Salário líquido médio do brasileiro cai para R$ 1.149 em 2021, aponta pesquisa

Levantamento da Kantar mostra que o número de trabalhadores informais cresceu e que famílias se adequaram à alta da energia e do gás de cozinha.

Pesquisa revela que país viveu aumento do trabalho informal em todas as regiões
Pesquisa revela que país viveu aumento do trabalho informal em todas as regiões Getty Images/EyeEm

Pauline Almeidada CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Em um cenário marcado pela pandemia de Covid-19, inflação e desemprego, os lares brasileiros registraram uma queda no salário líquido em 2021. A média foi de R$ 1.149, 8,3% menor em relação ao ano anterior, segundo a pesquisa DomesticView, divulgada pela consultoria Kantar.

O mesmo movimento aconteceu com a renda vinda de auxílios governamentais, especialmente o Auxílio Emergencial, que caiu de R$ 204 para R$ 190, no comparativo entre 2020 e 2021.

O levantamento da Kantar ainda mostra que, com o orçamento em queda, o país viveu um aumento do trabalho informal em todas as regiões. E nos lares desses trabalhadores informais, alimentação, serviços públicos e habitação comprometeram mais de 70% da renda.

Como os brasileiros organizaram o orçamento em 2021?

A alimentação dentro do lar concentrou 35% dos gastos de uma casa no ano passado, seguida pelos custos com habitação (24%) e serviços públicos (13%). Na alimentação, os brasileiros têm trocado o tradicional arroz e feijão, além de outras commodities, por produtos industrializados, mais práticos e rápidos.

Já os gastos com aluguel voltaram a crescer, após uma queda drástica durante o primeiro ano da pandemia. O gerente sênior de Novos Negócios da Kantar, Renato de Melo, destacou que as pessoas também voltaram a reformar suas casas.

“Em algumas categorias, a gente viu até escassez de matéria-prima, como pintura residencial. Nesse modelo de vida mais híbrido, as pessoas estão investindo em um ambiente mais funcional”, colocou.

Em relação aos serviços públicos, a energia elétrica e gás levaram boa parte do orçamento doméstico. O impacto do botijão de gás para as classes D e E chegou a representar 25% dos custos com essa categoria, enquanto a média para a população foi de 17%.

A pesquisa ainda aponta que os recursos destinados aos animais aumentaram 129% em 2021. Segundo Melo, as adoções de animais durante a pandemia podem ter contribuído para esse resultado.

“A gente tem mais lares com pets. Os lares que já tinham pets passaram a ter mais. Quem não tinha cão ou gato passou a ter. Mas a categoria baixou o tíquete médio. Estão comprando ração, mas não a super premium”, apontou o gerente.

Mais Recentes da CNN