Inflação dos EUA vai a 1,2% em março, maior valor mensal em 16 anos

Entre os motivos estão as altas recordes dos preços de combustíveis, vindas do choque de oferta com a guerra na Ucrânia

Do CNN Brasil Business*

Ouvir notícia

Os preços ao consumidor dos Estados Unidos atingiram uma máxima em mais de 16 anos no último mês de março. Entre os motivos estão as altas recordes dos preços dos combustíveis, vindas do choque de oferta com a guerra na Ucrânia.

A subida da inflação consolida o caso de um possível aumento de 50 pontos-base na taxa de juros, que deve ser analisado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) no próximo mês.

Segundo o Departamento do Trabalho dos EUA, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 1,2% no mês passado, o maior ganho mensal desde setembro de 2005. Em fevereiro, o indicador avançou 0,8%.

Na comparação anual, a inflação saltou 8,5% em março, maior índice desde dezembro de 1981.

Os preços da gasolina, em média, subiram para uma alta histórica de US$ 4,33 por galão em março, de acordo com a Associação Automobilística Americana (AAA). Combustíveis foram os principais impulsionadores da inflação no mês passado, mas alimentos e serviços, como aluguel de imóveis, também influíram fortemente.

A Rússia é o segundo maior exportador de petróleo bruto do mundo. Como parte de uma série de sanções contra Moscou em retaliação à guerra na Ucrânia, os Estados Unidos proibiram importações de petróleo russo, gás natural liquefeito e carvão, provocando um choque no preço dos combustíveis.

Agora em seu segundo mês, a guerra na Ucrânia também reflete em um aumento global nos preços dos alimentos, já que ambos os países do leste-europeu são grandes exportadores de commodities, como trigo e óleo de girassol.

*Com Reuters.

Mais Recentes da CNN