Recurso da Blue Origin contra contrato da SpaceX com a Nasa é negado

Bezos pedia revisão dos lances ofertados para construção da espaçonave que levará astronautas à Lua; Nasa fechou com a SpaceX, de Elon Musk, por US$ 2,9 bilhões

Jeff Bezos fala sobre seu voo no New Shepard, da Blue Origin, para o espaço, durante uma coletiva de imprensa em 20 de julho de 2021, no Texas
Jeff Bezos fala sobre seu voo no New Shepard, da Blue Origin, para o espaço, durante uma coletiva de imprensa em 20 de julho de 2021, no Texas Foto: Joe Raedle / Getty Images

Ashley Strickland, CNN

Ouvir notícia

Quando a Nasa retomar as missões com humanos à lua, a SpaceX construirá o veículo para pousar a primeira mulher e o próximo homem na superfície lunar. O governo dos Estados Unidos negou os protestos apresentados pela Blue Origin e da empresa de defesa Dynetics nesta sexta-feira (30).

Os protestos foram feitos pelas empresas em abril, depois que a Nasa selecionou a SpaceX e concedeu à empresa um contrato de US$ 2,9 bilhões. Esta é mais uma jogada no tabuleiro de xadrez em uma batalha de anos entre empresas de foguetes pertencentes aos dois homens mais ricos do mundo: Jeff Bezos, que fundou a Blue Origin, e Elon Musk, o CEO da SpaceX e rival de Bezos.

Embora o escritório de contabilidade do governo (GAO, na sigla em inglês) tivesse até 4 de agosto para tomar a decisão sobre os protestos, eles anunciaram sua resposta nesta sexta. “Ao negar os protestos, o GAO primeiro concluiu que a Nasa não violou a lei ou regulamento de compras quando decidiu fazer apenas uma premiação”, diz o anúncio do GAO.

“O anúncio da Nasa previa que o número de prêmios que a agência faria estava sujeito ao montante de financiamento disponível para o programa”, diz a nota do órgão. “Além disso, o anúncio reservava o direito de fazer vários prêmios, um único prêmio ou nenhum prêmio. Ao chegar a sua decisão de adjudicação, a Nasa concluiu que só tinha financiamento suficiente para uma adjudicação de contrato. 

O GAO concluiu ainda que não havia nenhuma exigência para a Nasa se envolver em discussões, emendar ou cancelar o anúncio do resultado do valor do financiamento disponível para o programa. Como resultado, o GAO negou os argumentos de protesto de que a Nasa agiu indevidamente ao conceder um único prêmio à SpaceX.” 

“Finalmente, o GAO concordou com os manifestantes que, em uma instância limitada, a Nasa dispensou a exigência do anúncio para a SpaceX. Apesar dessa descoberta, a decisão também conclui que os manifestantes não puderam estabelecer qualquer possibilidade razoável de prejuízo competitivo decorrente dessa discrepância limitada no avaliação”, finaliza o comunicado. 

Entenda a disputa entre a Blue Origin e a SpaceX

Elon Musk
Foto: Patrick Pleul/picture alliance via Getty Images

A disputa que chegou até o governo dos Estados Unidos gira em torno do programa Human Landing System, ou HLS, da Nasa, que originalmente visava ter pelo menos duas empresas do setor privado competindo para construir a espaçonave que levará astronautas à superfície lunar para as missões de pouso lunar da agência espacial Artemis. 

Mas a Nasa fez o anúncio surpresa de que seguiria em frente com a SpaceX como a única contratada para o projeto, citando os custos como a principal razão para a decisão.

Tanto a Blue Origin quanto a Dynetics argumentaram em suas queixas que a Nasa não avaliou adequadamente seus lances, pressionando a agência espacial a reconsiderar. O governo teve cem dias para decidir se os protestos tinham mérito.

A resistência contra essas decisões de contratação é comum, especialmente na indústria aeroespacial, onde a Nasa e os militares dos EUA são os principais clientes dos construtores de foguetes e ganhar ou perder possibilidades como essa pode ter um impacto enorme nos resultados financeiros de uma empresa.

“Estamos firmes em nossa crença de que houve problemas fundamentais com a decisão da Nasa, mas o GAO não foi capaz de resolvê-los devido à sua jurisdição limitada”, diz um porta-voz da Blue Origin. “Continuaremos defendendo dois fornecedores imediatos, pois acreditamos que é a solução certa. Fomos encorajados por ações no Congresso para adicionar um segundo fornecedor e recursos adicionais apropriados para a busca da Nasa de voltar a levar americanos à Lua.”

A empresa disse que também foi muito encorajada pelos comentários do administrador da Nasa, Bill Nelson. “Na semana passada, reafirmam a intenção original da Nasa de fornecer competição simultânea. O programa Human Landing System precisa ter competição agora em vez de mais tarde – essa é a melhor solução para a Nasa e a melhor solução para o nosso país.”

A agência espacial vê a decisão do GAO como uma forma de seguir em frente com o contrato da SpaceX e retomar as missões com humanos à Lua. A decisão permite que a Nasa e a SpaceX “estabeleçam uma linha do tempo para o primeiro pouso tripulado na Lua em mais de 50 anos”, de acordo com a Nasa.

“A Nasa reconhece que enviar astronautas americanos de volta à Lua pela primeira vez desde o programa Apollo e estabelecer uma presença de longo prazo na Lua é uma prioridade para a administração Biden e é fundamental para manter a liderança americana no espaço”, diz uma declaração recente da Nasa.

“Diante dos desafios durante o ano passado, a Nasa e seus parceiros fizeram conquistas significativas para o avanço de Artemis, incluindo um teste bem-sucedido de fogo para o foguete do Sistema de Lançamento Espacial. Um vôo sem trava do Artemis I está a caminho para este ano e a missão tripulada Artemis II está planejada para 2023.”

“A Nasa está avançando com urgência, mas a segurança dos astronautas é a prioridade e a agência não sacrificará a segurança da tripulação na busca constante da meta de estabelecer uma presença de longo prazo na Lua.”

Programa Artemis

A agência também disse que seus funcionários em breve fornecerão uma atualização sobre o futuro do programa Artemis, o sistema de pouso humano e a proposta de retorno à lua e continuarão trabalhando com a administração Biden, Congresso e parceiros comerciais para fornecer uma abordagem sustentável para a exploração lunar.

A Blue Origin propôs trabalhar como uma “equipe nacional” para o programa HLS ao lado de empreiteiros governamentais frequentes, como Northrop Grumman e Lockheed Martin para projetar um módulo lunar específico para atender a estação espacial, chamada Gateway, que a Nasa planeja colocar em órbita ao redor do lua. A Dynetics veio com uma proposta semelhante.

Programa Artemis levará a primeira pessoa negra à lua, de acordo com a Nasa
Programa Artemis levará a primeira pessoa negra à lua, de acordo com a Nasa
Foto: Divulgação/Nasa

A SpaceX, no entanto, propôs o uso de sua nave estelar, uma nave gigantesca e com sistema de foguetes que está atualmente nos primeiros estágios de desenvolvimento no sul do Texas. O objetivo principal da SpaceX para a nave espacial é levar humanos a Marte, mas a empresa propôs o uso de uma versão modificada para atender ao programa lunar Artemis da Nasa.

Embora o veículo seja teoricamente capaz de levar astronautas da Terra diretamente para a superfície lunar, a Nasa planeja usar o veículo em conjunto com seu próprio foguete e espaçonave: o SLS, ou Sistema de Lançamento Espacial, em português, e o Orion.

Funcionários da Nasa disseram no início deste ano que, de acordo com seu plano atual, o SLS levará astronautas para a órbita lunar e, em seguida, a tripulação será transferida para a estação espacial Gateway e, de lá, a nave espacial SpaceX levará os astronautas para o superfície da lua.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN