Não é bem o metaverso, mas Meta está lançando seu mundo virtual

A empresa disse que o Horizon Worlds está agora disponível para qualquer pessoa com 18 anos ou mais com um fone de ouvido Quest 2 nos EUA e Canadá

Logotipo da Meta, novo nome corporativo do Facebook.
Logotipo da Meta, novo nome corporativo do Facebook. FILEDIMAGE

Rachel Metzdo CNN Business*

Ouvir notícia

Meta está trazendo sua visão de um chamado metaverso para mais perto da realidade (virtual).

A empresa anteriormente conhecida como Facebook disse na quinta-feira (9) que o Horizon Worlds, um aplicativo gratuito para socialização em Realidade Virtual (RV) que está em desenvolvimento há muito tempo, está agora disponível para qualquer pessoa com 18 anos ou mais com um fone de ouvido Quest 2 nos Estados Unidos e Canadá.

Horizon Worlds não é um metaverso totalmente desenvolvido.

Esse conceito difícil de definir refere-se aos esforços para construir um reino virtual amplo no qual as pessoas possam andar, por meio de avatares digitais, e interagir com outras pessoas que também estão lá virtualmente.

Mas o lançamento é um dos maiores esforços que a empresa empreendeu para popularizar a realidade e a socialização virtual desde a compra da Oculus em 2014.

No Horizon Worlds, os usuários que usam fones de ouvido podem se encontrar com amigos e novas pessoas, jogar e criar seus próprios mundos. Os usuários, que aparecem como avatares altamente personalizáveis, mas sem pernas, podem mover seus dedos e mãos reais para gesticular em RV, e as bocas de seus avatares parecem se mover de maneira realista enquanto falam.

Meta deu à CNN Business acesso ao Horizon Worlds esta semana para que eu pudesse experimentá-lo, inclusive durante uma demonstração guiada na quarta-feira (8).

À primeira vista, parecia uma combinação desolada de outro aplicativo de realidade virtual social, o Rec Room, e o mundo virtual pioneiro criado pelo usuário Second Life.

Na terça-feira, por exemplo, eu viajei para tantos “mundos” diferentes dentro do aplicativo quanto pude, procurando inutilmente por outro humano virtual. Eventualmente, eu caí no que parecia ser um shopping abandonado —um mundo chamado “Retro Zombies”— onde atirei em zumbis até que um deles me atacou.

O novo aplicativo social do Facebook para RV, Horizon Worlds, incentiva os usuários a se divertir juntos e a criar novos mundos virtuais. / Divulgação/Facebook

Assistir a uma demonstração com um pequeno grupo de pessoas (funcionários da Meta e outro jornalista) foi mais divertido. Nós nos dividimos em times para jogar um jogo de laser tag, Arena Clash.

Eu fui péssimo no jogo, mas meus companheiros de equipe foram rápidos em me dar um high-five virtual para me reviver toda vez que eu era nocauteado. (Os jogos já são um caso de uso comum de RV. À medida que mais pessoas acessam o Horizon Worlds, podem surgir outras coisas para fazer.)

Também digno de nota: na esperança de manter o assédio em RV ao mínimo, o Horizon Worlds registra os últimos minutos da atividade de cada usuário em uma base contínua, sobrescrevendo ao longo do tempo.

Essa filmagem será incluída se um usuário enviar um relatório de uma interação negativa com outras pessoas no aplicativo.

Rachel Metz, da CNN, vagou pelo Horizon Worlds esta semana em RV. / Divulgação/Facebook

Com o Horizon Worlds, Meta espera levar a RV de uma tecnologia de nicho, com casos de uso incertos além de jogos e entretenimento, para um meio de mercado de massa.

Socializar em RV tem sido uma meta de muitos fabricantes de fones de ouvido e aplicativos de RV, mas nenhuma empresa ainda conseguiu fazer com que um grande número de consumidores comprassem fones de ouvido e aparecessem repetidamente da mesma forma que fazemos com, digamos, sites de mídia social em nossos smartphones.

Para conseguir isso, Meta deve convencer os clientes a comprar um fone de ouvido Quest 2, que começa em US$ 299, e então usar o dispositivo com frequência por períodos razoavelmente longos.

O lançamento do Horizon Worlds também acontece quando Meta dobra seus esforços de RV como parte de uma aposta de longo prazo no metaverso. A empresa disse anteriormente que separaria o Facebook Reality Labs —sua divisão dedicada a serviços de realidade aumentada e virtual— como um segmento de relatório separado de seus aplicativos sociais.

Meta também disse que vai contratar 10.000 pessoas na Europa para construir seu conceito para o metaverso.

E Meta não é a única —o CEO da Microsoft, Satya Nadella, disse no início deste ano que a empresa queria construir o “metaverso empresarial”, e jogos como Roblox e Fortnite, que operam seus próprios mundos virtuais, têm anunciado versões do metaverso por meses.

Meta espera que os usuários venham ao Horizon Worlds não apenas para se divertir, mas para construir mais lugares para jogar em RV. Meta disse que os usuários do Horizon Worlds já construíram milhares de mundos dentro do aplicativo desde o início de um teste beta privado no ano passado.

Horizon Worlds não é a primeira vez que a Meta e sua subsidiária Oculus tentam popularizar a interação social por meio da RV. A empresa lançou aplicativos de hangout virtuais Oculus Rooms e Facebook Spaces em 2016 e 2017, respectivamente, que permitem que pequenos grupos de usuários se reúnam em RV.

No entanto, a empresa fechou os dois aplicativos de RV em outubro de 2019. Em seguida, anunciou um mundo social virtual, que na época se chamava Facebook Horizon.

O lançamento do Horizon Worlds segue um anúncio no final de outubro de que Meta lançará um espaço mais pessoal para usuários de RV, Horizon Home, e um anúncio de agosto de um aplicativo gratuito mais focado no trabalho para o fone de ouvido Quest 2, Horizon Workrooms, que é destinado à realização de reuniões em RV.

*(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original, em inglês)

Mais Recentes da CNN