Warren compra a corretora cinquentenária Renascença

A Renascença ajudará a Warren a complementar sua gama de serviços, com mais de 300 clientes institucionais ativos

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real Marcello Casal JrAgência Brasil

Fernanda Guimarães, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Poucos meses depois de receber uma injeção de R$ 300 milhões em uma rodada de captação liderada pelo fundo soberano de Cingapura (GIC), a plataforma de investimentos Warren acaba de comprar uma corretora da “velha-guarda”, a quase cinquentenária Renascença, por um valor não revelado. Com mais musculatura, o objetivo, no longo prazo, é tentar entrar na briga pelas primeiras posições desse mercado cada vez mais competitivo, hoje liderado por XP e BTG Pactual.

Outras aquisições estão na mesa, e mais duas devem ser anunciadas no início de outubro, segundo o fundador da Warren, Tito Gusmão. “Nosso objetivo de longo prazo é brigar pelo topo. Vamos lutar para estar entre os três maiores”, diz Gusmão, ex-XP.

A Renascença ajudará a Warren a complementar sua gama de serviços, com mais de 300 clientes institucionais ativos. Com isso, a empresa dará um impulso em nesse segmento, que é aquele focado em clientes como gestoras, por exemplo. Essa fatia já representa 30% da receita da empresa. A aquisição fortalece a atuação em um segmento que representa a maior parte do volume financeiro negociado no País, algo em torno de 70% do total.

As próximas aquisições que estão saindo do forno serão, dessa vez, de duas empresas voltadas para investidores pessoas físicas, que são o foco da atuação da Warren. “Essas aquisições vão nos ajudar no crescimento da base de usuários e de ativos sob gestão. Há um oceano azul para crescimento no varejo”, diz Gusmão. A corretora também analisa a aquisição de startups, que podem ajudar a potencializar a tecnologia da plataforma e a alcançar a meta de dobrar o valor que possui sob custódia, chegando a R$ 12 bilhões até o fim deste ano.

Mercado aquecido

O mercado de plataformas de investimento está em pleno processo de consolidação, movimento que ganhou impulso com o juro em um dígito no Brasil, incentivando mais brasileiros a investir em ativos de maior risco, como ações. Todos estão de olho em um mercado que já fatura mais de R$ 70 bilhões ao ano no Brasil – e com estimativas, consideradas conservadoras, de mais do que dobrar até 2025.

A questão é que, mesmo com o crescimento das plataformas, que conseguiram tirar dos grandes bancos bilhões investidos pelos clientes, Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Caixa ainda concentram 80% dos recursos no País. Mas o domínio já foi maior, tendo chegado a 90%. Há também cerca de R$ 1 trilhão ainda na poupança, recursos que as plataformas querem que entrem no mundo dos investimentos. Por conta dessa grande concentração dos recursos dos brasileiros nos grandes bancos, o presidente da Warren acredita que o movimento de consolidação desse setor vai continuar.

A marca da Renascença, por enquanto, será mantida. A transação envolveu pagamento em dinheiro e também troca de ações. Com isso, os sócios da corretora, os irmãos Ulisses e Fábio Muniz, entram no capital da Warren. O negócio ainda precisa do aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

“A Warren ficou conhecida como uma fintech que fornece serviços de ‘robô advisor’ (robôs-consultores). Esse mercado ainda é pequeno no Brasil, mas vem crescendo nos últimos anos. E a Warren tem um destaque nesse serviço. Porém, algumas dessas empresas perceberam que podem crescer entrando em outros segmentos (B2B, por exemplo)”, comenta o professor da Escola de Economia da FGV Henrique Castro.

 

Mais Recentes da CNN