Rússia está com dias contados como superpotência energética, avalia especialista

Papel russo no sistema energético europeu e global foi profundamente abalado pela guerra na Ucrânia, escreve Nikos Tsafos em artigo de opinião

Extração de petróleo em Nefteyugansk, Rússia
Extração de petróleo em Nefteyugansk, Rússia Reuters/Sergei Karpukhin

Nikos Tsafoscolaboração para a CNN

em Washington

Ouvir notícia

Em questão de semanas, a guerra na Ucrânia abalou uma relação energética entre a Europa e a Rússia que remonta a décadas.

A Europa entende que não pode romper os laços com a Rússia da noite para o dia, visto que ainda precisa da energia russa. Mas o papel da Rússia no sistema energético europeu e global foi abalado.

Esta é uma mudança profunda que marcará o fim da Rússia como superpotência energética.

A Rússia é central para o sistema energético global. É o maior exportador mundial de petróleo, representando cerca de 8% do mercado global. E fornece à Europa 45% do seu gás natural, 45% do seu carvão e 25% do seu petróleo.

Da mesma forma, os hidrocarbonetos são a salvação da economia da Rússia. Em 2019, antes dos preços amuados pela Covid-19, as receitas de petróleo e gás natural representavam 40% do orçamento federal do país.

E petróleo e gás representaram quase metade do total de exportações de bens da Rússia em 2021. É difícil imaginar como seria a economia russa sem petróleo e gás.

Desde a invasão, a Europa tem se esforçado para elaborar uma nova estratégia de segurança energética. A maioria dos países europeus havia assumido que a dependência da energia russa era um risco que eles podiam administrar, por mais desconfortável que às vezes fosse.

Eles acreditavam que a Rússia era um ator racional que queria ganhar dinheiro vendendo sua energia. Mas a maior guerra terrestre na Europa em gerações produziu uma rápida reavaliação dessas suposições.

A Europa estava acostumada a lidar com um adversário; agora deve lidar com um inimigo.

Sem dúvida, a resposta europeia foi rápida. A Europa delineou um plano ambicioso para reduzir as importações de gás russo em dois terços em 2022, com o objetivo de eliminar gradualmente o petróleo e o gás russos até 2027. Enquanto isso, os líderes europeus estão debatendo propostas para uma proibição imediata das importações de petróleo russo.

O Reino Unido já disse que eliminaria as importações de petróleo russo até o final de 2022. A Alemanha suspendeu a aprovação do gasoduto Nord Stream 2 e disse que investiria em infraestrutura para importar gás natural liquefeito (GNL). Uma nova instalação de importação de GNL está sendo construída na Holanda. O afastamento da Rússia está acontecendo rapidamente.

Grandes empresas de energia como Shell, ExxonMobil e Equinor estão se afastando de investimentos que remontam a décadas. A opinião pública está restringindo sua disposição de comprar petróleo russo no mercado aberto, o que está diminuindo a presença da Rússia no cenário energético.

Mas a Europa está agora em uma situação difícil. O petróleo e o gás russos são indispensáveis. Mas confiar na Rússia não é mais tolerável, dadas as atrocidades da Rússia na Ucrânia e o medo de que ela possa interromper o fornecimento de gás a qualquer momento. Então, a Europa quer romper o relacionamento.

Essas forças opostas criam uma lacuna entre onde a Europa está e onde ela quer estar. Como isso será resolvido nos próximos anos não está claro, uma vez que os suprimentos alternativos são limitados no curto prazo.

Por enquanto, a Comissão Europeia pediu às empresas que garantam suprimentos de países como Estados Unidos, Catar e Egito, uma medida que pode fazer com que os preços subam ainda mais à medida que a demanda aumenta em relação à oferta limitada.

Mas o que vem após esse período de ajuste é bastante claro: o comércio de energia da Europa com a Rússia acabará diminuindo para perto de zero.

A Rússia se voltará para outros clientes. Cerca de 20% do petróleo da Rússia vai para a China, e suas vendas de gás natural certamente aumentarão, graças a um oleoduto que percorre mais de 8.100 quilômetros. Mas a virada da Rússia para o Leste é limitada pela geologia, geografia e geopolítica.

A Rússia tem mais recursos de petróleo e gás na Sibéria Ocidental do que no Oriente, tornando mais difícil servir a Ásia. A infraestrutura existente também está configurada para enviar energia para a Europa. A disposição da China de financiar uma mudança dessa magnitude – reconectando a infraestrutura de exportação da Rússia para o leste – não é clara.

A China aceitará um acordo de pechincha se for oferecido? Provavelmente. Escolherá depender fortemente da energia russa? Provavelmente não.

Daqui a uma década, essa dinâmica mudará a posição da Rússia na energia global e na economia mundial. A Rússia não será completamente excluída do mercado global de energia, mas seu papel diminuirá consideravelmente.

Esta guerra causou danos irreparáveis ​​à marca da Rússia como fornecedora de energia.

Alguns estrategistas argumentam que a capacidade da Rússia de travar a guerra será diminuída sem as receitas de combustíveis fósseis para financiar suas forças armadas. Isso é verdade – até certo ponto.

Mas a Rússia está envolvida nos assuntos europeus há séculos. A agressão, a insegurança e a intromissão da Rússia na Europa persistirão muito depois da era dos hidrocarbonetos.

Afinal, é improvável que uma economia russa isolada dos mercados globais seja um vizinho flexível. A guerra acelerará o fim da era em que a Rússia é uma superpotência energética.

Mas se a nova Rússia é melhor – isso é impossível saber.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN