McDonald’s tem milhões de dólares em comida na Rússia que não pode usar

Em março, companhia disse que continuaria a pagar seus 62 mil funcionários russos, apesar de fechar as operações no país

McDonald's disse que provavelmente terá que se desfazer do estoque não utilizado na Rússia
McDonald's disse que provavelmente terá que se desfazer do estoque não utilizado na Rússia Foto: Reprodução/CNN Brasil

Danielle Wiener-Bronnerda CNN

Ouvir notícia

A saída do McDonald’s da Rússia está custando muito dinheiro – e comida.

A empresa anunciou no mês passado que iria fechar temporariamente os seus restaurantes na Rússia devido à invasão na Ucrânia pelo país. Na Ucrânia, as lanchonetes da rede também desceram as portas. Os fechamentos custaram US$ 127 milhões (cerca de R$ 636 milhões) ao McDonald’s no último trimestre.

Em março, o McDonald’s disse que continuaria pagando seus 62 mil funcionários russos, apesar das operações de desligamento no país. O CEO Chris Kempczinski adicionou durante uma chamada com analistas de mercado na quinta-feira (28) que o McDonald’s está apoiando também seus colaboradores ucranianos. “Nos dois países, continuamos pagando os funcionários e fornecendo apoio adicional”.

Os custos de pessoal, mais os pagamentos de aluguéis e fornecedores, custaram à empresa US$ 27 milhões (cerca de R$ 135 milhões).

Os outros US$ 100 milhões provêm de alimentos e outros itens que precisam ser descartados. “Incluindo os resultados, os US$  100 milhões de custos de inventário na cadeia de fornecimento da empresa provavelmente serão perdidos devido ao fechamento temporário de restaurantes”, afirmou a empresa numa declaração.

A Rússia contava com 847 restaurantes da rede McDonald’s no final do ano passado, de acordo com um documento para investidores. Junto com outros 108 na Ucrânia, eles representaram 9% das receitas da empresa em 2021.

Os fechamentos atingiram a renda líquida do McDonald’s, que caiu 28% nos três meses que terminaram em 31 de março.

Em outros lugares, as vendas do McDonald cresceram. Globalmente, as vendas em restaurantes da rede abertos há pelo menos 13 meses saltaram 11.8% no trimestre, impulsionadas pelo mercado internacional. Nos Estados Unidos, as vendas aumentaram 3.5%, graças, em parte, aos preços mais elevados.

No ano passado, a McDonald’s aumentou os preços em cerca de 6%.

O marketing da empresa – voltado para itens de menu principais – e o crescimento em seu negócio digital, graças, em parte, ao programa de recompensas, também contribuíram para o crescimento das vendas dos EUA, segundo o próprio McDonald’s.

 

 

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN