Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    67,5% das rodovias brasileiras estão em más condições, segundo estudo da CNT

    Pesquisa, divulgada nesta quarta-feira (29), analisou 111 mil quilômetros de estradas federais e estaduais; nos trechos foram encontrados mais de 2,6 mil pontos críticos

    Condição do pavimento das rodovias impacta o preço do frete e, consequentemente, dos produtos para o consumidor final
    Condição do pavimento das rodovias impacta o preço do frete e, consequentemente, dos produtos para o consumidor final . REUTERS/Paulo Whitaker

    Leonardo RibbeiroJoão Rosada CNN

    Brasília

    Um estudo da Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgado nesta quarta-feira (29), revela que 67,5% das rodovias brasileiras são consideradas regular, ruim ou péssima. Outros 32,5% são de trechos classificados como ótimo ou bom.

    Os dados mostram relativa estabilidade no estado geral da malha rodoviária brasileira, em comparação com os resultados do ano passado.

    O levantamento deste ano avaliou 111.502 quilômetros de rodovias pavimentadas. Deste total, 67.659 mil correspondem a malha federal (BRs) e 43.843 de estradas estaduais.

    A pesquisa leva em consideração a qualidade da pavimentação, sinalização e geometria da via.

    Os principais pontos críticos registrados foram:

    • 207 quedas de barreiras;
    • 5 pontes caídas;
    • 504 erosões nas pistas;
    • 1.803 unidades de coleta com buracos grandes;
    • 67 pontes estreitas;
    • 62 outros tipos de situações que possam atrapalhar a fluidez da via.

    Todos esses problemas fazem aumentar o custo operacional do transporte rodoviário de cargas, chegando a 32,7% em 2023. O percentual ficou levemente abaixo do registrado no ano passado, de 33,1%.

    A condição do pavimento das rodovias impacta o preço do frete e, consequentemente, dos produtos para o consumidor final. Sem rodovias de qualidade, o consumo de combustível aumenta, e esses prejuízos são calculados no âmbito da sustentabilidade, por meio do desperdício de óleo diesel.

    De acordo com os resultados relacionados à avaliação da qualidade do pavimento (56,8% regular, ruim e péssimo; e 43,2% ótimo ou bom), é possível estimar que, neste ano, 1,139 bilhão de litros de diesel será consumido de forma desnecessária pela modalidade rodoviária do transporte nacional.

    O estudo também analisou os investimentos em infraestruturas no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2024. O volume de recursos sofreu redução de 4,5% em relação ao autorizado neste ano.

    O novo Programa de Aceleração do Crescimento PAC prevê R$ 185,8 bilhões em investimentos para o modo rodoviário, dos quais R$ 112,8 bilhões são da iniciativa privada (60,7%) e R$ 73 bilhões do governo federal (39,3%).

    Público x privado

    Ao analisar o resultado da pesquisa por tipo de gestão pública e privada, percebe-se que as públicas (que representam 76,6% da extensão pesquisada neste ano) apresentam percentuais maiores de avaliações negativas: 77,1% foram classificadas como regular, ruim e péssima.

    Por outro lado, nas rodovias concessionadas (que representam 23,4% da extensão pesquisada), os altos percentuais para o estado geral remetem a uma situação oposta, ou seja, a bons resultados.

    Conforme a pesquisa, 64,1% da malha concedida, avaliada pelo levantamento nessa característica, foram classificados como bom e ótimo.

    Veja também: Prévia da inflação sobe 0,33% em novembro