FMI corta previsão de crescimento global em 2022 para 3,6% por guerra na Ucrânia

    Conflito deve desacelerar crescimento e aumentar ainda mais a inflação, disse o FMI em seu último relatório Perspectiva Econômica Mundial

    Logo do FMI, em Washington
    Logo do FMI, em Washington 04/09/2018REUTERS/Yuri Gripas

    Reuters

    Ouvir notícia

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu nesta terça-feira sua previsão de crescimento econômico global em quase 1 ponto percentual, como efeito da guerra da Rússia na Ucrânia e com um aviso de que a inflação agora é um “perigo claro e presente” para muitos países.

    A guerra deve desacelerar o crescimento e aumentar ainda mais a inflação, disse o FMI em seu último relatório Perspectiva Econômica Mundial, no qual alertou que suas estimativas foram marcadas por uma “incerteza incomumente alta”.

    Novas sanções à energia russa e a ampliação da guerra, uma desaceleração mais acentuada do que o previsto na China e um novo surto da pandemia podem frear ainda mais o crescimento e elevar a inflação, enquanto a alta dos preços pode desencadear agitações sociais.

    O credor global, que rebaixou suas previsões pela segunda vez neste ano, disse que agora prevê crescimento global de 3,6% em 2022 e 2023, queda de 0,8 e 0,2 ponto percentual, respectivamente, ante a previsão de janeiro, dados os impactos diretos da guerra na Rússia e Ucrânia e repercussões globais.

    O crescimento global no médio prazo deverá esfriar para cerca de 3,3%, em comparação com uma média de 4,1% no período de 2004 a 2013 e com crescimento de 6,1% em 2021.

    “As perspectivas econômicas globais foram severamente prejudicadas, em grande parte por causa da invasão da Ucrânia pela Rússia”, escreveu o economista-chefe do Fundo, Pierre-Olivier Gourinchas, em publicação em um blog divulgada nesta terça-feira com o relatório atualizado.

    A guerra exacerbou uma inflação que já vinha em alta em muitos países devido a desequilíbrios na oferta e demanda ligados à pandemia, com os últimos bloqueios na China provavelmente causando novos gargalos nas cadeias de suprimentos globais.

    A expectativa é que Rússia e Ucrânia experimentem fortes contrações em suas economias, enquanto a União Europeia (UE) –altamente dependente da energia russa– viu sua previsão de crescimento para 2022 ser cortada em 1,1 ponto percentual.

    “A guerra se soma à série de choques de oferta que atingiram a economia global nos últimos anos. Assim como ondas sísmicas, seus efeitos se propagarão por toda parte –através de ligações entre os mercados de commodities, de comércio e financeiros”, disse Gourinchas.

    O FMI disse que revisou para baixo sua perspectiva de médio prazo para todos os grupos, exceto os países exportadores de commodities que se beneficiam do aumento nos preços de energia e alimentos.

    Ele disse que as economias avançadas levarão mais tempo para se recuperar de sua tendência de produção pré-pandemia, enquanto a divergência entre economias avançadas e em desenvolvimento provavelmente persistirá, o que sugere algumas “cicatrizes permanentes” da pandemia.

    “Perigo claro e presente”

    O Fundo disse que a inflação agora deve permanecer mais alta por mais tempo, impulsionada pelos avanços dos preços das commodities induzidos pela guerra e pelas crescentes pressões sobre os preços, e alertou que a situação pode piorar se os desequilíbrios entre oferta e demanda se aprofundarem.

    Para 2022, o FMI prevê inflação de 5,7% nas economias avançadas e de 8,7% nas economias emergentes e em desenvolvimento, saltos de 1,8 e 2,8 pontos percentuais em relação às previsões de janeiro.

    “A inflação se tornou um perigo claro e presente para muitos países”, escreveu Gourinchas no blog.

    Ele disse que o Federal Reserve (dos EUA) e muitos outros bancos centrais já adotaram uma política monetária mais rígida, mas as interrupções relacionadas à guerra estão amplificando essas pressões.

    O FMI disse haver risco crescente de que as expectativas de inflação fiquem desancoradas, levando a uma resposta mais agressiva de aperto monetário, o que pode pressionar uma gama mais ampla de economias de mercados emergentes.

    As condições financeiras ficaram mais apertadas para os mercados emergentes e países em desenvolvimento imediatamente após a invasão, e a reprecificação foi “de forma geral ordenada”, mas um aperto monetário adicional era possível, bem como saídas de capital.

    A guerra também intensificou o risco de uma fragmentação mais permanente da economia mundial em blocos geopolíticos com padrões tecnológicos, sistemas de pagamento transfronteiriços e moedas de reserva distintos.

    “Tal ‘mudança tectônica’ causaria perdas de eficiência a longo prazo, aumentaria a volatilidade e representaria um grande desafio para a estrutura baseada em regras que governou as relações internacionais e econômicas nos últimos 75 anos”, afirmou Gourinchas.

    Mais Recentes da CNN