Maiores petrolíferas dos EUA registram lucros recordes após alta do petróleo

ExxonMobil e Chevron apresentaram alta nos resultados devido à retomada do mercado, mas foram criticadas por não reduzirem produção em razão da crise climática

Durante a manhã, o noticiário sobre as reservas chegou a pressionar a commodity pontualmente, mas o movimento se reverteu
Durante a manhã, o noticiário sobre as reservas chegou a pressionar a commodity pontualmente, mas o movimento se reverteu REUTERS/Christian Hartmann

Chris Isidoredo CNN Business*

Ouvir notícia

Os lucros das duas maiores petrolíferas dos EUA dispararam essa semana, com a ExxonMobil e a Chevron se beneficiando da recente alta nos preços do petróleo.

A ExxonMobil (XOM), maior empresa de petróleo do país, registrou lucro líquido de US $ 6,8 bilhões – um ano após o prejuízo de US $ 680 milhões.

A receita da empresa disparou 60%, saltando para US $ 73,8 bilhões, devido ao aumento do petróleo bruto em 72% ao comparar o terceiro trimestre de 2020 com o terceiro trimestre deste ano. O preço do petróleo chegou a US $ 85 o barril pela primeira vez em sete anos no início desta semana.

Já a Chevron (CVX), que ocupa o posto de segunda maior petrolífera dos EUA, relatou lucro ajustado de US $ 5,7 bilhões, excluindo itens especiais. Este é o melhor resultado trimestral em oito anos. Além disso, os US $ 6,7 bilhões em fluxo de caixa livre que gerou foram um recorde para a empresa.

O lucro ajustado não foi apenas 34% acima das previsões dos analistas consultados pela Refinitiv, mas foi quase 17 vezes maior do que os US $ 340 milhões que a Chevron ganhou no mesmo período do ano anterior.

As ações de ambas as companhias subiram ligeiramente no pregão pré-mercado desta sexta-feira (29), após os relatórios. As ações da Exxon subiram 56% até o fechamento de quinta-feira, enquanto as ações da Chevron subiram 33%.

Mudanças

Os valores do petróleo foram esmagados nos primeiros meses da pandemia, quando os países ainda limitavam as viagens e a atividade econômica estava paralisada. No entanto, a situação mudou. O preço do petróleo chegou a US $ 85 o barril pela primeira vez em sete anos no início desta semana, apesar de ligeira queda desde então.

Apesar dos resultados positivos, a indústria se encontra sob novos ataques por seu papel na causa das mudanças climáticas. Os CEOs da ExxonMobil e da Chevron foram criticados durante depoimento no Capitólio na quinta-feira.

O deputado democrata Ro Khanna pediu aos empresários que sigam os passos de seus rivais europeus no planejamento de cortes de produção para enfrentar a crise climática.

“Você está envergonhado, sendo uma empresa americana, de que sua produção esteja aumentando enquanto as europeias estão diminuindo?” perguntou o deputado ao CEO da Chevron, Michael Wirth.

Wirth respondeu que a demanda por energia está aumentando no mundo todo, e se recusou a reduzir a produção de petróleo.

“Com todo o respeito, estou orgulhoso da nossa empresa e do que fazemos”, afirmou.

A mesma resposta deu o CEO da Exxon, Darren Woods. O empresário disse que eles “estão comprometidos em reduzir nossas emissões”, mas não se comprometeu com a redução da produção de petróleo.

 

(Com informações de Matt Egan, da CNN Business)

Mais Recentes da CNN