Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ibovespa fecha em queda de 0,32%; dólar atinge R$ 5,39 com aversão global a riscos

    Principal índice da B3 encerrou aos 98.294,64 pontos; moeda norte-americana tem valorização de 1,21%

    Guerra na Ucrânia segue no radar dos investidores
    Guerra na Ucrânia segue no radar dos investidores Cris Faga/NurPhoto via Getty Images

    João Pedro Malardo CNN Brasil Business*

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    O dólar fechou em alta de 1,21%, cotado a R$ 5,389, nesta terça-feira (5), favorecido por uma aversão a riscos enquanto os investidores migram para ativos considerados mais seguros devido à deterioração das perspectivas sobre a economia mundial. Esse é o maior valor desde 28 de janeiro, quando encerrou a R$ 5,391.

    Já o Ibovespa encerrou em queda de 0,32%, aos 98.294,64 pontos, prejudicado pelo cenário global. Entre as maiores quedas estão a de ações de petroleiras, que seguem a desvalorização do preço do barril de petróleo. A commodity recuou mais de 8%.

    No âmbito doméstico, o mercado segue ficou à tramitação da PEC dos Benefícios, aprovada no Senado e agora é analisada na Câmara. O texto criou um risco fiscal, já que tem gastos estimados em cerca de R$ 41 bilhões e prevê decretar um estado de emergência para justificar despesas fora do teto e ampliar benefícios sociais.

    A medida não foi bem recebida por investidores, e leva a uma retirada de investimentos devido à possibilidade de descontrole de gastos.

    O exterior também pesou no Ibovespa devido o ciclo de alta de juros nos Estados Unidos – que alimenta temores sobre uma possível recessão em 2023 – e o anúncio de novos lockdowns na China, que tendem a desacelerar a economia do país e agravar o quadro internacional.

    O Banco Central fez neste pregão leilão de até 5.315 contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de agosto de 2022. A operação do BC ajuda a dar liquidez na moeda, mas especialistas consultados pelo CNN Brasil Business apontam que o órgão poderia atuar mais para conter a volatilidade do câmbio.

    Na segunda-feira (4), o dólar fechou em alta de 0,07%, a R$ 5,325. Já o Ibovespa caiu 0,35%, aos 98.608,76 pontos.

    Petróleo

    Os preços do petróleo caíram cerca de US$ 10 nesta terça-feira, com as preocupações de que uma possível recessão global reduza a demanda, superando os temores de interrupção da oferta, acentuados por um corte de produção esperado na Noruega.

    O barril do tipo brent fechou a US$ 102,77, com queda de 9,45%. Já o WTI, negociado nos Estados Unidos, encerrou a US$ 99,50, com desvalorização de 8,24%.

    “O mercado está ficando apertado, mas ainda estamos sendo derrotados, e a única maneira de explicar isso é o medo da recessão em todos os ativos de risco”, disse Robert Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho, Nova York. “Estamos sentindo a pressão.”

    Os investidores estão cada vez mais preocupados, à medida que o aumento recente nos preços do gás e dos combustíveis alimenta preocupações com a recessão.

    Na zona do euro, por exemplo, dados mostraram que o crescimento dos negócios em todo o bloco desacelerou ainda mais no mês passado, com indicadores prospectivos sugerindo que a região pode entrar em declínio neste trimestre, já que a crise do custo de vida mantém os consumidores cautelosos.

    Sentimento global

    Os investidores ainda mantêm uma forte aversão global a riscos desencadeada por temores sobre uma possível desaceleração econômica generalizada devido a uma série de altas de juros pelo mundo para conter níveis recordes de inflação, o que prejudicaria diversos tipos de investimentos.

    A principal causa para essa aversão é o ciclo de alta de juros nos Estados Unidos, com a elevação mais recente anunciada pelo Federal Reserve em 4 de maio. A autarquia já chegou a descartar altas de 0,75 ponto percentual nos juros, ou um risco de levar a economia do país a uma recessão, mas sinalizou ao menos mais duas altas de 0,5 p.p.

    Os juros maiores nos Estados Unidos atraem investimentos para a renda fixa do país devido a sua alta segurança e favorecem o dólar, mas prejudicam os mercados de títulos e as bolsas ao redor do mundo, inclusive as norte-americanas.

    Ao mesmo tempo, o mercado acompanha os dados sobre a economia do país para entender o quão agressivo o Fed poderá ser no processo.

    confirmação da contração da economia dos Estados Unidos no primeiro trimestre, por exemplo, reforçou a visão de que a autarquia não deveria ser tão agressiva na alta de juros quanto o previsto. Já a inflação de maio sinalizou um quadro mais negativo, reforçando apostas de juros terminais maiores.

    Por outro lado, com o fim do lockdown na cidade chinesa de Xangai e alívio nas restrições na capital Pequim, a expectativa era que a demanda chinesa retorne aos níveis anteriores, o que voltou a favorecer exportadores de commodities e aliviou uma parte das pressões sobre o real, mas novas restrições foram anunciadas, revertendo o cenário.

    O Ibovespa e o real encontraram espaço para valorização entre o fim de maio e o começo de junho, mas a combinação de um cenário doméstico pior, com o retorno de um risco fiscal, e a perspectiva no exterior de fortes apertos monetários voltaram a prejudicar o mercado brasileiro.

    Sobe e desce da B3

    Veja os principais destaques do pregão desta terça-feira:

    Maiores altas

    • Magazine Luiza (MGLU3) +11,74%;
    • Via (VIIA3) +11,48%;
    • Americanas (AMER3) +9,73%;
    • Petz (PETZ3) +8,65%;
    • BRF (BRFS3) +7,67%

    Maiores baixas

    • 3R Petroleum (RRRP3) -7,44%;
    • PetroRio (PRIO3) -7,11%;
    • Petrobras (PETR3) -4,27%;
    • Petrobras (PETR4) -3,81%;
    • SLC Agrícola (SLCE3) -3,15%

    *Com informações da Reuters

    Mais Recentes da CNN