Leite, batata e tomate sobem mais que 10% em abril; veja por que está tudo tão caro

Segundo especialistas, problemas climáticos foram o que mais contribuiu para esse cenário

Batata, leite, óleo de soja e farinha de trigo estão entre os destaques
Batata, leite, óleo de soja e farinha de trigo estão entre os destaques Viki Mohamad/ Unsplash

Sofia Kercherdo CNN Brasil Business*

São Paulo

Ouvir notícia

O grupo alimentação puxou para cima a composição do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de abril, segundo dados divulgados na quarta-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Índice desacelerou para 1,06% em abril, maior nível para o mês desde 1996 (1,26%). Entre os nove grupos de produtos e serviços que o compõem, a maior variação (2,06%) e o maior impacto (0,43 p.p.) vieram do grupo Alimentação e Bebidas.

Batata, leite, óleo de soja e farinha de trigo estão entre os que mais subiram.

Confira alguns alimentos que mais subiram em abril:

  • Batata inglesa (18,28%);
  • Morango (17,66%);
  • Maracujá (15,99%);
  • Couve-flor (13,25%);
  • Leite longa-vida (10,31%);
  • Tomate (10,18%);
  • Abobrinha (9,31%);
  • Óleo de soja (8,24%);
  • Farinha de trigo (7,34%);
  • Feijão carioca (7,10%);
  • Carnes (1,02%).

Apesar de terem apresentado altas pequenas ou quedas em abril, alguns produtos se destacam pelos aumentos expressivos no acumulado de 12 meses. A cenoura, por exemplo, caiu 4,61% no mês; mas, no ano, já acumula alta de 178%.

Confira alimentos que mais subiram no acumulado de 12 meses:

  • Cenoura (178,02%);
  • Tomate (103,26%);
  • Abobrinha (102,99%);
  • Melão (82,46%);
  • Morango (70,39%);
  • Carnes (8,06%).

 

/ Arte/CNN

O que explica essas altas?

Segundo Matheus Peçanha, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV), os problemas climáticos foram o que mais contribuíram para esse cenário.

“Nós temos presenciado uma soma de problemas climáticos desde 2020”, afirmou Peçanha em entrevista à CNN.

Primeiro, o efeito La Niña perdurou ao longo do ano inteiro, culminando em uma inflação significativa nos preços dos alimentos e energia.

Logo depois, uma série de outros problemas climáticos apareceu. As geadas impactaram a produção de café, açúcar e pastos — prejudicando especialmente a pecuária.

Posteriormente, as fortes chuvas também prejudicaram os pastos (consequentemente interferindo na produção de carne e leite) e, especificamente, os hortifrútis.

O especialista ainda adiciona que, orbitando esses problemas, outros acontecimentos acabaram potencializando as altas: “os elevados preços do diesel encarecem o custo do frete; a guerra na Ucrânia aumenta os custos de fertilizantes e do trigo; o câmbio mais alto também acaba aumentando a exportação que, somados à demanda externa elevada de carne por parte da China, acabam reduzindo a oferta interna e subindo os preços”, explica.

“De modo geral, os custos estão sofrendo choques excessivos.”

Laticínios

Os laticínios como um todo – especialmente o leite longa vida – estão no topo da lista de alimentos com as maiores altas.

De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Universidade de São Paulo (USP), o avanço do preço do leite ao produtor é consequência da diminuição da produção no campo que, por sua vez, está atrelado ao aumento dos custos de produção e ao período de entressafra.

“A menor disponibilidade de pastagens, devido à estação do ano, eleva os custos da alimentação do rebanho, o que provoca a alta sazonal dos preços do leite no campo. Contudo, neste ano, o encarecimento dos insumos produtivos tem corroído as margens do pecuarista leiteiro, limitando os investimentos na atividade e diminuindo o potencial de oferta”, afirma o instituto em nota.

Segundo Rodolfo Margato, economista da XP, esse aumento tem forte influência do mercado de carnes.

“Os preços das carcaças e preços futuros de carnes estão em máximas históricas. Temos visto produtores aumentando os abates de fêmeas – ou seja, aumentando o abate do gado leiteiro – tendo em vista essa alta. Isso também reduz a oferta de leite, pressionando os preços para cima, explica Margato à CNN.

Peçanha adiciona ainda que o aumento no preço dos grãos, somado à chuva em excesso, gerou um desinvestimento no setor de pecuária leiteira. Produtores estão se retirando desse mercado que está menos lucrativo, o que pode ser algo negativo no longo prazo.

Segundo ele, mesmo que os preços melhorem, até que esses produtores voltem para esse mercado, o consumidor continuará sentindo as consequências no bolso.

Melhora?

Sem previsão na diminuição no preço de combustíveis, no final das tensões geopolíticas internacionais e em meio a um cenário de inflação elevada, os preços dos alimentos devem continuar pesando para o consumidor.

Matheus afirma que, no curtíssimo prazo, não deve ter uma melhora tão rápida. “Agora, por exemplo, era para estarmos finalizando a maioria das safras, mas elas estão, em sua maioria, prejudicadas. Até começar a próxima safra, na primavera, devemos ter essa pressão.”

“A previsão de normalizar essas chuvas é no inverno, pois é uma época de precipitação mais baixa. Resta torcer para que esse prognóstico de chuvas esteja correto”, finaliza.

*Sob supervisão de Ana Carolina Nunes

Mais Recentes da CNN