Temporada de balanços: energia e turismo são apostas do 1º tri; mineradoras sofrem

Setor elétrico deve se beneficiar da melhora do cenário hídrico e o de turismo, da retomada das viagens, dizem especialistas

Gustavo Pazos, analista de research da Warren, afirma que empresas que são pouco sensíveis a fatores macroeconômicos tendem a se destacar, como o setor elétrico
Gustavo Pazos, analista de research da Warren, afirma que empresas que são pouco sensíveis a fatores macroeconômicos tendem a se destacar, como o setor elétrico Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Artur Nicocelido CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

Com o resultado da prévia operacional da mineradora Vale, especialistas entrevistados pelo CNN Brasil Business apontaram que as companhias relacionadas ao minério de ferro devem apresentar números negativos no primeiro trimestre de 2022. E quem deve seguir o mesmo caminho de queda nos dados são as varejistas, por conta da inflação.

Ao mesmo tempo, na ponta oposta, os setores de energia elétrica, viagens e turismo devem ser destaques no período.

A temporada de divulgação dos balanços financeiros do primeiro trimestre de 2022 começou em 20 de abril, com os resultados da Usiminas, e terminará em 3 de novembro, com o da BrasilAgro, segundo dados prévios da B3.

As companhias relacionadas ao minério de ferro devem ver suas ações caírem devido à sazonalidade no trimestre, segundo Rodrigo Crespi, analista da Guide Investimentos, e Luiz Carlos Corrêa, sócio da Nexgen Capital.

“O que já pode ser sentido com as prévias da Vale que vieram ruins, tendo uma diminuição na produção e uma redução nas vendas”, destaca Carlos Corrêa. A mineradora justificou que o resultado menor é por causa das fortes chuvas na região sudeste.

A Vale produziu 63,9 milhões de toneladas de minério de ferro no primeiro trimestre deste ano, queda de 6% ante igual período de 2021, enquanto o volume de vendas da commodity recuou ainda mais.

A companhia vendeu 53,6 milhões de toneladas de commodity entre janeiro e março, volume 9,6% menor que o registrado um ano antes e 35,5% inferior ao trimestre anterior.

Levantamento do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) aponta redução de 13% na produção e 20% no faturamento do setor mineral no primeiro trimestre em relação com o mesmo período do ano passado. Segundo a associação, a indústria mineral brasileira sentiu os impactos climáticos e externos, e teve queda nos resultados neste primeiro trimestre.

Inflação penaliza

Crespi destaca também que empresas mais dependentes da dinâmica interna, como as companhias de varejo, devem continuar a enfrentar as mesmas dificuldades do trimestre anterior. Com a alta da inflação, o poder de compra dos brasileiros fica reduzido, puxando as companhias desse setor para baixo.

O analista sênior de renda variável da AZ Quest, João Mamede, afirma que, para haver uma reversão dessa tendência, é fundamental que a inflação mostre sinais de arrefecimento.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) — que mede a inflação oficial do país –, acelerou em março a 11,30% em 12 meses. O número fica muito acima do teto da meta do governo, de 5% em 2022.

Destaques positivos

No lado positivo, empresas que são pouco sensíveis a fatores macroeconômicos tendem a se destacar, como o setor elétrico, aposta Gustavo Pazos, analista de research da Warren.

Ele lembra que esse mercado foi penalizado no ano passado com a escassez hídrica, porém, o atual cenário se mostra favorável para essas companhias, por conta do aumento das chuvas em todo o país.

Os setores de transporte e turismo devem ser outro destaque positivo da temporada de balanços financeiros do primeiro trimestre, na opinião de Crespi, da Guide. Ele aponta que as viagens internacionais estão sendo retomadas e superando os níveis pré-pandêmicos.

Pontos de atenção

Os especialistas afirmam que os investidores devem ficar atentos se os números das companhias seguirão suas metas previstas anteriormente.

De todo modo, o analista da Guide Investimentos já adverte que mineração, por exemplo, deve ser abaixo do estipulado pelas companhias, “porém, deve ser recompensado no meio do ano, [quando a sazonalidade é diferente se comparado com o primeiro trimestre de 2022]”.

E o analista de research da Warren destacou também que o mercado deve ter no radar o endividamento das companhias, já que tanto a curva de juros quando a curva inflacionária estão em alta.

“Assim, empresas endividadas, independente do indexador das dívidas, devem sofrer [com o custo das dívidas]”.

Calendário

Veja o calendário completo de divulgação do balanço financeiro do 1º trimestre:

A temporada de balanços do segundo trimestre deve começar no final de julho ou no início de agosto.

 

 

Mais Recentes da CNN