Valor da dívida de brasileiros está mais alto, mas inadimplência recua em maio

Dados da primeira edição do “Mapa Inadimplência no Brasil”, do Serasa, mostra que dívida média dos brasileiros aumentou 1,3%

Foto: mohamed Hassan por Pixabay

Tamires Vitorio, do CNN Brasil Business, em São Paulo

Ouvir notícia

Os brasileiros estão pagando mais as suas contas, mas o valor de suas dívidas é o maior dos últimos 12 meses, ficando, em média, R$ 3.937,38 por pessoa em maio — o que representa uma alta de 1,3% ante o mês anterior.

Ao todo, são 65,5 milhões de inadimplentes no Brasil, um pouco a menos do que o pico verificado em abril do ano passado, no início da pandemia, quando o número era 65,91 milhões. “Após isso, algumas ações podem ter auxiliado na queda da inadimplência”, diz Nathalia Dirani, gerente da Serasa. 

Entre as medidas, ela cita a Medida Provisória do governo federal, que permitiu que as empresas não negativassem os consumidores, a flexibilização de regras trabalhistas, como redução temporária de salário e jornada, e a maior concessão de crédito pelas instituições financeiras a negócios menores.

“Em relação a abril, maio viu a inadimplência cair 0,7%. No entanto, se compararmos de janeiro a maio, percebemos um aumento de quase 1 milhão de pessoas”, diz Nathalia. A especialista entende que o aumento no valor médio das dívidas pode ser um reflexo de empréstimos maiores que os consumidores têm feito.

Vale ressaltar que estar endividado é diferente de estar inadimplente, cuja lista é formada daqueles que não pagam suas dívidas.

Perfil da dívida

Entre as principais dívidas estão os bancos e cartões de crédito (29,70%), serviços de utilidade (22,30%) e varejo (13,00%). Os dados são da primeira edição do “Mapa Inadimplência no Brasil”, estudo mensal divulgado pelo Serasa

A pesquisa indica que o estado que mais tem inadimplentes no país é São Paulo, com 15,01 milhões de devedores, seguido pelo Rio de Janeiro, com 6,15 milhões, Minas Gerais, com 5,90 milhões, Bahia, com 3,92 milhões e o Paraná, com 3,27 milhões. 

Há pouca diferença entre os gêneros quando o assunto é dever dinheiro — mulheres estão um pouco a frente dos homens, representando 50,1% dos devedores, enquanto homens representam 49,9%. Pessoas com idades entre 26 e 40 anos também são os que mais devem (35,8%). A faixa etária com menos inadimplentes é a de mais de 60 anos (16,9%).  

As mulheres também são a maioria nas renegociações de dívidas, representando 53% do total, enquanto 47% dos homens renegociam. São Paulo também é o estado com o maior número de renegociações, seguido por Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Bahia. O valor médio dos acordos é de R$ 377,00. 

 

 

Mais Recentes da CNN