Rússia pode dar 1º calote desde 1918; entenda como isso afeta a economia global

Calote poderia expulsar os poucos investidores estrangeiros restantes da Rússia e isolar ainda mais a economia em ruínas do país

Notas de rublos
Notas de rublos 07/11/2014REUTERS/Kacper Pempel

Julia Horowitzdo CNN Business

Ouvir notícia

A Rússia enviou o sinal mais claro até agora de que em breve entrará em default – a primeira vez que deixará de cumprir suas obrigações de dívida externa desde a revolução bolchevique, há mais de um século.

Metade das reservas estrangeiras do país – cerca de US$ 315 bilhões – foram congeladas por sanções ocidentais impostas após a invasão da Ucrânia, disse o ministro das Finanças russo, Anton Siluanov, neste domingo (13).

Como resultado, Moscou pagará os credores de “países hostis” em rublos até que as sanções sejam suspensas, disse ele.

As agências de classificação de crédito provavelmente considerariam a Rússia como inadimplente se Moscou deixar de pagar ou pagar dívidas emitidas em dólares ou euros com outras moedas, como o rublo ou o yuan chinês.

Um calote poderia expulsar os poucos investidores estrangeiros restantes da Rússia e isolar ainda mais a economia em ruínas do país.

O calote pode ocorrer já na quarta-feira (16), quando Moscou precisa entregar US$ 117 milhões em pagamentos de juros sobre títulos do governo denominados em dólares, segundo o JPMorgan Chase. Embora a Rússia tenha emitido títulos que podem ser pagos em várias moedas desde 2018, esses pagamentos devem ser feitos em dólares americanos.

Padrão iminente

Kristalina Georgieva, diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, disse no domingo que um calote russo não é mais “improvável”.

“A Rússia tem dinheiro para pagar sua dívida, mas não pode acessá-la”, disse ela durante entrevista ao Face the Nation, da CBS.

Na semana passada, a Fitch Ratings rebaixou a dívida russa, dizendo que a disposição e capacidade de Moscou de pagar suas dívidas foram prejudicadas e o calote “é iminente”. A agência de classificação também alertou que a Rússia pode tentar pagar os credores em países específicos em rublos.

Analistas da Capital Economics disseram que um calote já estava refletido no preço dos títulos em dólar da Rússia, que caíram para serem negociados a apenas 20 centavos de dólar.

Os pagamentos de juros devidos na quarta-feira vêm com um período de carência de 30 dias. Mas as agências de classificação de risco podem declarar a Rússia como inadimplente antes que o período termine se Moscou deixar claro que não pretende pagar.

A Rússia deixou de pagar sua dívida interna pela última vez quando o país mergulhou em uma crise financeira por um colapso nos preços das commodities em 1998. Seu mais recente default em moeda estrangeira ocorreu em 1918, quando o líder bolchevique Vladimir Lenin repudiou títulos emitidos pelo governo czarista.

O que acontece depois

O governo russo emprestou relativamente pouco. O JPMorgan estima que tinha cerca de US$ 40 bilhões em dívidas em moeda estrangeira no final do ano passado, com cerca de metade disso em mãos de investidores estrangeiros.

Mas as consequências potenciais de um default são difíceis de avaliar. A crise financeira global de 2008 e a pandemia de coronavírus mostraram como os choques negativos podem se espalhar pelo moderno sistema financeiro e economia global interconectados.

Os bancos internacionais devem mais de US$ 121 bilhões de entidades russas, de acordo com o Bank for International Settlements. Os bancos europeus têm mais de US$ 84 bilhões em créditos totais, com França, Itália e Áustria os mais expostos, e os bancos americanos deviam US$ 14,7 bilhões.

Georgieva disse no domingo que é improvável que uma crise financeira se desenvolva “por enquanto”, dizendo que a exposição dos bancos ocidentais “não é sistemicamente relevante”.

Mesmo que Moscou suspenda os pagamentos a investidores estrangeiros de todas as dívidas soberanas, o calote de cerca de US$ 60 bilhões – incluindo dívidas em rublos mantidas no exterior – estaria no mesmo patamar que o da Argentina em 2020.

Mas analistas da Capital Economics alertaram que uma grande instituição financeira pode estar particularmente exposta à dívida russa, o que pode causar um contágio financeiro mais amplo. Um segundo risco é que um default pode desencadear pagamentos perdidos por empresas russas.

Vladimir Potanin, o empresário mais rico da Rússia, pediu na semana passada que Moscou afrouxasse as restrições sobre moeda estrangeira para que os juros pudessem ser pagos em títulos e empréstimos estrangeiros.

Caso contrário, havia o risco de o país dar calote em toda a sua dívida externa, que ele estimou em cerca de US$ 480 bilhões.

“Para a Rússia, o principal custo é ficar fora dos mercados de capitais globais, ou pelo menos custos de empréstimos mais altos por um período prolongado. Mas as sanções fizeram isso de qualquer maneira”, escreveram analistas da Capital Economics.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN