Regra controversa abala status de Hong Kong como um centro de aviação

Ascensão da variante Omicron fez com que essa regra fosse repetidamente ativada, causando o cancelamento de muitos voos para a cidade e o caos para viajantes de todo o mundo

Hong Kong: aeroporto costumava ser uma das maiores vantagens da cidade
Hong Kong: aeroporto costumava ser uma das maiores vantagens da cidade Getty Images

Michelle Tohdo CNN BusinessJake KwonLizzy Yeedo CNN Business*

Ouvir notícia

As restrições ao Covid-19 de Hong Kong continuam limitando severamente as viagens para a cidade, com apenas um voo de fora da região da Ásia-Pacífico pousando na terça e quarta-feira.

O governo recentemente permitiu que voos de nove países, incluindo Austrália, Reino Unido e Estados Unidos, fossem retomados após proibições que duraram de dois a três meses, mas as companhias aéreas continuam lutando com a rigorosa política de “zero Covid” da cidade. As autoridades esta semana proibiram temporariamente voos novamente da Índia, Paquistão e Filipinas.

Na quarta-feira, 11 rotas de voos de 10 companhias aéreas foram temporariamente cortadas, incluindo as de Londres e Amsterdã, disse o governo em comunicado.

A última interrupção está ligada a um regulamento controverso que exige que as rotas sejam suspensas por sete dias se três ou mais passageiros em um voo de entrada testarem positivo para Covid-19 ou tiverem documentação de saúde insuficiente.

As transportadoras afetadas são Cathay Pacific, Singapore Airlines, Ethiopian Airlines, Qatar Airways, KLM Royal Dutch Airlines, Air India, Turkish Airlines, Malaysia Airlines, All Nippon Airways e a companhia aérea regional Scoot, segundo autoridades de Hong Kong.

Nos últimos meses, a ascensão da variante Omicron fez com que essa regra fosse repetidamente ativada, causando o cancelamento de muitos voos para a cidade e o caos para viajantes de todo o mundo.

Até agora este mês, 21 rotas já foram suspensas por causa da regra, de acordo com uma contagem da CNN.

Joanne Townson, que mora em Hong Kong há mais de 25 anos, disse que teve pelo menos seis voos para a cidade cancelados nos últimos 16 meses por vários motivos, incluindo o regulamento.

Ela disse que as proibições de voos de Hong Kong e as restrições de quarentena recentemente a levaram a se demitir “de um trabalho que eu amava” e voar para a Europa, porque ela não conseguia ver suas filhas há 18 meses.

A regra de suspensão de voos está prejudicando a posição de Hong Kong como um importante centro de aviação, que já estava em questão quando a cidade enfrentava o impacto de suas rigorosas medidas de quarentena. Antes da crise global de saúde, a cidade abrigava um dos aeroportos mais movimentados do mundo.

Os efeitos mais recentes das restrições foram vistos claramente na terça-feira, quando apenas um único voo chegou à cidade de fora da região Ásia-Pacífico, segundo o Aeroporto Internacional de Hong Kong. O voo foi operado pela Emirates e veio de Dubai.

“Fora do mapa”

“As restrições foram muito severas e levaram diretamente ao cancelamento de muitos serviços, com as companhias aéreas achando incrivelmente difícil, se não impossível, operar lá”, disse Willie Walsh, diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo. em uma coletiva de imprensa no início deste mês.

Walsh acrescentou que o status de Hong Kong como um centro internacional “escorregou”, deixando-o “efetivamente fora do mapa agora”. “Acho que será difícil para Hong Kong se recuperar”, disse ele.

Frederik Gollob, presidente da Câmara de Comércio Europeia em Hong Kong, disse ao CNN Business que o aeroporto costumava ser uma das maiores vantagens da cidade.

Além das regras de quarentena da cidade, as suspensões de voos são uma das “maiores” preocupações da comunidade empresarial internacional, acrescentou.

Atualmente, a maioria dos viajantes é obrigada a ficar em quartos de hotel por sete dias às suas próprias custas, abaixo de um mandato anterior de isolamento por até três semanas.

Townson, moradora de Hong Kong, disse que sua família em breve passará por quarentena se um voo da Cathay Pacific programado de Paris para Hong Kong no próximo mês for realizado conforme planejado. “Estou rezando para que o voo voe e não acredite que estamos a caminho até a decolagem”, disse ela.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN