IGP-M: entenda como funciona o ‘índice de inflação do aluguel’

Saiba o que é exatamente o IGP-M e as suas particularidades em relação ao índice oficial de inflação

Prédios na Vila Guedes, em São Paulo
Prédios na Vila Guedes, em São Paulo Getty Images/EyeEm

Raphael Coraccinicolaboração para o CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

Os economistas têm à disposição alguns indicadores para calcular a inflação. Entre os mais usados está o IGP-M. O índice ficou conhecido como “inflação do aluguel” porque é geralmente utilizado para atualizar os preços dessa modalidade de gastos das famílias e das empresas. Mas o indicador não se resume a isso.

Assim como o IPCA, ele é um termômetro dos preços de toda a economia real, além de impactar os investimentos. Confira, em detalhes, o que é exatamente o IGP-M, como ele é calculado e utilizado e as suas particularidades em relação ao índice oficial de inflação.

O que é IGP-M?

IGP-M é o Índice Geral de Preços de Mercado, calculado mensalmente pelo Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), órgão da FGV (Fundação Getúlio Vargas). Além dos cálculos mensais, o índice também produz projeções divulgadas a cada 10 dias.

O IGP-M é um desdobramento do Índice Geral de Preços (IGP), criado em 1947 pela mesma FGV, dedicado a registrar as variações de preços de matérias-primas agropecuárias e industriais, de produtos intermediários e de bens e serviços finais.

A partir do IGP surgiu o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), o Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) e o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI). A diferença entre eles está no período de coleta das informações para cálculo do índice.

O IGP-M é o índice que avalia a oscilação dos preços no mercado do dia 21 do mês anterior até o dia 20 do mês de referência. O IGP-DI e o IGP-10 serão explicados mais adiante.

Para que serve o IGP-M?

O IGP-M é um dos indicadores que serve para medir a inflação do país, ou seja, a oscilação de preços de produtos e serviços. É importante lembrar que o IPCA também faz isso, mas há diferenças nas metodologias entre eles.

O IGP-M é mais usado em algumas situações específicas, principalmente para corrigir preços nos valores de contratos de aluguel e de energia elétrica. Outras situações nas quais o IGP-M também costuma ser usado é na atualização de tarifas públicas, planos de saúde, seguros e mensalidades escolares e de universidades.

Como o IGP-M é calculado?

Para calcular o IGP-M de um determinado mês, o Ibre começa a analisar os preços a partir do dia 21 do mês anterior e conclui no dia 20 do mês de referência. Os setores em que os preços são avaliados são construção civil, indústria, agricultura, serviços de moradia e varejo.

Antes de o instituto calcular o IGP-M, ele calcula três subíndices, que são IPA-M (Índice de Preços ao Produtor Amplo – Mercado), IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor – Mercado) e INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado).

Esses três subíndices têm pesos diferentes quando são reunidos para formar o IGP-M, para que os setores que mais impactam nos preços ganhem maior relevância na hora do cálculo final. Entenda melhor sabendo o que significa cada um desses três subíndices.

Quais as diferenças entre IPA-M, IPC-M e INCC-M, os subíndices que compõem o IGP-M?

O IPA-M é o Índice de Preços por Atacado, que acompanha a oscilação dos preços no comércio atacadista, tanto no setor industrial quando no agropecuário. Simplificando, trata-se, portanto, do índice que mede o preço dos produtos vendidos no atacado pelo agronegócio e pela indústria nacional. Esse subindicador está focado, portanto, em avaliar o preço dos produtos antes de ele chegar na gôndola da loja ou do supermercado.

Já o IPC-M ou Índice de Preços ao Consumidor mede o consumo e, por isso, é o mais parecido com o IPCA. Ele avalia a inflação em áreas como habitação, educação, saúde, vestuário, lazer, transporte, entre outras.

O INCC-M é o Índice Nacional de Custo da Construção e avalia custos envolvidos na construção de moradias, medindo a oscilação de preços de produtos como materiais de construção e custo de mão de obra especializada nesse setor.

Esses índices, juntos, compõem o IGP-M, mas a maior parte do indicador é composto pelo IPA-M, que compõe 60% do IGP-M. Outros 30% estão relacionados ao IPC-M. Por fim, o INCC-M é responsável por 10% da composição do indicador macro.

Assim sendo, o IGP-M considera com maior peso a oscilação de preços antes de ela chegar ao consumidor, depois, a inflação no varejo e, por último, os preços envolvidos na construção.

Quais as diferenças entre IGP-M e IPCA?

Para quem conhece o IPCA, vai identificar que a finalidade é a mesma do IGP-M: medir a inflação do país ao longo do tempo. Mas a composição de ambos é diferente. O IGP-M, como foi explicado no tópico acima, avalia a oscilação de preços nas etapas anteriores ao consumo, ou seja, ao longo da cadeia produtiva, nas relações entre produtores, distribuidores, varejistas e outros participantes, antes de chegar ao consumidor final. Já o IPCA foca na última etapa, a do consumo.

Além disso, é importante destacar que o IGP-M cobre também preços relacionados especificamente à construção de moradias. Por isso, ele é mais utilizado para ajustar aluguéis e parcelas de financiamento de imóveis, como será explicado mais adiante.

O IPCA é utilizado pelo Banco Central como índice oficial para medir a inflação e ajustar a taxa básica de juros, a Selic. Ele é calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), uma autarquia do Governo Federal. Já o IGP-M é calculado pela FGV, que é uma instituição privada.

Qual a diferença entre IGP-M, IGP-10 e IGP-DI?

O IGP-M é um dos indicadores que surgiram a partir do IGP. Os outros são o IGP-10 e o IGP-DI. A diferença entre os três é o período no qual os preços são apurados. No IGP-M, os preços são avaliados entre os dias 21 e 20 do mês seguinte. No IGP-10 (Índice Geral de Preços – 10), as informações são coletadas entre os dias 11 do mês anterior e o dia 10 do mês de referência. No IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), a pesquisa é feita entre o primeiro dia e o último dia do mês.

Como o IGP-M impacta o preço dos aluguéis?

O IGP-M também é conhecido como inflação do aluguel porque sua principal função, geralmente, é corrigir os preços desse serviço. Além do valor de locação de um imóvel, o IGP-M também é usado na atualização das tarifas do financiamento imobiliário.

Para calcular o valor a ser ajustado na parcela, o setor imobiliário utiliza o IGP-M acumulado ou IGP-M anual. Ou seja, o valor acumulado ao longo dos 12 meses do IGP-M até a data de assinatura do contrato será o utilizado para atualizar o preço do aluguel. Com relação aos financiamentos imobiliários, o índice será aplicado somente quando a moradia estiver pronta.

Para calcular o IGP-M acumulado que incidirá sobre a mensalidade do aluguel ou do financiamento é possível recorrer à Calculadora do Cidadão, disponibilizada pelo Banco Central em seu site.

Como o IGP-M se relaciona com os investimentos?

Assim como o IPCA, o IGP-M não é um produto financeiro e, por isso, não existe investimento no índice. Porém, os dois indicadores são utilizados como indexadores de alguns investimentos em renda fixa, que se beneficiam da alta da inflação, como o Tesouro IGP-M, por exemplo, anteriormente chamado de Nota do Tesouro Nacional Série C (NTN-C). Outros títulos públicos e as letras de crédito (LCI e LCA) também são investimentos que aumentam seu rendimento conforme a inflação sobe. Ainda que o IGP-M não influencie esses investimentos, ele serve como termômetro para identificar tendências de alta ou baixa nessas aplicações.

Mais Recentes da CNN