Gigante chinesa Evergrande cumpre prazo crucial de dívida, mas outro se aproxima

Nas últimas semanas, a empresa alertou os investidores duas vezes que poderia entrar em default se não conseguisse levantar dinheiro rapidamente

China Evergrande Centre no distrito de Wan Chai, em Hong Kong
China Evergrande Centre no distrito de Wan Chai, em Hong Kong Reprodução

Laura Hedo CNN Business*

Ouvir notícia

A gigante chinesa Evergrande conseguiu negociar os juros devidos da dívida que vence na quinta-feira (23) sobre um de seus títulos, mas os investidores ainda estão preocupados com o segundo maior pagamento com vencimento esta semana.

O conturbado conglomerado imobiliário disse nesta quarta-feira em um documento enviado à Bolsa de Valores de Shenzhen que as questões relativas ao pagamento de um título doméstico em yuans foram “resolvidas por meio de negociações”.

Muitas perguntas permanecem sem resposta, no entanto. A Evergrande não entrou em detalhes sobre os termos do pagamento. O valor dos juros que deve sobre o título é de cerca de 232 milhões de yuans (US$ 36 milhões), de acordo com dados da Refinitiv.

Os juros de US$ 83,5 milhões sobre um título denominado em dólares também devem ser pagos na quinta-feira, embora a empresa não tenha dito nada publicamente sobre o que acontecerá com esse pagamento.

Evergrande está enfrentando dívidas de US$ 300 bilhões, amplamente detidas por instituições financeiras chinesas, investidores de varejo, compradores de residências e seus fornecedores nas indústrias de construção, materiais e design. Os investidores estrangeiros também possuem algumas de suas dívidas.

Nas últimas semanas, a empresa alertou os investidores duas vezes que poderia entrar em default se não conseguisse levantar dinheiro rapidamente.

Não está claro se a empresa vai realmente entrar em default ou se Pequim vai intervir e orquestrar algum outro tipo de reestruturação. Mas a falência da empresa provavelmente criaria réplicas que poderiam afetar o mercado financeiro e a economia chinesa em geral.

No início desta semana, os mercados globais foram dominados por temores sobre Evergrande, com a queda das ações em Hong Kong, Nova York e outros mercados importantes.

Os mercados de Hong Kong – onde as ações da Evergrande e alguns de seus títulos são negociados – foram fechados na quarta-feira por conta do feriado. O comércio foi silenciado na China continental, que reabriu após um feriado de dois dias.

O benchmark Shanghai Composite (SHCOMP) teve alta de 0,4%, revertendo perdas anteriores.

Os investidores podem ter ficado aplacados com o pedido de Evergrande na bolsa de valores, embora contivesse poucos detalhes.

“Parece haver uma aceitação de que uma falha de Evergrande é mais uma questão de quando e não se, e a verdadeira questão é como qualquer precipitação é administrada”, escreveu Michael Hewson, analista-chefe de mercado da CMC Markets em um relatório na quarta-feira, observando que a empresa já havia perdido o pagamento do empréstimo no início desta semana.

Ele acrescentou que “o quadro sobre isso permanece incerto após uma vaga declaração esta manhã” sobre os cupons de títulos domésticos, e observou que Evergrande não mencionou nada sobre o pagamento de juros em dólares dos EUA com vencimento na quinta-feira.

Uma grande questão deixada para Evergrande é se o governo chinês estaria disposto a socorrer a empresa. Até agora, Pequim permaneceu quieta.

Muitos analistas acreditam que o governo irá intervir de alguma forma, mas que um resgate total é improvável.

“Não esperamos que o governo forneça qualquer apoio direto a Evergrande”, escreveram os analistas da S&P Global Ratings em uma nota de pesquisa na terça-feira. Isso porque um resgate do governo minaria a campanha de Pequim para “incutir maior disciplina financeira no setor imobiliário”, escreveram eles.

Em vez de um resgate, os analistas esperavam que o foco do governo fosse orientar Evergrande por meio de uma reestruturação de dívida ordeira ou processo de falência, ao mesmo tempo em que garante que os pequenos investidores e compradores de residências sejam protegidos “tanto quanto possível”.

“O apoio do governo para evitar um calote só é provável se os riscos de contágio fizerem com que outros grandes incorporadores falhem”, disseram eles, acrescentando que acreditam que apenas o golpe de Evergrande no sistema financeiro ainda será “administrável”.

Economistas do Macquarie Group também esperam que o governo garanta que os apartamentos pré-vendidos de Evergrande sejam feitos e entregues aos compradores de casas, mas os acionistas e credores podem “sofrer um grande prejuízo”.

(Anneken Tappe contribuiu para a reportagem. Texto traduzido. Clique aqui para ler o original)

Mais Recentes da CNN