Prejuízo do turismo na pandemia ultrapassa R$ 515 bilhões, diz CNC

Do prejuízo acumulado na crise sanitária até abril deste ano, 57% ficaram concentrados nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro

Agregado especial de Atividades turísticas cresceu 2,5% em abril ante março, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgados pelo IBGE
Agregado especial de Atividades turísticas cresceu 2,5% em abril ante março, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgados pelo IBGE Pollyana Ventura/Getty Images

Daniela Amorim, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

As atividades turísticas já somam um prejuízo de R$ 515 bilhões desde o agravamento da pandemia do novo coronavírus no país, em março de 2020, até abril de 2022, calcula a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

No entanto, a geração de receitas está finalmente próxima do nível anterior à crise sanitária, avaliou o economista responsável pelo levantamento da CNC, Fabio Bentes.

Em abril, a ociosidade da capacidade instalada do setor de turismo gerou uma perda de R$ 6,3 bilhões, a menos acentuada desde o início da pandemia. Do prejuízo acumulado na crise sanitária até abril deste ano, 57% ficaram concentrados nos estados de São Paulo (R$ 227 bilhões) e Rio de Janeiro (R$ 67,4 bilhões).

“A expectativa da CNC é que o turismo brasileiro restabeleça o nível de geração de receitas do período pré-pandemia no terceiro trimestre deste ano, devendo encerrar 2022 com alta de 2,8% em relação ao ano passado – a previsão anterior era de +2,4%”, escreveu Bentes, em relatório.

O agregado especial de Atividades turísticas cresceu 2,5% em abril ante março, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O segmento ainda operava 3,4% aquém do nível de fevereiro de 2020, no pré-pandemia.

Mais Recentes da CNN