Reino Unido e União Europeia se aproximam de acordo pós-Brexit

Fontes próximas às negociações têm expectativa de que acordo entre Reino Unido e União Europeia seja anunciado ainda nesta quinta-feira (24)

Por Luke McGee, da CNN*

Ouvir notícia

 

O Reino Unido e a União Europeia estão prestes a fechar um acordo comercial pós-Brexit após meses de negociações tensas, segundo fontes disseram à CNN americana.

Um acordo deve ser anunciado na véspera de Natal, afirmou uma fonte do governo do Reino Unido e uma fonte diplomática europeia à CNN. A proximidade do anúncio também foi divulgada pela agência de notícias PA Media do Reino Unido.

O anúncio, caso ocorra, viria antes do prazo final do negócio, 31 de dezembro.

Leia também:
Ações europeias se recuperam com evolução de acordo do Brexit ofuscando pandemia

Uma fonte do governo britânico disse à CNN que o gabinete do Reino Unido foi informado sobre as negociações em uma ligação noturna na quarta-feira. Após essa informação, segundo a fonte, “esperamos que as negociações sobre o texto legal durem até altas horas da madrugada.”

O porta-voz da Comissão Europeia, Eric Mamer, sugeriu que os detalhes finais estavam sendo resolvidos.

Por volta da meia-noite, hora local, ele tuitou: “o trabalho do Brexit continuará durante a noite. Dormir um pouco é recomendado para todos os observadores do Brexit neste momento. Esperamos que comece cedo amanhã de manhã”.

No início da quarta-feira, um conselheiro do governo britânico disse à CNN que as negociações estavam “avançando, mas ainda não chegaram”. Um diplomata da UE concordou, dizendo à CNN na quarta-feira que um acordo poderia ser feito “hoje ou amanhã, mas ainda não havia acontecido”.

As negociações ficaram paralisadas por meses depois que os dois lados não conseguiram chegar a um acordo em temas como cotas de pesca, como o Reino Unido usaria a ajuda estatal para apoiar negócios britânicos pós-Brexit e supervisão legal de qualquer acordo fechado.

Qualquer negócio potencial enfrentaria posteriormente um processo de ratificação antes de entrar em vigor em 1º de janeiro de 2021, quando o período de transição do Brexit termina e o Reino Unido não estará mais sujeito às regras da UE.

No passado, houve preocupações de que o acordo não seria ratificado antes do término do período de transição; no entanto, as instituições europeias, incluindo o Parlamento Europeu, concordaram em reunir horas extras no final do ano para que o acordo seja aprovado a tempo.

Os temores de quaisquer atrasos na aprovação do negócio em tempo para o final do período de transição foram em grande parte dissipados pelo fato de que é amplamente possível implementar acordos comerciais provisoriamente antes de serem ratificados, o que significa que, no pior cenário, o mais sério danos ainda podem ser evitados.

Debate sobre Brexit vai continuar

No próprio Reino Unido, é improvável que qualquer acordo termine os anos de debate político tóxico sobre a relação do país com a Europa.

Os legisladores do Euroskeptic já estão organizando esforços para garantir que um acordo não deixe espaço para o Reino Unido voltar à órbita da UE. Enquanto isso, os pró-europeus terão esperança de que, em algum momento no futuro, o Reino Unido, talvez sob uma nova liderança, seja capaz de fortalecer os laços com Bruxelas.

Sem um acordo comercial, as empresas britânicas perderiam o acesso livre de tarifas e cotas ao mercado da UE de mais de 400 milhões de consumidores, que compram quase metade das exportações do país e fornecem uma parcela semelhante de suas importações. Para a UE, o Reino Unido é muito menos importante, respondendo por apenas 4% das exportações do bloco em 2019 e 6% das importações.

No início deste mês, o primeiro-ministro insistiu que, independentemente de como seria o acordo, o Reino Unido iria “prosperar fortemente como uma nação independente”.

Mesmo que qualquer acordo seja menos prejudicial economicamente do que nenhum acordo, o Reino Unido ainda estará mais pobre no longo prazo do que se tivesse permanecido na UE, disse em novembro a agência independente que produz previsões econômicas para o governo.

Por enquanto, nenhum dos lados tem apetite para mais negociações após anos de dolorosas divergências.

* Hanna Ziady contribuiu para esta reportagem

Mais Recentes da CNN