Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Políticas públicas são necessárias para realocação profissional, diz especialista

    Janaína Feijó aponta que o mundo todo acompanha um grave cenário de precarização do trabalho

    Vinícius TadeuProduzido por Duda Cambraia*da CNN

    São Paulo

    Ouvir notícia

    Para combater o desamparo social e legal que alguns trabalhadores autônomos enfrentam com a falta de oportunidades no mercado formal, é preciso que políticas públicas voltadas à capacitação profissional sejam executadas. Essa é a avaliação da pesquisadora de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV) Janaína Feijó, que afirmou em entrevista à CNN nesta quarta-feira (5) que a precarização do trabalho deve ser combatida o quanto antes. 

    “As empresas estão demandando conhecimentos e habilidades que não necessariamente são aquelas que esses trabalhadores têm, então de fato é preciso fazer uma realocação profissional, um investimento voltado para o mercado para que eles se tornem mais competitivos “, disse a pesquisadora.

    Feijó destacou que esse é um movimento que está acontecendo no mundo todo e que, consequentemente, leva a uma precarização do trabalho. A expansão dos que trabalham por conta própria, os chamados trabalhadores autônomos, vem acompanhada de muitos trabalhadores que não estão inscritos no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) e, segundo a pesquisadora, isso faz com que eles estejam desprotegidos socialmente e sem direitos trabalhistas.

    De acordo com a pesquisadora, a pandemia agravou a situação da informalidade, já que com a crise econômica muitas pessoas não estavam conseguindo se reinserir no mercado de trabalho  passaram a desenvolver empreendimentos e negócios próprios. Feijó criticiou o “processo de PJtização”.

    “De certa forma a gente fala que está ocorrendo também uma precarização do trabalho, porque essas pessoas estão voltando para o mercado de trabalho, mas sem vínculo formal com as empresas”, afirmou.

    Com a falta de oportunidades no mercado formal e a falta de uma inscrição no CNPJ, a pesquisadora afirmou que é difícil que esses autônomos tenham uma renda maior do que aqueles que trabalham com carteira assinada. “Como eles não estão conseguindo se reinserir nesse mercado, que está mudando, então a única forma que eles encontram de fato é desenvolver algum tipo de mercado autônomo”, disse.

    Obviamente que se eles tentam identificar uma demanda que está reprimida no mercado, a probabilidade que esse negócio cresça e eles passem para formalização é maior, mas até que isso ocorra é preciso que a gente tenha uma recuperação da economia”, pontuou Feijó.

     A pesquisadora avalia que esse cenário não será resolvido em curto prazo, e que investimentos em educação são primordiais para a capacitação profissional, já que a precarização do trabalho é um fenômeno que acontece no mundo todo. “Devemos focar em políticas públicas pra solucionar esses problemas”, concluiu. 

    *Supervisionada por Elis Franco

    Mais Recentes da CNN