Tesla quer reduzir dependência da China, fornecedora de componente para carros

Montadora fechou acordo com empresa que opera em Moçambique para obter grafite necessário em baterias de veículos elétricos

Tesla tem sido alvo de questionamentos sobre relação com a China
Tesla tem sido alvo de questionamentos sobre relação com a China Aly Song/Reuters

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A Tesla recorreu a Moçambique para a produção de um componente importante de suas baterias de carros elétricos. Analistas acreditam ser um acordo inédito concebido para reduzir a sua dependência da China para o grafite.

A empresa de Elon Musk assinou um acordo no mês passado com a australiana Syrah Resources, que opera uma das maiores minas de grafite do mundo no país do sul da África.

É uma parceria única entre um fabricante de veículos elétricos e um produtor do mineral essencial para as baterias de íon-lítio. O valor do negócio não foi divulgado.

A Tesla comprará o material da planta de processamento da empresa em Vidalia, no estado norte-americano de Louisiana, que obtém grafite de sua mina em Balama, Moçambique.

A montadora elétrica com sede em Austin, no Texas, planeja comprar 80% do que a planta produz – 8 mil toneladas de grafite por ano – a partir de 2025, de acordo com o entendimento. A Syrah deve provar que o material atende aos padrões da Tesla.

O acordo faz parte do plano da Tesla de aumentar sua capacidade de fabricar suas próprias baterias para reduzir sua dependência da China, que domina os mercados globais de grafite, disse Simon Moores, do provedor de dados e inteligência de materiais de baterias do Reino Unido Benchmark Mineral Intelligence.

“Começa no topo com a geopolítica”, disse Moores. “Os EUA querem construir capacidade doméstica suficiente para poder construir [baterias de íons de lítio] dentro dos EUA. E este acordo permitirá que a Tesla obtenha grafite independente da China”, explicou.

Moores acrescentou que produzir as baterias nos Estados Unidos reduzirá algumas das questões que a Tesla enfrenta sobre seus laços com a China, onde há preocupações ambientais em algumas minas.

A montadora também montou um showroom na região de Xinjiang, onde autoridades chinesas são acusadas de realizar trabalho forçado e outros abusos de direitos humanos contra minorias étnicas majoritariamente muçulmanas.

Mais Recentes da CNN