Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trabalhadores rurais fazem tratoraço em Buenos Aires

    Produtores protestam contra tributos do governo Alberto Fernández sobre as exportações de alimentos

    Luciana Taddeoda CNN

    Em Buenos Aires

    Ouvir notícia

    Trabalhadores do campo fizeram um tratoraço nas ruas da capital Buenos Aires, na Argentina, na tarde deste sábado (23). Eles pressionam o governo do presidente Alberto Fernández pelo excesso de tributos aos trabalhadores rurais.

    Além dos produtores rurais, diversas pessoas participaram do protesto em veículos de passeio particulares. Os trabalhadores saíram no início da tarde da região do estádio do River Plate e seguiram até a Praça de Maio, onde fica a Casa Rosada, sede do governo argentino.

    Os produtores rurais protestaram, principalmente, contra a pressão tributária, especificamente contra os impostos sobre as exportações de grãos e de alimentos. Apesar de não ser o produtor que paga esses impostos, eles alegam que as empresas exportadoras acabam repassando esses custos.

    Manifestantes participam de “tratoraço” em protesto contra Alberto Fernandez em Buenos Aires, na Argentina – 19/04/2022 / Gustavo Garello/Getty Images

    Na região central da cidade, os trabalhadores se encontraram com outros manifestantes que protestavam contra o que consideram como uma manobra do atual governo para designar representantes para a Corte de Magistratura do país.

    Assim como a ex-presidente Cristina Kirchner, o governo de Alberto Fernández tem uma política que se baseia nos impostos, principalmente ao setor rural, que é um dos mais importantes no país.

    Os protestos ocorreram em um momento bastante delicado do país, em que a inflação atingiu o maior índice mensal nos últimos 20 anos.

    Em entrevista à CNN neste sábado, o coordenador do curso de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Eduardo Mello, afirmou que o governo argentino “falhou em fazer reformas e manter os gastos públicos sob controle”.

    “O governo gasta muito mais do que arrecada, não é solvente e financia os déficits crescentes com emissão de moeda. Isso acaba gerando a inflação galopante que a Argentina está enfrentando”, disse Mello.

    Segundo ele, a inflação está “corroendo o poder de compra dos mais pobres”. “Em todas as sociedades, os grupos mais ricos conseguem se defender melhor da inflação, porque eles têm posses. Os mais pobres não têm isso, então eles veem sua renda mensal, da qual dependem para viver, diminuir a cada mês. Quando você tem uma inflação muito alta, ela aumenta a pobreza e a desigualdade no país. É o cenário que estamos vendo na Argentina”, explica o professor.

    Mais Recentes da CNN