Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Petróleo, milho, trigo, gás: saiba mais sobre as economias de Rússia e Ucrânia

    Rússia tem economia mais diversificada, enquanto a Ucrânia é considerada celeiro de produção de grãos e deve perder mais com a guerra

    Apesar de conflito, Ucrânia e Rússia eram grandes parceiros comerciais
    Apesar de conflito, Ucrânia e Rússia eram grandes parceiros comerciais Dado Ruvic/Reuters

    João Pedro MalarJuliana Eliasdo CNN Brasil Business

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    Protagonistas de um novo conflito armado na Europa, a Rússia e a Ucrânia têm economias associadas à exportação de commodities. No caso dos russos, as energéticas, e no dos ucranianos, as agrícolas. Mas a complexidade dessas economias vai além —com semelhanças e diferenças.

    A principal divergência é no tamanho. A Rússia é a 11ª economia do mundo, segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) de 2020, enquanto a Ucrânia é a 55ª.

    Além disso, a economia russa, grande herdeira da antiga União Soviética, é mais desenvolvida que a ucraniana, que ainda é considerada um país em desenvolvimento.

    Mesmo assim, os países apresentam semelhanças nos principais produtos e parceiros comerciais, e também têm uma relação comercial intensa que vem perdendo forças devido ao cenário que culminou na invasão da Rússia ao país.

    Ucrânia: celeiro da Europa

    Vinicius Teixeira, professor da Universidade do Estado do Mato Grosso (Unemat), afirma que a economia ucraniana é de um país em desenvolvimento, mas mais diversificada em termos de áreas de atuação que a média.

    Mesmo assim, a base dela ainda é voltada para minérios e produtos agrícolas. “A Ucrânia é uma grande exportadora de grãos, como trigo, milho e cevada. Outra parte do país produz maquinaria pesada e material de defesa”, diz.

    As “raízes” dessa divisão vêm do período em que o país era uma das repúblicas da União Soviética, atuando como uma “oficina” do bloco e concentrando um grande número de fábricas.

    “Quando conseguiu sua independência, a Ucrânia tinha essas indústrias, de locomotivas, motores de navios, geradores de energia, mas são bem específicas, difíceis de exportar, e o maior comprador é a Rússia, que é até dependente do país em um certo nível”, afirma Teixeira.

    Conforme a relação entre os países se deteriorou, principalmente com a anexação da Península da Crimeia em 2014, as exportações ucranianas caíram, com o país incapaz de achar novos consumidores. A dívida e o déficit comercial passaram a subir.

    Ao mesmo tempo, o país possui um dos solos mais férteis do mundo, o chamado “solo negro”, que é rico em húmus. “Desde a época soviética a Ucrânia é considerada um celeiro da produção de vários grãos, além de batata e de ter também uma importante produção leiteira e de laticínios”, diz o presidente da Câmara Brasil-Rússia, Gilberto Ramos.

    Boa parte disso, explica o executivo, é o que ajuda a abastecer os países da União Europeia. “A Ucrânia tem enorme relevância para a comunidade europeia, que é hoje sua principal parceira comercial, além da própria Rússia.”

    Já a região do leste ucraniano, que concentra os movimentos separatistas apoiados pela Rússia, é conhecida pela grande presença de indústria e pela mineração de carvão, produto importante da pauta comercial da Ucrânia.

    Rússia: potência energética e industrial

    Do outro lado, a Rússia é caracterizada, segundo Teixeira, como um país “mais desenvolvido e muito mais complexo”. A principal fonte de receitas das exportações ainda está nas commodities, em especial as energéticas. O país é um dos maiores produtores de petróleo e tem a maior reserva de gás do mundo, fornecendo mais de 40% de toda a demanda europeia do produto.

    A diversificação da economia veio por meio de indústrias como a automotiva e de defesa. Isso dá à Rússia, de acordo com os especialistas, um perfil de produção e exportações razoavelmente balanceado entre os produtos básicos de um lado, como os combustíveis, itens agrícolas e minérios, e bens industriais de alto valor agregado do outro.

    “A Rússia tem uma indústria forte de bens de capital e equipamentos pesados, além de ter um grande desenvolvimento para a área de tecnologia, como a indústria do blockchain, das startups e das incubadoras”, diz Ramos.

    Ele lembra, também, da importância russa no fornecimento de fertilizantes para o resto do mundo —incluindo o Brasil, que importa de lá boa parte dos produtos que sustentam suas lavouras.

    “A Rússia é uma grande fornecedora de nitrogenados, cloreto de potássio e ureia, e daí a necessidade de o Brasil mantê-la como uma grande parceira estratégica“, afirma.

    Impactos da guerra

    Com o conflito bélico, Teixeira, da Unemat, avalia que a Ucrânia deve ter os maiores impactos econômicos, por ser palco do embate. “Provavelmente a produção agrícola vai cair significativamente entre este ano e o próximo. As indústrias devem ser as mais afetadas, porque, na guerra, a indústria de defesa, que é importante, deve virar alvo de ataques.”

    Ele também afirma que os esforços russos de bloquear o espaço aéreo ucraniano e o acesso a portos deve impedir as importações e exportações do país, gerando um “custo muito maior e duradouro do que na Rússia”.

    No caso russo, ele diz que o principal impacto econômico deve vir das sanções prometidas pelos Estados Unidos e países europeus. Mesmo assim, considera que “elas são pouco efetivas no médio e longo prazo porque a Rússia pode achar outros caminhos para se desenvolver”.

    “A Rússia é herdeira de um país que sempre soube viver com sanções, e ela mesma já teve várias. Elas impactam no curto prazo, mas pode se realinhar e reorientar para sair desses becos”, diz.

    Teixeira observa que a Rússia já vinha dando sinais de que estava preparada para lidar com possíveis sanções, aumentando suas reservas cambiais e firmando acordos com a China —importante consumidora da sua indústria bélica— para sustentar as exportações, o que deve reduzir os efeitos das sanções.

    Parceiros comerciais

    Segundo o Observatório de Complexidade Econômica, em 2019 a Rússia totalizou US$ 407 bilhões em exportações, e US$ 238 bilhões em importações. Naquele ano, ela foi a maior exportadora de trigo, aços semi-finalizados, óleo de alcatrão, níquel e fertilizantes nitrogenados.

    As maiores exportações foram de petróleo bruto, petróleo refinado, gás natural, carvão e trigo, com os principais destinos sendo, respectivamente, a China, Países Baixos, Belarus, Alemanha e Itália.

    Já as principais importações foram de carros, medicamentos, peças de veículos, equipamentos de telecomunicação e aeronaves e helicópteros. Os maiores vendedores foram a China, Alemanha, Belarus, Estados Unidos e Itália.

    No mesmo ano, a Ucrânia exportou US$ 49,5 bilhões em produtos, e importou US$ 55,4 bilhões. Os principais produtos exportados foram milho, óleos de sementes, minério de ferro, trigo e aço semi-finalizado, tendo como destino Rússia, China, Alemanha, Polônia e Itália.

    Na pauta de importação, os principais produtos foram petróleo refinado, carros, medicamentos, carvão e gás natural. Os maiores vendedores foram a China, Rússia, Alemanha, Polônia e Belarus.

    Especificamente com o Brasil, os dois países estão bem distantes dos principais parceiros comerciais. Em 2021, as exportações para a Rússia somaram US$ 1,587 bilhão, enquanto que, para a Ucrânia, foram de US$ 226 milhões.

    Os principais produtos brasileiros exportados para a Rússia foram soja, café, frango, açúcar, amendoim, carne bovina e ferro-nióbio. Já para a Ucrânia, foram amendoim, bauxita, açúcar, café, pulverizadores, soja e tabaco.

    No mesmo ano, as importações da Rússia totalizaram US$ 5,698 bilhões, e da Ucrânia US$ 211 milhões. Os principais produtos russos importados foram componentes químicos para produção de fertilizantes, adubos, produtos semimanufaturados de ferro ou aço e alumínio.

    Já da Ucrânia, foram ferro, produtos para produção de fertilizantes, medicamentos que contém insulina e aparelhos para preparação de café ou chá.

    Mais Recentes da CNN