Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Acordo com Irlanda pode ser 1º passo para reparar danos do Brexit no Reino Unido

    Especialistas afirmam que trato acaba com ameaça de guerra comercial entre britânicos e União Europeia

    Primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, e a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, após conclusão de acordos comerciais pós-Brexit para a Irlanda do Norte
    Primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, e a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, após conclusão de acordos comerciais pós-Brexit para a Irlanda do Norte Dan Kitwood/Getty Images

    Hanna Ziadyda CNN

    Londres

    O acordo inovador sobre os acordos comerciais da Irlanda do Norte anuncia uma redefinição no relacionamento muitas vezes espinhoso entre o Reino Unido e a União Europeia – e pode ser o primeiro passo para reparar alguns dos danos que o Brexit causou à economia do Reino Unido.

    Revelado na segunda-feira pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, e pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, o “Estrutura de Windsor” aborda problemas com o Protocolo da Irlanda do Norte, uma fonte de amargas disputas entre os britânicos e a UE desde que finalizaram seu acordo de divórcio três anos atrás.

    O Protocolo foi concebido para permitir que a Irlanda do Norte, que faz parte do Reino Unido, permaneça dentro do enorme mercado da Europa, de modo a comercializar mercadorias livremente, por meio de sua fronteira terrestre com a República da Irlanda, um estado-membro da UE.

    Seu efeito, no entanto, foi interromper o comércio entre o Reino Unido e a Irlanda do Norte e enfurecer os políticos unionistas em Belfast.

    Especialistas em comércio dizem que o novo acordo acaba com a ameaça de uma guerra comercial Reino Unido-UE e aumenta a boa vontade entre os dois lados, o que dará um impulso à confiança empresarial.

    Também abre caminho para uma maior cooperação em outras áreas, o que poderia liberar o tão necessário investimento no Reino Unido.

    “Acho que é um momento importante”, disse David Henig, diretor do Reino Unido no European Centre for International Political Economy, um think tank.

    Embora não seja imediatamente significativo para o comércio, marca “uma nova etapa” no relacionamento “de dizer, ‘estamos de volta ao Reino Unido e à UE tentando fazer mais juntos’”, afirmou à CNN.

    Um relacionamento mais caloroso

    O acordo significa uma “relação UE-Reino Unido mais forte, como parceiros próximos, lado a lado, agora e no futuro”, disse Von der Leyen na segunda-feira. Ele oferece “soluções duradouras” que funcionarão para as pessoas e empresas da Irlanda do Norte, acrescentou ela.

    Para evitar uma fronteira rígida politicamente sensível na ilha da Irlanda e arriscar o retorno da violência sectária, o Protocolo da Irlanda do Norte criou uma fronteira alfandegária de fato no Mar da Irlanda entre a ilha e a Grã-Bretanha continental.

    Mas as novas verificações de mercadorias que circulam entre a Grã-Bretanha continental e a Irlanda do Norte prejudicaram as cadeias de suprimentos, aumentaram os custos para as empresas e irritaram o Partido Unionista Democrático pró-britânico, forçando o colapso do governo da Irlanda do Norte no ano passado.

    Sunak e Von der Leyen estão confiantes de que as mudanças recém-acordadas resolverão essas tensões.

    Por exemplo, o acordo cria uma faixa “verde” que permitirá que mercadorias da Grã-Bretanha com destino à Irlanda do Norte passem pelos portos com o mínimo de papelada, cheques e taxas, enquanto aqueles que viajam para a República da Irlanda terão que usar uma faixa “vermelha”.

    Ele também permite que o governo do Reino Unido determine as taxas de imposto sobre vendas para empresas na Irlanda do Norte e dá ao governo da Irlanda do Norte poderes de emergência para se opor às novas regras da UE sobre alguns bens.

    “O acordo de hoje proporciona um fluxo comercial tranquilo em todo o Reino Unido, protege o lugar da Irlanda do Norte em nossa união e salvaguarda a soberania do povo da Irlanda do Norte”, disse Sunak.

    Um impulso para o Reino Unido

    Além de sua importância para a Irlanda do Norte, o acordo diminui a incerteza que o Brexit criou para o Reino Unido.

    Isso elimina a ameaça de uma “guerra comercial olho por olho com o maior mercado do Reino Unido”, que “reteve mal” o investimento empresarial, de acordo com Kallum Pickering, economista sênior da Berenberg.

    “Embora o Reino Unido sofra um impacto duradouro em seu potencial de crescimento após sua decisão de aumentar as barreiras comerciais com a UE, o principal fator que impede a economia do país desde o referendo tem sido a incerteza”, escreveu ele em nota na segunda-feira.

    “Se isso acabar, esperamos que os fundamentos saudáveis ​​do Reino Unido – bancos bem capitalizados, famílias e empresas com fluxo de caixa e mercados bem regulamentados – se reafirmem.”

    O Reino Unido precisa de toda a ajuda possível. É a única grande economia que deve encolher este ano, segundo o Fundo Monetário Internacional, e ainda não recuperou seu tamanho pré-pandêmico.

    O novo acordo da Irlanda do Norte abre as portas para uma cooperação mais estreita entre o Reino Unido e a UE em serviços financeiros, energia, imigração e pesquisa científica, de acordo com especialistas.

    Em uma vitória imediata para as universidades britânicas, o Reino Unido agora poderá ingressar no Horizon Europe, um importante programa de financiamento da UE para pesquisa e inovação com um orçamento de 95,5 euros bilhões (US$ 101 bilhões).

    Este é um “prêmio muito claro” e não apenas para pesquisadores e acadêmicos, disse L. Alan Winters, codiretor do Centro de Política Comercial Inclusiva da Universidade de Sussex.

    Isso “trava a Grã-Bretanha de volta à comunidade de pesquisa científica na Europa… Pesquisa e desenvolvimento são uma grande parte da economia moderna”, falou à CNN.

    Fortalecendo os laços com os EUA

    O acordo também pode ajudar o Reino Unido a estreitar os laços com os Estados Unidos, que sob o presidente Joe Biden demonstrou grande interesse na questão da Irlanda do Norte.

    Biden, que tem ascendência irlandesa, alertou no passado contra fazer do acordo de paz da Irlanda do Norte – o Acordo da Sexta-Feira Santa – uma “vítima do Brexit”.

    Os legisladores democratas nos Estados Unidos também criticaram as tentativas do governo do Reino Unido, sob o comando do ex-primeiro-ministro Boris Johnson, de reescrever e até anular o Protocolo.

    Biden saudou o acordo na segunda-feira.

    “Estou confiante de que as pessoas e empresas da Irlanda do Norte serão capazes de aproveitar ao máximo as oportunidades econômicas criadas por esta estabilidade e certeza, e os Estados Unidos estão prontos para apoiar o vasto potencial econômico da região”, disse ele em um comunicado.

    Marjorie A. Chorlins, vice-presidente sênior para a Europa da Câmara de Comércio dos Estados Unidos, acrescentou que o acordo criou uma “base sólida para uma parceria mais eficaz” entre os Estados Unidos e a Europa.

    Para qualquer governo do Reino Unido, de longe a maior vitória econômica do país seria um acordo de livre comércio com os Estados Unidos.

    Embora isso ainda pareça um tiro no escuro, dado que Biden tem pouco apetite por tratados de comércio internacional, o acordo da Irlanda do Norte remove pelo menos um obstáculo.

    “Isso realmente melhorará o tom das relações com os EUA”, disse Henig, do Centro Europeu de Economia Política Internacional, acrescentando que isso poderia revigorar o diálogo regular entre as duas partes sobre seu futuro relacionamento comercial.

    Um passo à frente

    De muitas maneiras, o acordo sobre a Irlanda do Norte é apenas o primeiro passo para reparar os danos que o Brexit causou à economia britânica e à sua reputação internacional.

    “Você precisa abordar o Protocolo antes de fazer qualquer outra coisa”, disse Anna Jerzewska, fundadora da consultoria de comércio internacional Trade & Borders.

    Embora o novo acordo não mude os onerosos acordos comerciais Reino Unido-UE, ele fornece uma base mais forte e estável a partir da qual o Reino Unido pode navegar em seu futuro pós-Brexit, mesmo que o caminho à frente ainda pareça perigoso.

    “Ainda há muita incerteza sobre qual será a relação definitiva entre o Reino Unido e a UE, particularmente o quanto o Reino Unido vai divergir dos regulamentos da UE”, disse John Springford, vice-diretor do Centro de Desenvolvimento Europeu Reforma, um think tank.

    Isso pode desencadear novos conflitos no futuro, mas a resolução sobre a Irlanda do Norte aumenta a probabilidade de que eles sejam resolvidos de uma forma que envolva “mais concessões e menos confrontos”, destacou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original