Por dentro do cruzeiro que vai para lugar nenhum

Antes da pandemia, os habitantes de Hong Kong estavam entre as pessoas que mais viajavam no mundo; agora, muitos pretensos turistas preferem ficar em suas casas, enquanto passaportes acumulam poeira

O navio de cruzeiro Genting Dream foi concluído em 2016
O navio de cruzeiro Genting Dream foi concluído em 2016 NurPhoto via Getty Images

Tara Mulhollandda CNN

Ouvir notícia

Um “cruzeiro para lugar nenhum” parece uma metáfora adequada para a Hong Kong da era da Covid-19.

Assim como nas tentativas fracassadas da cidade de restabelecer as viagens internacionais, ela oferece um fac-símile de movimento para a frente que acaba levando você de volta ao ponto de partida.

Embora a possibilidade de viajar para o exterior esteja lentamente voltando aos Estados Unidos e à Europa, o movimento de entrada e saída de Hong Kong — que já foi o maior centro internacional da Ásia — permanece quase totalmente interrompido.

A região semiautônoma segue uma política zero para a Covid, o que fez com que repetidas tentativas de estabelecer corredores de viagens com os países vizinhos fossem abandonadas, e a maioria dos viajantes que chegam precisam fazer até três semanas de quarentena autofinanciada em hotéis.

Antes da pandemia, os habitantes de Hong Kong estavam entre as pessoas que mais viajavam no mundo; agora, muitos pretensos turistas preferem ficar de férias em suas casas, enquanto seus passaportes acumulam poeira.

A Dream Cruises surgiu com uma opção de férias alternativa adequada aos tempos em que vivemos — uma viagem sem destino, levando passageiros de e para Hong Kong em um grande loop. As viagens duram duas ou três noites, com opções de navegação mais baratas no meio da semana, e os quartos variam de uma cabine com varanda de HK$ 1.688 (cerca de US$ 217) a uma suíte de HK$ 23.838 (cerca de US$ 3.065) com acesso a um deck privativo e piscina. O cruzeiro pode não ser para todos, mas em um momento em que qualquer outra opção exigiria quarentena, parece muito mais atraente.

Embarcar no Genting Dream — um navio de 335 metros de comprimento (quase 1.100 pés) que normalmente pode acomodar mais de três mil pessoas — foi uma reminiscência de voltar a um avião, mas com as medidas de saúde adicionais de muitas outras viagens em 2021. As vendas de ingressos são limitadas à metade da capacidade; dentro do cavernoso terminal de cruzeiros Kai Tak, o número de passageiros era quase inferior ao número de funcionários que verificavam e checavam novamente os documentos de viagem e formulários médicos.

Vida a bordo

Uma demonstração das instalações de teste PCR Covid-19 no centro médico a bordo do Genting Dream / Bloomberg via Getty Images

Embora a indústria de cruzeiros não tenha necessariamente o melhor histórico em relação aos casos de coronavírus, as precauções de segurança no navio Genting Dream são rígidas.

Todos os passageiros devem estar totalmente vacinados e apresentar um teste PCR negativo feito 48 horas antes da partida, bem como passar por verificações pré-embarque e entregar declarações de saúde. E todos a bordo recebem um dispositivo de rastreamento (apelidado de Tracey) para monitorar seu paradeiro em caso de infecção.

Mas essa formalidade diminuiu quando os passageiros que embarcaram foram recebidos por funcionários entusiasmados distribuindo animais em balões e posando para selfies.

As máscaras faciais eram obrigatórias em espaços públicos, como no resto de Hong Kong; mas, além disso, os hóspedes alegremente desconsideraram as medidas de distanciamento social sugeridas enquanto perambulavam pela piscina e exploravam os corredores labirínticos do convés 18, enquanto o crepúsculo caía e o navio deslizava lentamente para fora do Porto Victoria.
Viajei com três amigos, compartilhando duas das cabines mais baratas disponíveis — quartos duplos bastante espaçosos com sofás-cama, camas confortáveis, banheiro privativo com chuveiro e varanda privativa com vista para o mar. Com cerca de 20 metros quadrados, eles não eram muito menores do que muitos quartos de hotel em terra firme e pareciam muito mais isolados, com o único barulho sendo o das ondas do lado de fora.

Para uma embarcação que geralmente é um veículo para um destino diferente, em vez de ser o próprio destino, o Genting Dream fez um trabalho decente ao oferecer atividades suficientes para manter seus residentes temporários — a maioria adultos mais velhos, com algumas famílias e crianças —ocupados durante todo o cruzeiro.
A reserva para acesso à piscina era apenas casualmente aplicada e, embora as banheiras de hidromassagem estivessem fechadas, espreguiçadeiras e sofás nos bares do deck estavam disponíveis gratuitamente.

Para os mais aventureiros a bordo, havia uma quadra de basquete, um campo de minigolfe, uma área de recreação com atividades para crianças e uma sala de jogos para adolescentes, toboáguas letalmente velozes que desciam até o convés principal e um campo de cordas de arrepiar os cabelos com uma tirolesa projetando-se sobre o mar aberto. Mas a atração mais lotada era o cassino abaixo do deck, que oferecia caça-níqueis, blackjack, bingo gigante e cantores de cabaré entoando canções de amor em mandarim e cantonês.

Nem todas essas instalações estavam abertas durante o cruzeiro — mas os funcionários foram atenciosos, prestativos e agradáveis, prontos para abrir uma parede de escalada fechada ou para servir bebidas em um dos muitos bares que ficavam vazios enquanto os hóspedes enchiam as salas de jantar.

Descompressão

A piscina a bordo do navio é ilustrada / Tara Mulholland/CNN

Dois restaurantes em estilo buffet estavam incluídos no preço do ingresso, servindo uma mistura de pratos asiáticos e ocidentais. Embora houvesse restaurantes pagos, a maioria das pessoas a bordo fazia com que valesse a pena empilhando as bandejas estilo jantar da escola com uma confusão de refeições. As tentativas de criar uma atmosfera de festa foram entusiásticas, mas infrutíferas — dentro do único clube do navio, um DJ tocando corajosamente músicas de hip-hop do início dos anos 2000, bombeava gelo seco em uma pista de dança vazia, enquanto os passageiros se divertiam mais na pista de boliche de neon adjacente.

De modo geral, a atmosfera do cruzeiro era de descompressão e alívio por experimentar algo — qualquer coisa — um pouco diferente da vida normal.

Vindo de uma das cidades mais densamente povoadas do mundo, era estranhamente libertador olhar para o mar aberto e não ver nada além de navios de contêineres distantes, ou observar o pôr do sol abaixo de um horizonte sem arranha-céus.

Sem sinal de telefone e nenhuma necessidade específica de fazer nada além de se sentar em uma varanda e olhar para as estrelas, era tentador inclinar-se para o conforto desse idílio isolado.

O convés principal do navio de cruzeiro Gentine Dream é mostrado, partindo de Hong Kong / Tara Mulholland/CNN

Muito além do horizonte estava a doença, o estresse e a incerteza; neste cruzeiro incomum, as bebidas corriam, as pessoas se divertiam e a vida era boa em uma breve bolha de normalidade, flutuando no azul infinito do Mar da China Meridional.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN