Maverick no Brasil: o que esperar da ‘Fiat Toro’ da Ford

Picape intermediária já foi lançada nos Estados Unidos e está confirmada para chegar ao Brasil em 2022

Thiago Morenocolaboração para o CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

Depois de muita antecipação, a Ford apresentou nos Estados Unidos a Maverick. Apesar de o nome remeter ao esportivo que a marca vendeu por aqui na década de 1970, trata-se de uma picape de porte intermediário como a Fiat Toro nacional. Por lá, competirá principalmente com a Hyundai Santa Cruz, picape de igual proposta fabricada pela empresa sul-coreana para o mercado norte-americano.

Com tamanho de Toro e uma carroceria que tem feito muito sucesso por aqui, a Ford Maverick teria tudo o que é preciso para ir bem no Brasil. Se havia alguma suspeita de que isso aconteceria, as dúvidas acabaram em 3 de setembro, quando a empresa confirmou oficialmente sua chegada aqui em 2022. Mas, o que podemos esperar dela?

O que é?

Ford Maverick / Divulgação

A Ford Maverick é uma picape com proposta intermediária, sendo maior que uma Fiat Strada, por exemplo, mas menor que a antiga caminhonete de entrada da empresa nos Estados Unidos, a Ranger. Apesar de parecer um produto totalmente novo, ela utiliza a mesma plataforma do Bronco Sport e também compartilha a linha de montagem mexicana.

Nas medidas, a nova Maverick tem 5,07 m de comprimento, 1,84 m de largura, 1,74 m de altura e 3,07 m de entre-eixos. Para comparação, a Fiat Toro tem 4,94 m de comprimento e um entre-eixos de 2,99 m. Nos Estados Unidos, a picape tem duas opções de motorização, mas não é uma a gasolina e outra a diesel, como a rival nacional.

Por lá, a Maverick pode ser equipada com motor híbrido 2.5 de 193 cv. Com isso, ela se tornou a picape híbrida mais barata dos Estados Unidos e uma das opções de eletrificação mais em conta naquele país. O segundo propulsor é um 2.0 turbo a gasolina entregando até 253 cv de potência e 38,3 kgfm de torque.

Para a transmissão, é utilizada sempre uma caixa automática de 8 velocidades em todas as configurações. No entanto, quem optar pelo propulsor mais potente, também pode receber opcionalmente o sistema de tração nas quatro rodas, que ainda inclui alguns modos de condução extras para desfrutar do sistema integral. De fábrica, a Maverick sai apenas com tração dianteira.

Uma das apostas da Ford com sua picape nos Estados Unidos foi a tecnologia. Independente da versão ou do motor escolhido, a Maverick sempre sai de série com equipamentos como central multimídia com tela de 8 polegadas, Wi-Fi a bordo, controle de estabilidade, 7 airbags, faróis de LED e frenagem autônoma de emergência. Um pacote opcional entrega ainda itens como assistente de manutenção de faixa e monitor de ponto cego.

O que esperar da Maverick no Brasil?

Nos Estados Unidos, a Ford Maverick mais barata parte de US$ 19.995, com isso ela sai mais em conta que o EcoSport vendido por lá (US$ 20.395). Na versão mais completa, com motor 2.0 turbo e tração integral, pode chegar a US$ 30.865. Naquele país, é um dos veículos mais em conta para quem quer um automóvel por caçamba.

É difícil dizer se a Ford tentará manter o apelo acessível da Maverick também no Brasil. O Bronco Sport, com a mesma plataforma e saindo da mesma fábrica, está custando R$ 264.690, enquanto seu preço de entrada nos Estados Unidos é de US$ 27.215.

Se a marca adotar a mesma estratégia do SUV para a picape, a Maverick vendida aqui deverá ter uma versão única e criada especialmente para o Brasil, sem ligação com as configurações norte-americanas. Mesmo que a opção híbrida da caminhonete seja mais barata e pudesse contar com incentivos fiscais pela eletrificação, a maior probabilidade é que a novidade não estreie por aqui com um conjunto de baterias.

Isso deve acontecer porque o 2.0 turbo das versões mais caras da picape já está homologado no mercado brasileiro, pois foi utilizado pelo finado Ford Fusion e também está sob o capô do Bronco Sport vendido aqui. Isso facilitaria o processo de homologação da Maverick no Brasil.

No comunicado oficial em que confirmou a importação da picape para nosso mercado, a Ford não detalhou muito os dados técnicos. A marca reforçou bastante as palavras potência, segurança, versatilidade e conectividade. O que aumenta as probabilidades de a Maverick chegar apenas com o motor mais forte, a tração integral e um kit de equipamentos mais bem servido.

Mesmo sendo importada do México com tarifas mais baratas, não se deve esperar que a Maverick chegue ao Brasil para brigar com as versões de entrada da Fiat Toro, que hoje partem de R$ 123.990. Com o motor maior e mais tecnologia embarcada, a Ford deve seguir os passos da estratégia do Bronco Sport. Ao invés de brigar na ponta de entrada, a marca deve optar por se posicionar entre as marcas generalistas (como Fiat, Chevrolet e VW) e as premium (como Audi, BMW e Mercedes-Benz). Então, não seria surpresa se os preços da Maverick no Brasil partissem de mais de R$ 200 mil.

Mais Recentes da CNN