Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Americanas consegue suspender na Justiça contratação de “vigilância” sobre suas operações

    Contratação de um observador havia sido pedida na Justiça por alguns credores da varejista

    Loja da Americanas no Rio de Janeiro
    Loja da Americanas no Rio de Janeiro 10/05/2018REUTERS/Sergio Moraes

    Elaine Bast

    A Americanas conseguiu na Justiça a suspensão da decisão de contratação de um agente especial (watchdog) para acompanhar as operações da varejista, na sexta-feira (30).

    Esse tipo de serviço é contratado quando há suspeita de irregularidades dentro das empresas.

    A contratação foi um pedido de alguns credores da Americanas e havia sido concedida pela desembargadora Leila Santos Lopes.

    O escritório que seria contratado cobra honorários de cerca de R$ 300 mil por mês para o serviço. Ou seja, R$ 3,6 milhões por ano — valor que deveria ser pago pela Americanas segundo decisão inicial.

    A empresa entrou com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

    Vídeo – Entenda a fraude na Americanas

    De acordo com a liminar do desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto, faltam motivos claros para a contratação de um observador.

    O serviço traria custos desnecessários para a Americanas, que já tem que arcar com despesas altas de administração judicial, “ficando evidente o risco de dano irreparável”.

    Na decisão, o desembargador argumenta que a fraude foi confessada pela varejista, todos os envolvidos foram afastados e não existem sinais de novas fraudes desde o início de recuperação judicial da empresa.

    Também citou que os administradores judiciais têm fornecido todas as informações pedidas pelos credores.

    O desembargador conclui que o indeferimento tem como base a falta de amparo legal, “apontando-se a onerosidade de tal intervenção”.

    A liminar suspendeu a decisão de contratação até que seja analisado melhor o mérito sobre ser necessária ou não a participação desse observador.