Todos os ganhos no mercado de ações evaporaram durante o governo de Joe Biden

S&P 500 caiu 2,7% desde 20 de janeiro de 2021; índice blue chip despencou 21% neste ano

Implosão do mercado durante os estágios iniciais da presidência de Joe Biden não é tão ruim quanto a vivida por alguns de seus antecessores
Implosão do mercado durante os estágios iniciais da presidência de Joe Biden não é tão ruim quanto a vivida por alguns de seus antecessores FILEDIMAGE

Paul R. La MonicaDavid Goldmando CNN Business

Ouvir notícia

O presidente norte-americano Joe Biden pode não ser tão obcecado pelo mercado de ações quanto seu antecessor – pelo menos não publicamente. Mas a turbulência deste ano em Wall Street foi um duro golpe para ele. O S&P 500 até agora perdeu todos os seus ganhos desde que assumiu a cadeira, no ano passado.

O S&P 500 caiu 2,7% desde 20 de janeiro de 2021. As ações caíram no vermelho na era Biden após a queda de 3,9% do mercado na segunda-feira (13).

O índice blue chip, que inclui empresas como as gigantes da tecnologia Apple, Microsoft, Amazon, Tesla e Berkshire Hathaway despencou 21% neste ano.

É uma reviravolta gritante para o mercado de ações. O S&P 500 subiu quase 24% desde Biden tomou posse até o final do ano passado.

Mas a combinação de preços crescentes de petróleo e gás após a invasão da Ucrânia pela Rússia, preocupações mais amplas com a inflação resultantes de interrupções contínuas na cadeia de suprimentos e temores sobre aumentos agressivos das taxas de juros pelo Federal Reserve levaram o mercado a uma queda em 2022.

Muitos especialistas são rápidos em apontar que o mercado de ações não é a economia geral. O que acontece em Wall Street nem sempre afeta diretamente as pessoas na Main Street, especialmente aquelas que não são investidores ativos.

No entanto, as medidas de confiança e sentimento do consumidor geralmente refletem os altos e baixos dos mercados. Mesmo que as pessoas não estejam investindo em ações, elas leem sobre o caos em Wall Street em seus smartphones e veem a cobertura na televisão.

Muitos americanos também têm exposição ao mercado por meio de planos de aposentadoria.

Houve um boom de interesse no mercado graças ao aumento épico – e subsequente queda – de ações de memes como GameStop e AMC. Alguns investidores médios começaram a se interessar por bitcoin também e outras criptomoedas, que recentemente sofreram uma queda ainda mais espetacular do que a maioria das ações.

Tudo isso pode representar problemas para Biden e democratas nas próximas eleições de meio de mandato.

Mas se há algum consolo para Biden, a implosão do mercado durante os estágios iniciais de sua presidência não é tão ruim quanto a vivida por alguns de seus antecessores, segundo dados do estrategista-chefe de investimentos da CFRA Research, Sam Stovall.

O mercado despencou 16,5% nos primeiros 510 dias da presidência de Ronald Reagan, que também foi um período de inflação historicamente alta. As ações caíram 25% no início da presidência de George W. Bush, já que o mercado estava no meio do colapso das “pontocom” e lutava para se recuperar após o 11 de setembro. Mas tanto Reagan quanto George W. Bush acabaram sendo reeleitos.

Enquanto isso, as ações subiram mais de 20% no início dos mandatos de George HW Bush e Donald Trump no Salão Oval. Nenhum dos dois foi eleito para um segundo mandato.

Ainda assim, o mercado de ações caiu cerca de 3,4% no início da presidência de Jimmy Carter, apenas um pouco mais do que a queda atual de Biden. Carter também teve que lidar com a alta inflação e preocupações geopolíticas, com a crise dos reféns no Irã ocorrendo no final do terceiro ano de seu primeiro – e único – mandato.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN