Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alta dos preços de energia surpreende perspectivas de inflação do Fed

    Grande parte dos dados aponta para uma economia em desaceleração, mas ainda em crescimento, com uma diminuição das pressões sobre os preços

    Sede do Fed, em Washington
    Sede do Fed, em Washington 22/08/2018REUTERS/Chris Wattie

    Reuters

    Por Howard Schneider, da Reuters

    Autoridades ​​do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), que esperam provas de um claro declínio da inflação e de uma desaceleração econômica, viram um pouco de ambos nos dados desde a sua reunião de julho, todos confundidos por um salto no preço dos combustíveis que pode ter feito a economia parecer mais aquecida do que está.

    Dados de vendas no varejo e de preços ao produtor divulgados nesta quinta-feira (14) forneceram os últimos pontos importantes que o banco central dos Estados Unidos receberá antes de sua reunião de 19 a 20 de setembro, e ambos os relatórios mostraram que os gastos e os preços aumentaram mais do que o esperado — o que inclui um salto mais rápido nos custos ao produtor desde o pico das preocupações com a inflação do Fed em junho de 2022.

    Como resultado de um salto nos preços dos combustíveis no verão norte-americano, o Fed irá provavelmente minimizar ambos como razão para se preocupar com um ressurgimento da inflação, mesmo que mantenha aberta a possibilidade de novos aumentos da taxa básica ainda este ano.

    As vendas no varejo, excluindo a gasolina, aumentaram apenas 0,2% em agosto, um sinal de que os consumidores “fizeram uma pausa necessária”, disse Kathy Bostjancic, economista-chefe da Nationwide Mutual.

    Com um intervalo longo incomum de oito semanas entre as reuniões de 25 e 26 de julho e de 19 e 20 de setembro, os formuladores de política do Fed dispõem de um maior conjunto de informações para trabalharem na sua próxima decisão.

    Grande parte dos dados aponta para uma economia em desaceleração, mas ainda em crescimento, com uma diminuição das pressões sobre os preços — o “pouso suave” que os formuladores de política monetária do Fed esperavam arquitetar e que deverá levá-los a manter a taxa de juros estável na próxima semana na faixa atual de 5,25% a 5,50%.

    No entanto, a imagem não é inequívoca.

    Os preços ao consumidor norte-americano em uma base mensal também subiram em agosto no ritmo mais rápido desde que a inflação atingiu o pico no ano passado e, embora isso também tenha sido impulsionado pela volatilidade dos custos da energia, uma medida do núcleo da inflação também acelerou inesperadamente.

    Embora economistas acreditem que as tendências de inflação ainda se movem a favor da Fed — uma importante medida das margens de lucro caiu no mês passado — os dados de agosto representaram o tipo de surpresa que poderia manter as autoridades inclinadas para pelo menos um aumento adicional da taxa básica nas novas projeções econômicas a serem emitidas ao fim da reunião da próxima semana.

    As projeções econômicas trimestrais atualizadas, que deverão ser divulgadas juntamente com o comunicado de política monetária na quarta-feira, mostrarão se a maioria das autoridades do Fed ainda prevê um novo aumento de 0,25 ponto percentual até o final deste ano, tal como nas suas perspectivas de junho.