Reclamações contra empresas aéreas caem quase 75% no 2° trimestre

Anac projeta que a cada 100 mil passageiros transportados, 145 pessoas registraram reclamações contra as empresas aéreas

Avião decola no aeroporto de Congonhas, em São Paulo
Avião decola no aeroporto de Congonhas, em São Paulo Rovena Rosa/Agência Brasil

Lucas Janoneda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O número de reclamações dos viajantes contra as companhias aéreas brasileiras registrou uma queda de 74,4% no segundo trimestre de 2021, quando comparado com o mesmo período do ano passado, momento da pandemia em que medidas restritivas contra Covid-19 afetaram a economia e o setor.

Os dados foram divulgados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) na última sexta-feira (22).

O órgão projeta que a cada 100 mil passageiros transportados, apenas 145 pessoas registraram reclamações contra as empresas aéreas. No 2º trimestre de 2021, foram transportados 11.097.510 passageiros pagos no mercado aéreo brasileiro – 458,8% a mais em relação ao mesmo período do ano anterior.

No período as principais reclamações, tanto para empresas estrangeiras quanto para brasileiras foram: Reembolso (41,6%), Oferta e compra (21,9%) e Alteração pelo passageiro (14,8%).

No caso somente das brasileiras, o ranking fica da seguinte forma: Reembolso (35,2%), Oferta e compra (27,1%) e Alteração pelo passageiro (14,8%).

De acordo com a Anac, as três principais empresas aéreas brasileiras tiveram um aumento de 22,3% no índice de solução de problemas no período analisado.

Os bons resultados estão relacionados à queda no número de cancelamentos de voos e a menor imprevisibilidade do setor. As companhias aéreas nacionais registraram crescimento na malha aérea doméstica pelo quinto mês consecutivo, segundo Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

“Esses resultados comprovam o esforço contínuo das companhias aéreas para aprimorar o relacionamento com os consumidores, diante de uma pandemia que teve um severo impacto para a operação aérea”, disse o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz.

Em comparação com o período pré-pandemia, entretanto, o número de reclamações ainda segue grande. Dados da Anac mostram que a companhia Gol Linhas Aéreas sofreu 7 mil reclamações entre os quase 3 milhões de passageiros.

Dessa forma, para cada 100 mil pessoas transportadas, foram registrados, em média, 241 reinvindicações. Já a Latam teve 5,5 mil requisições entre 3,1 milhões de pessoas transportadas. Por último a Azul, com 2,8 mil de reclamações com 4,4 milhões de passageiros no período analisado.

Procurada pela CNN, a Latam informou que também registrou queda de cerca de 70% de reclamações de passageiros, alinhado com o divulgado pela ANAC. A companhia informou ainda que tem aprimorado a capacitação de seus colaboradores e melhorado seus canais com os passageiros para evitar e resolver as reclamações.

Já a Azul informou que tem registrado sucessivas quedas nas reclamações e um alto índice de resolução de chamados, e que tem investido no aprimoramento do atendimento ao cliente e dos serviços oferecidos.

A CNN também entrou em contato com a Gol, mas ainda aguarda um retorno.

Mais Recentes da CNN