Nubank: como o banco pretende zerar todas as emissões de gás carbônico

A fintech vai apoiar três projetos no Brasil e um no México que, juntos, compensarão o equivalente a 4,3 mil toneladas de gás carbônico

Nubank é o primeiro do setor bancário no Brasil e no México
Nubank é o primeiro do setor bancário no Brasil e no México Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Natália Flach,

CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

O banco digital Nubank vai compensar todas as suas emissões de carbono produzidas desde a fundação em 2013. Isso é possível porque a fintech vai apoiar três projetos no Brasil e um no México que, juntos, compensarão o equivalente a 4,3 mil toneladas de gás carbônico.

Segundo o Nubank, os programas foram escolhidos de acordo com seu grau de inovação e impacto social e ambiental para as economias locais. 

“Por sermos digitais e mais eficientes, causamos naturalmente menos impacto para o meio ambiente. Mesmo assim, queremos minimizá-lo o máximo possível. Nos comprometemos a ter as melhores práticas ambientais, sociais e de governança”, afirma David Vélez, fundador e CEO do banco digital, em artigo publicado no blog do Nubank.

Leia também:
Nubank achou o caminho do lucro? Para fundadores, Easynvest pode ser um atalho
Cristina Junqueira, do Nubank, é uma das líderes mais influentes da Fortune

O Nubank é o primeiro do setor bancário no Brasil e no México a fazer isso, conforme dados analisados pela BSD Consulting.

Em sete anos de operação, o Nubank gerou uma economia de quase R$ 12 bilhões de reais aos seus 30 milhões clientes. Esse é o valor total poupado com a utilização do cartão de crédito ‘roxinho’ e da conta digital da fintech. O cálculo feito pela empresa considera o custo médio praticado pelo mercado em anuidades, tarifas para abertura de conta, taxas de manutenção e transferências entre bancos.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Tópicos

Mais Recentes da CNN