Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Arábia Saudita desafiou os EUA sobre o corte no fornecimento de petróleo; entenda

    Na quarta-feira (5), a Opep+, cartel de petróleo liderado pela Arábia Saudita e Rússia, concordou em reduzir a produção em 2 milhões de barris por dia

    Nadeen EbrahimAbbas Al Lawatida CNN

    em Abu Dhabi

    O ministro da Energia da Arábia Saudita disse uma vez que o reino “tem prazer em manter todos na ponta dos pés”.

    É provavelmente assim que as autoridades da Casa Branca e os políticos democratas ficaram se sentindo quando o reino levou a Opep a anunciar um corte gigantesco na produção de petróleo nesta semana, causando temores de uma inflação ainda mais alta apenas cinco semanas antes das eleições de meio de mandato.

    Na quarta-feira (5), a Opep+, cartel de petróleo liderado pela Arábia Saudita e Rússia, concordou em reduzir a produção em 2 milhões de barris por dia, o dobro do que os analistas previam, no maior corte desde a pandemia de Covid-19.

    Uma intensa campanha de pressão dos EUA para dissuadir seus aliados árabes do corte antes da decisão aparentemente não foi contemplada. A Rússia já está bombeando abaixo do teto da Opep+, e a maioria dos cortes será feita pelos produtores do Golfo.

    Autoridades sauditas insistem que o reino deve colocar seus próprios interesses econômicos à frente das considerações políticas domésticas dos EUA.

    “Estamos preocupados em primeiro lugar com os interesses do Reino da Arábia Saudita”, disse o ministro da Energia, príncipe Abdulaziz bin Salman al-Saud, em entrevista à TV saudita na quarta-feira, acrescentando que o governo tem “interesse em fazer parte do crescimento da economia global”.

    O príncipe Abdulaziz disse que o cartel precisa ser proativo à medida que os bancos centrais do Ocidente se movem para combater a inflação com taxas de juros mais altas, uma medida que pode aumentar as perspectivas de uma recessão global, que por sua vez pode reduzir a demanda por petróleo e reduzir seu preço.

    “Esse corte parece ser uma medida proativa para evitar uma queda de preços que exija um corte repentino, já que o Federal Reserve dos EUA continua a aumentar as taxas de juros”, disse Ellen Wald, membro sênior não residente do think tank Atlantic Council em Washington DC.

    Por causa de sua forte dependência das receitas do petróleo, a economia saudita tem um histórico de ser vítima de ciclos de alta e baixa no mercado de petróleo, onde os preços altos trazem um fluxo de caixa seguido de desacelerações. Especialistas dizem que o reino está tentando se proteger de tal eventualidade.

    “A Arábia Saudita está tentando evitar uma repetição de 2008, quando o crash do mercado colocou a economia global em recessão e os preços do petróleo despencaram repentinamente, exigindo ação emergencial da Opep”, disse Wald.

    Analistas também dizem que a Arábia Saudita não pode permitir que os preços do petróleo caiam abaixo de um certo nível por razões orçamentárias.

    Este ano, espera-se que o reino registe o seu primeiro excedente orçamental após oito anos de défices causados ​​pelos baixos preços do petróleo e pela pandemia de Covid-19.

    Para que seu orçamento se equilibre, os preços globais do petróleo devem estar em torno de US$ 79 o barril, de acordo com o Fundo Monetário Internacional. No mês passado, os preços caíram para US$ 85 por barril de uma alta de US$ 139 apenas sete meses atrás. Esse foi um sinal de alerta para a Arábia Saudita e outros exportadores de petróleo, que dependem do petróleo para a maior parte de sua receita.

    “Mas os sauditas não querem apenas equilibrar as contas, eles querem garantir um fluxo constante de superávits”, disse Robert Mogielnicki, estudioso sênior do Arab Gulf States Institute em Washington, acrescentando que o reino “gostaria de ver os preços aproximando-se da alta de US$ 90”.

    A Arábia Saudita tem o menor custo de extração de petróleo do mundo, em torno de US$ 3 por barril. Isso significa que a grande maioria da receita obtida com cada barril vai para seus cofres.

    E esses fundos são necessários para financiar tudo, desde cidades futuristas de trilhões de dólares no deserto até uma considerável massa salarial do governo, apesar da introdução de novos impostos nos últimos anos e das tentativas de diversificar a economia.

    “O alto preço [necessário para equilibrar o orçamento] é por causa dos grandes gastos em serviços governamentais, investimento em infraestrutura, setor público, etc. “os instrumentos fiscais convencionais estão em grande parte ausentes, especialmente o imposto de renda pessoal”.

    “Está tentando ter uma fonte de receita diversa e estável para o governo porque as finanças instáveis ​​do governo são altamente perturbadoras para a economia”, acrescentou Al-Ubaydli.

    Ainda assim, a resposta dos democratas tem sido feroz, com os políticos enquadrando a ação da Arábia Saudita como um ato hostil contra os EUA que beneficia a Rússia ao encher seus cofres com petrodólares enquanto trava guerra contra a Ucrânia.

    “O que a Arábia Saudita fez para ajudar Putin a continuar sua guerra desprezível e cruel contra a Ucrânia será lembrado por muito tempo pelos americanos”, tuitou o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, um democrata, na sexta-feira.

    O governo Biden foi rápido em sua reação. A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, divulgou um comunicado na quarta-feira dizendo que “está claro que a Opep+ está se alinhando com a Rússia”.

    Na quinta-feira, o secretário de Estado Antony Blinken disse que os EUA estão “revendo várias respostas” à medida da Arábia Saudita, acrescentando que a Casa Branca está “consultando de perto o Congresso”. Alguns sauditas estão descrevendo a reação como “histérica”.

    O governo Biden pode agora apoiar o projeto bipartidário da NOPEC que poderia expor membros da Opep+ a processos antitruste ao revogar a imunidade das companhias petrolíferas nacionais do cartel.

    “A resposta vinda dos círculos políticos em Washington é exagerada”, disse Mohammed Alyahya, membro sênior do Hudson Institute em Washington DC.

    “A Arábia Saudita está principalmente interessada em garantir que a Opep+ permaneça apolítica e focada em questões técnicas.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original