Preço médio do galão da gasolina nos EUA atinge US$ 5 pela primeira vez

Cada galão tem 3,8 litros; valores do combustível vêm subindo de forma constante nas últimas oito semanas

Preços de combustíveis em posto de gasolina Chevron, em 09 de junho de 2022, em Houston, Texas
Preços de combustíveis em posto de gasolina Chevron, em 09 de junho de 2022, em Houston, Texas Brandon Bell / Getty Images

Chris Isidoredo CNN Business

Ouvir notícia

Pela primeira vez, um galão de gasolina comum agora custa US$ 5 em média nos Estados Unidos, de acordo com dados da Associação Automobilística Americana (AAA) neste sábado. Cada galão comporta 3,8 litros de combustível.

O registro não é uma surpresa. Os preços do combustível vêm subindo de forma constante nas últimas oito semanas, e este último valor marca o 15º dia consecutivo em que os dados da AAA atingiram um preço recorde e a 32ª vez nos últimos 33 dias.

A média nacional ficou em US$ 4,07 quando a atual corrida de aumentos de preços começou em 15 de abril. A leitura atual de preços do OPIS representa um aumento de 23% em menos de dois meses.

E o aumento dos preços da gasolina está fazendo mais do que apenas causar dor para os motoristas na bomba. Eles são um fator importante no ritmo dos preços pagos pelos consumidores por uma gama completa de bens e serviços, subindo no ritmo mais rápido em 40 anos, de acordo com o relatório de inflação do governo na sexta-feira.

A inflação fez com que a confiança do consumidor atingisse uma baixa recorde na sexta-feira, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Michigan. A preocupação com o que o Federal Reserve fará para combater a inflação fez com que as ações dos EUA despencassem nos últimos meses, eliminando bilhões em riqueza das famílias.

Embora uma média nacional de US$ 5 seja nova, a gasolina de US$ 5 tornou-se desagradavelmente comum em grande parte do país.

Dados do OPIS, que coleta as leituras de 130.000 postos de gasolina dos EUA usados ​​para compilar as médias da AAA, mostraram que 32% dos postos em todo o país, quase um em cada três, já estavam cobrando mais de US$ 5 por galão em leituras na sexta-feira. E cerca de 10% das estações em todo o país estão cobrando mais de US$ 5,75 por galão.

A média estadual foi de US$ 5 por galão ou mais em 21 estados e Washington DC na leitura de sábado.

Gasolina a US$ 6 bate na porta

E os preços da gasolina não devem parar por aí. Com o início da temporada de viagens de verão, a demanda por gasolina, juntamente com os embarques de petróleo russos cortados devido à guerra na Ucrânia, os preços do petróleo estão subindo nos mercados globais.

A média nacional de gasolina dos EUA pode chegar perto de US$ 6 no final deste verão, de acordo com Tom Kloza, chefe global de análise de energia do OPIS.

“Tudo vai de 20 de junho ao Dia do Trabalho”, disse Kloza no início desta semana sobre a demanda por gasolina enquanto as pessoas pegam a estrada para escapadas há muito esperadas. “Venha o inferno ou preços altos da gasolina, as pessoas vão tirar férias.”

A média mais alta em todo o estado está há muito tempo na Califórnia, onde a média ficou em US$ 6,43 o galão nas leituras de sábado. Mas a dor dos preços mais altos está sendo sentida em todo o país, não apenas na Califórnia ou em outros estados com preços altos.

Combustível barato é difícil de encontrar

Isso ocorre em parte porque o preço mais barato não era tão baixo – o preço médio de US$ 4,47 por galão na Geórgia dá a média mais barata em todo o estado. Menos de 300 postos de gasolina de 130.000 em todo o país estavam cobrando US$ 4,25 por galão ou menos na leitura de sexta-feira do OPIS. Para fins de comparação, antes do aumento dos preços no início deste ano, a média nacional recorde para o gás havia sido de US$ 4,11, estabelecida em julho de 2008.

E mesmo em alguns estados com preços de gasolina mais baratos, como Mississippi, salários médios mais baixos significam que os motoristas precisam trabalhar mais horas para ganhar o dinheiro necessário para encher o tanque do que os motoristas em alguns dos estados de gasolina com preços mais altos, como Washington.

Há alguns sinais iniciais de que as pessoas estão começando a reduzir a velocidade de condução em face dos preços mais altos, mas ainda é um declínio modesto.

O número de galões bombeados nas estações na última semana de maio caiu cerca de 5% em relação à mesma semana do ano passado, segundo a OPIS, embora os preços do gás tenham subido mais de 50% desde então. O número de viagens de carro nos EUA caiu cerca de 5% desde o início de maio, de acordo com a empresa de pesquisa de mobilidade Inrix, embora essas viagens ainda tenham aumentado cerca de 5% desde o início do ano.

A principal preocupação é que os consumidores cortem outros gastos para continuar dirigindo, o que pode levar uma economia que já mostra sinais de fraqueza à recessão.

Inúmeras razões para preços recordes

Além da forte demanda por gasolina, há também um problema de oferta que está elevando o preço do petróleo e da gasolina. A invasão da Ucrânia pela Rússia, as sanções impostas à Rússia nos Estados Unidos e na Europa desde então é um fator importante, já que a Rússia estava entre os principais exportadores de petróleo do mundo. Mas é apenas parte da causa.

O petróleo é uma commodity negociada nos mercados globais. Os Estados Unidos nunca importaram quantidades significativas de petróleo da Rússia, mas a Europa tradicionalmente depende das exportações russas. A recente decisão da UE de proibir os embarques de petroleiros da Rússia elevou os preços do petróleo em todo o mundo.

O preço do barril de petróleo fechou acima de US$ 120 o barril na sexta-feira, acima dos US$ 100 do mês anterior. O Goldman Sachs previu recentemente que o preço médio do barril de petróleo Brent, referência usada para o petróleo negociado na Europa, será de US$ 140 por barril entre julho e setembro, acima da cotação anterior de US$ 125 por barril.

Outros fatores além da retirada da Rússia do mercado global estão limitando a oferta. A Opep e seus aliados reduziram drasticamente a produção de petróleo, já que a demanda por petróleo caiu nos primeiros meses da pandemia, já que muitas empresas do mundo fecharam e as pessoas ficaram perto de casa. Os futuros globais de petróleo foram brevemente negociados em território negativo devido à falta de espaço para armazenar o excesso de petróleo. Algumas nações produtoras de petróleo reduziram a produção em um esforço para sustentar os preços, e parte dessa produção está novamente online, mas não toda.

A produção de petróleo e a capacidade de refino dos EUA também não se recuperaram totalmente para os níveis pré-pandemia. E como os preços são ainda mais altos na Europa, algumas refinarias americanas e canadenses que normalmente abastecem o mercado americano com gás estão exportando gasolina para a Europa.

Muitas companhias de petróleo demoraram a aumentar a produção, apesar do alto preço que o petróleo poderia alcançar, usando esses lucros crescentes para recomprar suas próprias ações em um esforço para aumentar o preço das ações. A ExxonMobi (XOM) anunciou que pretende recomprar US$ 30 bilhões de suas ações, mais do que seu orçamento total de gastos de capital para o ano.

* Errata: Inicialmente, o título da reportagem afirmava que o preço médio do litro da gasolina nos EUA havia atingido US$ 5 pela primeira vez; no entanto, trata-se do preço do galão. A informação foi corrigida. Cada galão comporta 3,8 litros.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN